Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
A Lei Moral e a Lei Cerimonial

A Lei Moral e a Lei Cerimonial

Shalom!

O estudo de hoje é de grande profundidade, e revela-nos alguns pormenores bastante relevantes no que diz respeito à harmonia do texto bíblico. Contudo, é um estudo longo, e como tal, aconselha-se a sua leitura de forma faseada, de modo a meditarmos e reflectirmos, para que possamos ir ao encontro da verdade naquilo que o nosso Pai YHWH nos transmite, através do que nos foi revelado pelos patriarcas e profetas.

Este estudo, vem na sequência do da semana passada intitulado “Porque devem os crentes em Yeshua observar as Leis dos Judeus”. Nesse foram analisadas algumas razões pelas quais aquelas que são conhecidas por parte do “cristianismo” como “festas dos judeus”, devem ser observadas por todo aquele que ama o Eterno Todo-Poderoso.

Apesar de grande parte da “cristandade” menosprezar a Lei de Deus, existem grupos, nomeadamente os Adventistas do Sétimo Dia (IA7D) que pregam a perpetuidade da Lei, ainda que interpretem que essa mesma “Lei” se baseie somente nos Dez Mandamentos.

Recentemente, ao ler um estudo proveniente das Igrejas do Sétimo Dia, achámos curioso o argumento que é utilizado por este grupo para defender a perpetuidade do sábado semanal. Estes, quando confrontados com a passagem de Colossenses 2:16 dão uma resposta minimamente curiosa. Vejamos o que nos diz o texto bíblico:

Colossenses 2:16 “Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados”

Esta passagem é bastante usada pelas Testemunhas de Jeová para tentar refutar a obrigação de observar o sábado. No entanto, os Adventistas, que são defensores da perpetuidade dos Dez Mandamentos, como um todo, (e isso implica logicamente também o mandamento do Sábado [o quarto mandamento]), usam o seguinte argumento como explanação desta passagem específica:

“Precisamos analisar, com isenção de ânimo, sem ideias pré-concebidas, a passagem de Colossenses 2:16, e interpretá-la dentro do seu contexto e no sentido claro e evidente que contém. Notemos os seguintes factos: Estes sábados referidos em Colossenses 2:16 estão associados a dias de festas e Lua Nova, que eram solenes festividades nacionais judaicas, ou feriados fixos. Ora o sábado do Decálogo não tem esta natureza. Não era festivo nem típico.” Fonte: A. B. Christianini, Subtilezas do Erro, 2.ª ed., 1981, pág. 124

Realmente existe uma explicação lógica para esse texto de Colossenses 2:16 que daremos mais adiante neste estudo, no entanto, o argumento utilizado pelos Adventistas é absolutamente questionável. Visto que no texto de Colossenses 2:16 existem quatro pontos distintos que são referidos:

1) A alimentação (o comer e o beber);
2) Os dias de festa;
3) Os dias de lua nova;
4) Os sábados.

Portanto, justificar este texto colocando “tudo no mesmo saco” é pouco razoável. Os “sábados” deste versículo específico, não são os sábados anuais, que eles insistem em chamar de “cerimoniais”, mas sim o sétimo dia da semana; o mesmo sábado referido no quarto mandamento dos Dez Mandamentos escritos pelo dedo de YHWH. Porque na verdade os Sábados Anuais (Solenidades Festivas), já são referidos no versículo, como “Dias de Festa”.

Por isso, o argumento utilizado de que “Estes sábados aí estão associados a dias de festas e Lua Nova, que eram solenes festividades nacionais judaicas, ou feriados fixos” deixa de fazer sentido, pois são duas situações diferentes, e não haveria necessidade de Paulo se repetir numa mesma frase.

Paulo aborda sim, não só os dias de sábado semanal, mas também as luas novas, e os dias de Festas (Sábados Anuais) que YHWH ordenou. No entanto, Paulo aborda ali uma situação bastante relevante para os crentes, que como já dissemos, abordaremos mais adiante.

