Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
47 Razões de Por que o Nosso Pai Celestial Não é igual ou “Co-igual” Ao seu Filho

47 Razões de Por que o Nosso Pai Celestial Não é igual ou “Co-igual” Ao seu Filho

Há muitos versículos que, se é lido e acreditado de uma maneira simples, de maneira directa, deveria claramente convencer a qualquer pessoa imparcial que Deus e Jesus são dois seres completamente diferentes e distintos. Também há muitas razões lógicas que deveriam levar-nos a duvidar a doutrina da Trindade. O que segue é uma lista de algumas razões para crer que o Pai é o único Deus verdadeiro da Escritura e não tem igual.
Razões para duvidar que a Trindade existe:
1 A palavra “Trindade” não está na Bíblia.
2 Não há nenhuma fórmula Trinitária clara na Bíblia.
3 Os Trinitários diferem grandemente nas suas definições da Trindade. A Igreja Ortodoxa Oriental difere das tradições Ocidentais relativas à relação do Espírito Santo para o Pai e o Filho. Alguns evangelistas da televisão diferem grandemente das Igrejas Reformadas em seu conceito da divindade de Cristo enquanto ele estava na terra. Unidades Pentecostais dizem que a fórmula clássica da Trindade é completamente errada. Ainda assim todos estes afirmam que Cristo é Deus e que a Bíblia apoia a posição deles. Seguramente se a Trindade fosse parte da doutrina Bíblica, e especialmente se a pessoa tivesse que acreditar isto para ser salvo, seria definido claramente na Escritura. Ainda não há nenhuma fórmula Trinitária na Bíblia e os Trinitários próprios não podem concordar em uma definição. Se uma pessoa acredita na Trindade, como é que ele sabe qual definição está correcta, uma vez que nenhuma aparece na Bíblia?
4 O argumento Trinitário de que “o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus e juntos elos fazem um Deus” não está na Escritura e é ilógico. Os Trinitários ensinam que Jesus é tanto 100 por cento homem e 100 por cento Deus. Dizemos que Deus pode fazer o impossível, mas Ele não pode executar o que é inerentemente contraditório. Deus é o inventor de lógica e as matemáticas, disciplinas que Ele criou para nos permitir conseguir conhecer a Ele e o Seu mundo. É a mesma razão pela qual Ele disse que Ele é “Um Deus”, e por isso é que Jesus disse que o testemunho de dois é valido, e então disse, que ele e Seu Pai ambos eram testemunhas. Deus não pode fazer um quadrado redondo e Ele não pode fazer 100 por cento +100 por cento = 100 por cento, sem contrariar as leis da matemáticas que Ele projectou. Versículos que mostram a diferença entre a natureza de Deus e a natureza de Cristo
5 Deus é espírito (João 4:24), mas mesmo após sua ressurreição, Jesus disse dele mesmo, que ele não era um espírito, mas carne e ossos (Lucas 24:39).
6 Jesus é claramente chamado um homem muitas vezes na Escritura: João 8:40; Actos 2:22; 17:31; 1 Tim. 2:5, etc. Em contraste com isto, a Bíblia diz, “Deus não é Homem…” (Números 23:19), e “…pois sou Deus, e não homem…” (Oséias 11:9).
7 Números 23:19 Também diz especificamente que Deus não é “um filho do homem.” Nos Evangelhos, Jesus é chamado muitas vezes “um filho do homem” ou “o filho do homem.” Se Deus se tornou um ser humano que foi chamado “o filho do homem” isto cria uma contradição. Algumas ocorrências da frase “o filho do homem” no Novo Testamento são Mateus 12:40; 16:27 e 28; Marcos 2:10; 8:31; João 5:27. Nas Escrituras Hebraicas, o “filho do homem” também é usado muitas vezes falando das pessoas (Jó 25:6; Salmos 80:17; 144:3; Ezequiel 2:1; 2:3; 2:6; 2:8; 3:1; 3:3; 3:4; 3:10; 3:17; 3:25). Seres humanos, incluindo Jesus Cristo, são chamados, “filho do homem” e são portanto cuidadosamente distinguidos de Deus, que não é um “filho do homem.”