Contudo, a razão principal pela qual, damos início ao nosso estudo com este texto de Colossenses 2:16, deve-se fundamentalmente ao facto dos grupos adventistas atentarem apenas para o “Sábado” como tema de debate nesta passagem para tentar explicar o texto, e não darem a mesma ênfase às “luas novas” e aos dias festivos ordenados por YHWH. Mas isso acontece, exactamente porque não analisam o texto dentro da perspectiva correcta, visto que fazem a sua interpretação como se o texto constasse nas Sagradas Escrituras somente da seguinte forma:

“Portanto, ninguém vos julgue (…) por causa dos (…) sábados”

Analisemos agora algumas ideias base das Igrejas do Sétimo Dia:

1º ARGUMENTO- “Só os Dez Mandamentos são válidos”

Essa ideia é comum entre as Igrejas do Sétimo Dia. Serão só os Dez Mandamentos válidos e tudo o resto resume-se à premissa de que “A Lei Cerimonial foi cravada na cruz?”

Mas o que é que esses grupos entendem por “Lei Cerimonial”?

Vejamos o que é dito por eles: “Todos os rituais inerentes às ofertas queimadas que eram feitas como expiação do pecado eram parte da lei cerimonial”.

Na verdade, esse é o argumento utilizado por esses grupos de crentes para justificarem o facto de não guardarem as “Festas dos Judeus” porque “Jesus já cumpriu o propósito de fazer expiação pela humanidade.”

De facto, essas festas, como já vimos no estudo da semana passada, não são as Festas dos judeus mas sim as Festas de YHWH.

Mas vejamos, deixando de haver meios para fazer essas ofertas literalmente, isso implica que os dias festivos dados por estatuto perpétuo deixem de ser importantes para ser observados?

Se esse é na verdade o argumento utilizado para justificarem a razão de não guardarem esses dias festivos, por que razão então, mantêm eles a observação do mandamento do Sábado Semanal?

Se atentarmos para as Escrituras, vemos que o Sábado Semanal também tinha a sua parte cerimonial; vejamos:

Números 28:9 “Porém, no dia de sábado, oferecerás dois cordeiros de um ano, sem defeito, e duas décimas de flor de farinha, misturada com azeite, em oferta de alimentos, com a sua libação. Holocausto é de cada sábado, além do holocausto contínuo, e a sua libação”

No entanto, sabemos que as Igrejas do Sétimo Dia não deixaram de observar o sábado semanal, apesar de também ter a sua parte “cerimonial”.

Ou seja, não observam as “Festas dos Judeus” porque são “cerimoniais”, mas o sábado semanal que também tinha a sua parte “cerimonial”, mantém como mandamento a observar. É no mínimo uma argumentação incoerente.

Além desses dias terem a sua parte ritual, eles foram dados principalmente como dias de Santa Convocação e por Estatuto perpétuo.

Mesmo sendo a parte ritual ou “cerimonial” algo que deixou de ser feito, isso não implica que esses dias passem a ser ignorados, pois da mesma forma que o Sábado Semanal foi dado como mandamento perpétuo, assim também foram as Festas de YHWH.

Ambos tinham a sua parte ritual caracterizada por ofertas queimadas, mas foram dados essencialmente como dias a observar perpetuamente, por todas as gerações.

Aliás, esse foi um dos propósitos da criação dos luminares celestes; servirem para sinais para regular os tempos apontados/determinados (os sábados semanais, e os sábados anuais), como nos diz o texto de Génesis 1:14:

“E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.”

Vemos então que YHWH já tinha o plano de dar “datas solenes de Santa Convocação”. Isto antes de existir o Sacerdócio Levítico; antes de existir Israel; e até mesmo antes de criar o homem.

2º ARGUMENTO- “Guardamos só o Sábado Semanal porque esse mandamento consta na Lei Escrita pelo Dedo de Deus”

Esse é outro argumento utilizado pelas Igrejas do Sétimo Dia. Mas vejamos; somente os Dez Mandamentos deverão ser seguidos pelos crentes?

A resposta afirmativa por parte desses grupos acaba por se revelar problemática, pois o Apóstolo Tiago, no célebre concílio de Jerusalém relatado em Actos 15, exorta os “novos crentes” a guardarem dois mandamentos da Lei escrita pelo Dedo de Deus, mas também dois mandamentos que não constam nos “Dez”:

Actos 15:20 “Mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue.”

1º Contaminação dos ídolos (2º Mandamento da Lei escrita pelo dedo de YHWH)
2º Prostituição (7º Mandamento da Lei escrita pelo dedo de YHWH)
3º Sufocado (mandamento que não consta nos dez, mas sim na suposta “lei cerimonial”)
4º Sangue (mandamento que não consta nos dez, mas sim na suposta “lei cerimonial”)

Outros aspectos relevantes, são aqueles que constatamos através da própria pessoa de Yeshua. Vejamos, quando Yeshua é tentado por Satanás, não se baseia só nos Dez Mandamentos nas respostas que dá ao adversário, de facto cita preceitos dos Dez Mandamentos e da Torá (diferenciação nossa para melhor entendimento do raciocínio):

Mateus 4:3-4 “E, chegando-se a ele Satanás, disse: Se tu és o Filho de YHWH, manda que estas pedras se tornem em pães. Ele, porém, respondendo, disse: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de YHWH.”

Na verdade Yeshua cita a Torá; Deuteronómio 8:3.

Mateus 4:6-7 “E disse-lhe: Se tu és o Filho de YHWH, lança-te de aqui abaixo; porque está escrito: Que aos seus anjos dará ordens a teu respeito, E tomar-te-ão nas mãos, Para que nunca tropeces em alguma pedra. Disse-lhe Yeshua: Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus.”

Mais uma vez Yeshua cita a Torá, Deuteronómio 6:16

Mateus 8:10 “Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. Então disse-lhe Yeshua: Vai-te, satanás, porque está escrito: A YHWH teu Deus adorarás, e só a ele servirás.”

Aqui Yeshua cita o 1º Mandamento dos Dez mandamentos (Êx. 20:3), e a Torá (Deut. 6:13; 10:20).

Continuando a nossa análise, gostaríamos de fazer uma sequência de perguntas aqueles que defendem que somente os Dez Mandamentos são válidos:

a) É lícito comer carne de porco?
Respondem que não por causa das leis alimentares que constam em Levítico 11 e Deuteronómio 14.

b) É lícito ao homem vestir-se de mulher ou a mulher vestir-se de homem?
Respondem que não porque a bíblia diz que isso é abominação aos olhos de Deus, baseando-se em Deuteronómio 22:5.

c) É lícito fazer tatuagens no corpo?
Respondem que não porque a bíblia diz que não devemos tatuar o nosso corpo, baseando-se em Levítico 19:28.

d) É lícito ao ser humano relacionar-se sexualmente com animais (zoofilia)?
Respondem que não porque a bíblia diz que isso é confusão e abominação baseando-se em diversas passagens da Torá (Êx. 22:19; Lev. 18:23; 20:15).

e) É lícito ao homem comer sangue?
Respondem que não porque a bíblia diz que não deve ser feito, baseando-se em Génesis 9:4; Levítico 17:14; Actos 15:20.

f) Para finalizar, um filho pode casar-se com a sua própria mãe?
Respondem que não porque a bíblia diz que isso também é abominação, fundamentando-se em Levítico 18:7.

No fundo tudo é lícito ao ser humano, é dada uma escolha desde o princípio ao homem, a de submeter-se à vontade de YHWH, ou andar de forma contrária, isto é, em transgressão à instrução de YHWH. Essa escolha trará consequências. Por isso Paulo diz que tudo é lícito mas nem tudo convém.

Contudo, o propósito de todas as questões colocadas acima são apenas para a constatação de um facto; Por que razão então, todos esses crentes das Igrejas do Sétimo Dia afirmam que essas coisas não são lícitas, se nenhuma dessas coisas é proibida nos DEZ MANDAMENTOS? Não são só os Dez Mandamentos que são válidos?