8 Deus não nasceu, mas é eterno. Em contraste com o Deus eterno, Cristo foi “unigénito,” ou seja, ele teve um começo. Mateus 1:18 lê-se “Ora, o nascimento de Jesus Cristo…” A palavra traduzida “nascimento” no texto original era gênesis, ou “começo.” Alguns escritores mudaram isto a gennesis [com uma dupla “n” e a segunda “e” longa] porque eles estavam desconfortáveis dizendo que Jesus teve um “começo.” Embora é verdade que um significado legítimo de gênesis é “nascimento” que é porque o nascimento de alguma coisa é compreendido como seu começo. Se Jesus preexistiu ao seu nascimento, como ensinam os Trinitários, o uso de “começo” em Mateus é enganoso. As Escrituras ensinam que o começo de Jesus era a sua concepção e nascimento. Felizmente, até mesmos estudantes Trinitários modernos reconhecem que a leitura original era gênesis, embora seja traduzido como “nascimento” em quase todas as traduções.
9 Jesus é chamado o “Filho de Deus” mais de 50 vezes na Bíblia. Nenhuma vez é ele chamado “Deus o Filho.”
10 Homem (Adão) causou os problemas da humanidade, e Romanos 5:19 diz que um homem terá que desfazer esses problemas: “Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos.” Alguns teólogos ensinam que só Deus poderia pagar pelos pecados da humanidade, mas a Bíblia ensina claramente que só um homem poderia fazê-lo. [Para estudo adicional ler “How can a man atone for the sins of mankind?”]
11 Jesus, o homem, é o mediador entre Deus e os homens. 1 Timóteo 2:5 diz: ” Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e os homens: o homem Cristo Jesus.” Cristo é chamado claramente um “homem,” mesmo depois da sua ressurreição. Alem disso, se Cristo foi ele próprio Deus, ele não poderia ser o mediador “entre Deus e o homem.” Versículos que mostram que Deus é maior que Cristo
12 Jesus chamou o Pai “meu Deus” tanto antes como depois da sua ressurreição (Mt. 27:46; João 20:17; Ap. 3:12). Jesus não pensou nele como Deus, mas ao invés teve um Deus da mesma maneira que nós. Por exemplo, ele falou a Maria Madalena para ir para os irmãos e dizer-lhes, “Estou voltando para meu Pai e Pai de vocês, para meu Deus e Deus de vocês” (João 20:17). Assim o Deus de Jesus é o mesmo Deus como nosso Deus, o Pai.
13 Jesus disse, “o Pai é maior do que eu” (João 14:28). Em contraste directo com estas claras palavras de Jesus, a fórmula ortodoxa da Trindade diz que o Pai e o Filho são “co-iguais.”
14 Deus Foi quem fez Jesus “Senhor.” Actos 2:36 diz: “Este Jesus…Deus o fez Senhor e Cristo.” “Senhor” não é o mesmo que “Deus.” “Senhor” (a palavra Grega é kurios) é um título masculino de respeito e nobreza, e é usado muitas vezes na Bíblia. Se o Cristo fosse Deus, então por definição ele já era “Senhor,” de maneira, para que a Bíblia dizer que ele foi “feito” Senhor poderia não ser verdade. Dizer que Jesus é Deus porque a Bíblia chama-lhe “Senhor” é uma erudição muito pobre. “Senhor” é usado de varias maneiras na Bíblia, e outros ademais de Deus e Jesus, são chamados “Senhor.”
1) os donos de propriedades são chamados Senhor (Mt. 20:8, kurios é “dono” — NIV).
2) os donos de casas foram chamados Senhor (Mc. 13:35, dono = kurios).
3) os donos de escravos foram chamados Senhor (Mt. 10:24, senhor = kurios).