Concluímos portanto que a doutrina ensinada, é fundamentada numa incoerência teológica que se torna evidente após a apresentação dos factos acima.

No fundo a resposta é simples, não são apenas os Dez Mandamentos que vigoram após a Morte de Cristo, pois o homem não vive só de Pão mas de toda a Palavra que sai da boca de YHWH (Deut. 8:3).

A Palavra de YHWH é um todo, e Ele não muda (Malaquias 3:6; Tiago 1:17), e Paulo ensina-nos que “Toda a Escritura divinamente inspirada, é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.” (2 Timóteo 3:16-17).

Porventura Paulo ensina que só os Dez Mandamentos são válidos?

Salientamos uma vez mais o facto de que quando Paulo escreveu esta carta a Timóteo, as únicas Escrituras que existiam e que eram consideradas divinamente inspiradas eram as do “Tanach” (vulgarmente conhecido por Antigo Testamento).

Vemos então que toda a Escritura divinamente inspirada, é proveitosa para ensinar, corrigir e instruir.

Contudo, grupos como os Adventistas do Sétimo dia fazem a seguinte diferenciação entre as Leis do Eterno (diferenciação humana; não bíblica):
________________________________________

Iremos então agora analisar, cada um dos 18 pontos que na perspectiva da Igreja Adventista diferenciam ambas as leis:

1- Existia antes da queda / foi dada depois da queda

Antes da queda, o homem não tinha conhecimento do pecado, o seu coração era puro, no entanto, existia uma restrição: Não comer da árvore da ciência, do bem e do mal.

A partir do momento em que o homem transgride, passa a estar desligado do Todo-Poderoso, e por isso é necessário que haja uma instrução para que ele saiba como se desviar do pecado, uma vez que a serpente irá alimentar-se da sua carnalidade, porque o homem é pó. (Gén. 3:14).

Se não tivesse transgredido, o homem nunca iria saber o que era adulterar; matar; furtar; desonrar o pai ou a mãe; cobiçar algo que não lhe pertencesse; etc. pois tudo isso é dado a conhecer ao homem a partir do momento em que o pecado entra no seu coração. (Romanos 7:13).

2- Foi violada na primeira transgressão / Foi dada em consequência dessa transgressão

Qual mandamento dos Dez é que foi violado na primeira transgressão? A violação de facto foi proceder de forma contrária aquela que o Eterno ordenou, conforme nos diz Gén. 2:17.

A lei é dada em consequência dessa transgressão, porque YHWH é benevolente, pois mesmo depois do homem ter transgredido a instrução, YHWH dá-lhe uma oportunidade de andar em santidade, apesar de este agora ter conhecimento do mal.

Contudo, devido a esse conhecimento do pecado, isto é, devido à sua carnalidade, ele será sempre imperfeito para a cumprir a Lei de forma irrepreensível, e por isso há a necessidade de expiação por parte do Cordeiro de YHWH (Gén. 3:15; Gén. 22:8; João 1:29).

A lei é então dada para que o homem viva (Deut. 30:19; Mat. 19:17), mas o homem viverá, não pelos seus méritos, porque ele é pecador, mas sim pela sua busca incessante em tentar cumprir a vontade de YHWH, e apenas esse é digno de ser salvo pelo sangue do Cordeiro (1 Jo. 2:4; Ap. 14:12; Hebreus 10:37; 1Jo 1:9).

Hebreus 6:6 “Porque é impossível que os que já uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo. E provaram a boa palavra de Deus, e as virtudes do século futuro, E recaíram, sejam outra vez renovados para arrependimento; pois assim, quanto a eles, de novo crucificam o Filho de Deus, e o expõem ao vitupério.”

3- Foi ditada por Deus / Foi ditada por Moisés

É usado o texto de Êx. 20:1-1 para tentar defender que só os Dez Mandamentos foram dados por Deus e que os outros foram dados por Moisés. Mas surge a pergunta, a “lei” que foi dada por Moisés foi dada por sua auto-recriação? Se atentarmos bem para o capítulo 20, o povo é que pediu para que fosse Moisés a falar-