4) os maridos foram chamados Senhor (1 Pe. 3:6, senhor = kurios).
5) um filho chamou o seu pai Senhor (Mt. 21:30, senhor = kurios).
6) o Imperador romano era chamado Senhor (Actos 25:26, Sua Majestade = kurios).
7) as autoridades romanas foram chamadas Senhor (Mt. 27:63, senhor = kurios).
15 No futuro, o Filho estará sujeito ao Pai. 1 Coríntios 15:28 diz: “Quando, porém, tudo lhe estiver sujeito, então o próprio Filho se sujeitará àquele [Deus] que todas as coisas lhe sujeitou, a fim de que Deus seja tudo em todos.” O dogma Trinitário contradiz isto fazendo a Jesus eternamente igual ao Pai.
16 Jesus reconheceu que o Pai era o único Deus verdadeiro. Em oração, ele disse a Deus “…que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.” (João 17:3). Para que Jesus orasse desta forma, seguramente significava que ele não considerava-se que era “o único Deus verdadeiro.”
17 Jesus foi “santificado” por Deus. João 10:36 diz: “que dizer a respeito daquele a quem o Pai santificou e enviou ao mundo? Então, por que vocês me acusam de blasfémia porque eu disse: Sou Filho de Deus?”. Jesus foi santificado por Deus, mas Deus não precisa de ser santificado.
18 Filipenses 2:6-8 tem sido traduzido incorrectamente em muitas versões, mas correctamente, o versículo 6 diz que o Cristo “não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se.” Jesus Cristo era altamente exaltado por Deus, porque ele não procurou igualdade com Deus como Lúcifer tinha feito muitos anos antes. A declaração não faz sentido nenhum, já que se o Cristo fosse Deus, porque então, Cristo teria sido elogiado por não procurar a igualdade com ele próprio.
19 Estava claro que Jesus não considerou-se igual com o Pai. Em João 5:19, ele disse, “O Filho não pode fazer nada de si mesmo; só pode fazer o que vê o Pai fazer” (cp. v. 30 e João 8:28 e 12:49).
20 Há apenas um que é “bom” e que é Deus. Em Lucas 18:19, Jesus falou para um homem que tinha-o chamado “bom”, perguntando-lhe, “Por que você me chama bom?”, respondeu Jesus. “Não há ninguém que seja bom, a não ser somente Deus.” Se o Jesus tivesse estado dizendo as pessoas que ele era Deus, ele teria elogiado o homem na sua percepção, da mesma maneira que ele elogiou ao Pedro quando Pedro disse que ele era “o Cristo, o Filho do Deus vivo.” Ao invés disso, Cristo deu-lhe uma repreensão moderada. O Cristo não estava ensinando as pessoas que ele era Deus.
21 1 Coríntios 3:23 deixa claro que Deus é maior do que Cristo, da mesma maneira que o Cristo é maior do que nós: “e vocês pertencem a Cristo e Cristo pertence a Deus (O Livro).”
22 Se Deus é maior do que Cristo, então Deus é o seu líder tal como Cristo é o nosso líder. Isto é exactamente o que a Bíblia ensina: “Quero, porém, que entendam que o cabeça de todo homem é Cristo, e o cabeça da mulher é o homem, e o cabeça de Cristo é Deus. (1 Cor 11:3).” É óbvio a partir deste versículo e 1 Cor. 3:23 (acima) que a fórmula Trinitária que Cristo e Deus são “co-iguais” não é bíblico.
23 Quando os discípulos oraram a Deus em Actos, eles chamaram ao Rei David “servo” de Deus (4:25). Depois naquela mesma oração eles chamaram ao Jesus “teu santo servo Jesus” (4:30). É muito óbvio que os discípulos do primeiro século não acreditavam que Cristo era Deus, sino que pensavam nele, como David, como um servo de Deus (cp. Mt. 12:18 e Actos 3:26, que também referem-se a Jesus como “servo” de Deus).
24 Foi Deus quem fez milagres e maravilhas através de Cristo. (Mt. 9:8; Actos 2:22; 10:38). Se o Cristo fosse Deus, a Bíblia simplesmente diria que Cristo fez os milagres ele próprio sem fazer referência a Deus. O fato de ter sido Deus que proveu o poder para os milagres mostra que Deus é maior do que Cristo.
25 Há muitos versículos que indicam que o poder e autoridade de Jesus lhe foram dados pelo Padre. Se ele fosse o Deus eterno, então ele sempre teria tido essas coisas que a Escritura diz que lhe foi “dada.” Lhe foi dada a Cristo “toda a autoridade” (Mt. 28:18). Lhe foi dada “o nome que está acima de todo nome” (Fl. 2:9). Lhe foi dada pelo Pai a obra para concluir (João 5:36). Lhe foi dada pelo Pai aqueles que acreditaram nele (João 6:39; 10:29). Lhe foi dada glória (João 17:22 e 24). Lhe foi dada pelo Pai sua “cálice” [sua tortura e morte] (João 18:11). Deus “sentou” ao Cristo em Sua própria mão direita (Ef. 1:20). Cristo foi “designado” cabeça da Igreja (Ef. 1:22). Estes versículos e outros como eles não fazem sentido nenhum se Cristo é “co-igual” com o Pai, mas sim fazem perfeito sentido se o Cristo foi o Messias, “um homem acreditado por Deus.”
26 Apesar de que todas as pessoas que falam da “Divindade de Cristo,” a frase nunca aparece na Bíblia, nem Cristo nunca é chamado “Divindade.” “Divindade” é do Latim “Deus, que quer dizer “Deus” e a frase, “a Divindade de Cristo,” como é popularmente (mas não biblicamente) usada, significa “a ‘Bondade’ de Cristo.” Porém, Cristo não é Deus, ele é Senhor, como mostram claramente muitos versículos. Colossenses 2:9 diz que em Cristo “habita corporalmente toda a plenitude da divindade.” Este versículo está declarando que Deus (a Divindade) colocou toda Sua plenitude em Cristo, que é bastante diferente de dizer que Cristo é Divindade. Mais cedo em Colossenses, o conceito é feito claro: “Pois foi do agrado de Deus que nele habitasse toda a plenitude” (Col. 1:19). Isso é verdade. João 3:34 diz: “Pois aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus, porque ele dá o Espírito sem limitações.” O fato de que Cristo tem “toda a plenitude” de Deus não lhe faz Deus. Em Efésios 3:19, a Bíblia diz que os Cristãos deveriam ser cheios de “toda a plenitude de Deus,” e ninguém acredita que isto faz aos Cristãos Deus. Além disso, se o Cristo fosse Deus, não faria nenhum sentido dizer que a plenitude de Deus habita nele, porque, sendo Deus, ele sempre teria a plenitude de Deus. O fato de que Cristo pudesse ter a plenitude de Deus habitando nele mostra que ele não era Deus. 2 Pedro 1:4 diz que pelas grandiosas e preciosas promessas “vocês se tornassem participantes da natureza divina.” Ter uma “natureza divina” não nos faz Deus, e não fez ao Cristo Deus. A Nova Versão Internacional Bíblia de Estudo diz em 2 Pedro 1:4 que só significa que “que Deus habita em nos através do Seu Espírito Santo.” Igualmente Cristo, quem foi cheio com espírito santo sem limites, teve a plenitude da Divindade habitando em Ele.
27 Efésios 4:5 e 6 diz que há “um só Senhor, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai de todos.” O “Senhor” é Jesus. O “Deus” é o Pai. Há claramente dois seres distintos aqui representados, não “um Deus” composto de Jesus e o Seu Pai. Além disso, não existe qualquer versículo que diz que Jesus e o Pai são “um Deus.”
28 1 Coríntios 8:6 diz, “para nós, porém, há um único Deus, o Pai… e um só Senhor, Jesus Cristo.” Se há um Deus e um Senhor, então há dois, e eles não são os mesmos.
29 Jesus chamou ao Pai, “Deus único” (João 5:44). A New American Standard Version chega a traduzi-la como “the one and only God.” (o só e único Deus.) Jesus não teria dito isto se acreditasse que ele próprio era Deus.
30 Cristo fez uma distinção entre falar contra ele e falar contra o Espírito Santo. Lucas 12:10: “Todo aquele que disser uma palavra contra o Filho do homem será perdoado, mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado.” Se tanto o Espírito Santo e Cristo fossem pessoas co-igual em um Deus, então não haveria diferença entre falar contra Cristo e falar contra o Espírito santo. [Para estudo adicional ler “34 Razões do Porque o “Espírito Santo” Não é Uma “Pessoa” Separado Com o Verdadeiro Deus, o Pai”.]
31 Cristo disse que sua doutrina não era sua. João 7:16: “O meu ensino não é de mim mesmo. Vem daquele que me enviou.” Cristo não poderia ter dito isto se ele fosse Deus, porque a doutrina teria sido sua.
32 Jesus e Deus têm vontade separadas. Lucas 22:42: “não seja feita a minha vontade, mas a tua” (cp. João 5:30).
33 Jesus contou ele próprio e o seu Pai como dois, e não “um.” João 8:17 e 18: “Na Lei de vocês está escrito que o testemunho de dois homens é válido. Eu testemunho acerca de mim mesmo; a minha outra testemunha é o Pai.” Jesus confirmou esta verdade em João 14:1 quando ele disse: ““Não se perturbe o coração de vocês. Creiam em Deus; creiam também em mim.” Há literalmente centenas de escrituras como estas onde enunciam que Jesus e Deus são seres separados e distintos. “quem permanece no ensino tem o Pai e também o Filho (2 João 9).” A Escritura reconhece claramente ao Pai e ao Filho, mas não “ambos” como “um Deus.”
34 A Bíblia sempre retrata Deus e Cristo como dois seres separados. Os exemplos são muitos a listar, mas alguns são: Quando Estêvão os viu apenas antes de sua morte, ele viu “o Filho do homem em pé, à direita de Deus” (Actos 7:56); as Epístolas da Igreja são autoria de Deus e Cristo; Deus e Cristo regem na cidade eterna de Apocalipse (Capítulo 21).
35 A Bíblia deixa claro que Jesus é um “herdeiro” de Deus, e um herdeiro em comum connosco (Rm. 8:17 – AA). Se Cristo é uma “pessoa” na “Divindade” e co-eterno com o Pai, então ele não pode ser um herdeiro, porque, como Deus, ele é o dono de tudo e não há nada que ele possa “herdar.” Ele simplesmente compartilharia glória eterna. Ao tornar Cristo um co-herdeiro com os crentes e um herdeiro de Deus, a Bíblia deixa claro quanto Cristo é como nós. Nós herdamos do Pai e o Cristo também.
36 A Bíblia deixa claro que Jesus é a “imagem de Deus” (Cl. 1:15; 2 Cor. 4:4). Se Cristo é a imagem de Deus, então ele não pode ser Deus, porque você não pode ser uma imagem de alguém e a verdadeira pessoa ao mesmo tempo. Se você ver uma fotografia de nós, você vê nossa imagem e pode aprender muito sobre nós a partir dela, mas a imagem não é a nossa verdadeira pessoa. Cristo é a imagem de Deus. Nós aprendemos muito sobre Deus vendo ao Cristo, mas o simples facto de que ele é a imagem de Deus prova que ele não é Deus.
37 “Ao único Deus sábio” recebe Sua glória por meio de Jesus Cristo (Rm. 16:27: “ao único Deus sábio seja dada glória para todo o sempre, por meio de Jesus Cristo”). Para fazer referência a “Deus” separado de Cristo e ao mesmo tempo dizer que Deus era o “único” Deus, esta muito claro. Jesus não é, e não faz parte de, o “único” Deus.
A doutrina Trinitária ensina que Deus e Cristo (e o Espírito Santo) formam “Um Deus,” mas a Bíblia ensina que eles são dois seres distintos.
38 Jesus cresceu em sabedoria, mas Deus é tudo sábio (Lucas 2:52: “Jesus ia crescendo em sabedoria”). Também, Jesus “aprendeu a obedecer” (Hb. 5:8). Deus não precisa aprender.
39 Jesus tinha conhecimento limitado. Por exemplo, Marcos 13:32 diz: “Quanto ao dia e à hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, senão somente o Pai.” [Embora alguns textos Gregos omitem “nem o Filho,” eruditos textuais Trinitários admitem agora que a frase estava no texto original de Marcos. Foram escribas Trinitários que tentaram extrair esta frase da Bíblia porque não concorda com sua teologia e eles não poderiam explicar isso.] Até mesmo depois da sua ressurreição, Jesus continua a receber conhecimento de Deus como Apocalipse 1:1 indica: ” Revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu.”
40 A Escritura ensina que convinha que Deus “tornasse” Jesus “perfeito, mediante o sofrimento” (Hb. 2:10). Deus é, e sempre será, perfeito, mas Jesus precisou atingir perfeição através de seu sofrimento.
41 Jesus recebeu o espírito santo em seu baptismo. Se Jesus fosse Deus e o espírito santo fora Deus, então Deus teria sido ungido por Deus. Para que propósito teria servido isto? Nós sabemos por que as pessoas são ungidas, mas que poder poderia dar Deus a Si mesmo? Jesus foi dado espírito santo da mesma maneira como aos crentes hoje.
42 Jesus foi “como nós, passou por todo tipo de tentação” (Hb. 4:15), contudo a Bíblia deixa claro que Deus não pode ser tentado: “Pois Deus não pode ser tentado pelo mal” (Tiago 1:13).
43 Em momentos de fraqueza ou dificuldade, anjos ministraram e fortaleceram ao Jesus. Lucas 22:43 diz: “Apareceu-lhe então um anjo do céu que o fortalecia [no jardim de Getsêmani].” Homens precisam ser fortalecidos; Deus não (cp. Mt. 4:11, Mc. 1:13).
44 A Escritura ensina que Jesus morreu. Deus não pode morrer. Romanos 1:23 e outros versículos dizem que Deus é imortal. Imortal significa “não sujeito a morte.” Esta expressão se aplica somente a Deus.
45 Hebreus 4:15 diz que quando Jesus estava na terra, ele foi “como nós.” Nenhum de nós teria os sentimentos, as dúvidas, os medos, etc., que nós temos se fôssemos Deus. Dizer que Deus se sente como eu, é fazer um escárnio de Deus. Jesus foi o Messias esperado de Deus, o Último Adão, um “homem aprovado por Deus”, como Actos 2:22 diz.
46 Hebreus 2:10 e 11 dizem que Jesus não se envergonha de chamar-nos “irmãos”, porque temos o mesmo Pai que ele tem. A Bíblia ensina que nós somos “irmãos” de Jesus e “filhos de Deus.” A Bíblia nunca diz ou infere que nós somos “irmãos de Deus.”
47 Nós somos comissionados para fazer “obras maiores” que Jesus. Isto seria um absurdo se Cristo fosse Deus, porque então nós os discípulos seria-mos comissionados para fazer obras maiores do que Deus faz. João 14:12 diz: “Aquele que crê em mim [Jesus], fará também as obras que tenho realizado. Fará coisas ainda maiores do que estas.”
Deus é Deus por causa de certos atributos que Ele tem. Se Jesus Cristo fosse Deus, ele teria que ter os atributos de Deus. A maioria dos teólogos concorda que esses atributos são: sem origem, auto-existente, imortal, imutável, omnisciente, completamente sábio, completamente bom, todo-poderoso e omnipresente. Mas Jesus negou cada uma destas.
Ele não foi sem origem: Cristo foi procriado por Deus. “o Pai tem vida em si mesmo, ele concedeu ao Filho ter vida em si mesmo (João 5:26).”
Ele não foi auto-existente: “eu vivo por causa do Pai (João 6:57).”
Ele não foi imortal. Jesus morreu e Deus o ressuscitou (Veja # 44 acima).
Ele não foi imutável. Ele cresceu e aprendeu, e ele morreu e levantou em um corpo novo e diferente. Ele não foi omnisciente. Houve coisas que ele não sabia (Veja # 38 acima).
Ele não foi completamente sábio. Jesus “cresceu em sabedoria” (Veja # 37 acima).
Ele não foi completamente bom. Ele disse que o único bom era Deus (Veja # 20 acima).
Ele não foi todo-poderoso. Considerando que “nada é impossível para Deus”, (Lucas 1:37)
Cristo disse “o Filho não pode fazer nada de si mesmo” (João 5:19).
Ele não foi omnipresente. Após a morte de Lazaro, Jesus disse a seus discípulos, “estou contente por não ter estado lá” (João 11:15).
Os atributos de Deus são o que Lhe faz Deus, da mesma maneira que há certos atributos que fazem um homem o que ele é. Há uma expressão comum que “se caminha como um pato e grasna como um pato, então é um pato.” Isto poderia ser facilmente aplicado aqui. Deus “caminha e grasna” como Deus. Jesus “caminha e grasna” como um homem, a Escritura diz muito claramente que ele é um homem. Afirmamos que a Bíblia está clara no seu ensino sobre quem Deus é e quem Cristo é, e nós pedimos aos Cristãos a considerar cuidadosamente o que eles acreditam e porquê.
Nós também pensamos que acreditar que Jesus é Deus, “o Espírito Santo” é Deus, e o Pai é Deus realmente humilha ao Único Deus Verdadeiro. Fazer a Deus um das três “pessoas” co-iguais tira Dele a Sua exaltada posição como o Único Deus Verdadeiro, o Criador do universo, o Autor do plano de Salvação, o Pai de Jesus Cristo, e nosso único Deus.
Além de roubar a Deus a Sua posição exaltada como Deus supremo, acreditar que Jesus é Deus também humilha-o. A pessoa não pode apreciar quão grande Jesus realmente foi até que faça um esforço para viver um único dia como ele fez. Sua coragem, tenacidade mental, amor e grande fé são inigualáveis na história humana. A Sua verdadeira grandeza está perdida se você acredita que ele é Deus, já que “para Deus todas as coisas são possíveis.” Acreditando que Jesus é Deus também humilha Deus porque o próprio Jesus disse, “o Pai é maior do que eu.”
Acreditar que Cristo é Deus Também significa que ele não poderia pecar [que faz sentido dado que “Deus” não pode pecar]. Cristo deveria ter sido capaz de pecar, porque a Escritura diz que ele “como nós, passou por todo tipo de tentação.” Cristo passou pela vida como cada humano faz, com dúvidas, medos e preocupações, e com a possibilidade de pecar. Acreditar que Jesus não poderia pecar torna impossível para nós identificarmos com ele.
Ao restabelecer ao Pai a Sua posição única e singular como Deus, nós damos Lhe toda adoração, crédito, respeito e temor que Ele merece como o Único Deus Verdadeiro. Ao restabelecer ao Cristo a sua posição como o homem aprovado por Deus, o Filho unigénito do Pai, o Último Adão, o único que poderia ter pecado mas permaneceu obediente voluntariamente, o único que poderia ter se rendido mas nos amou tanto que ele nunca desistiu, o único a quem Deus exalto altamente para ser nosso Senhor, nós damos ao Jesus Cristo toda adoração, crédito, respeito e temor que ele merece, e nós podemos tirar grande força e determinação do seu exemplo.

http://www.truthortradition.com/portuguese/modules.php?name=News&file=article&sid=60

Tags: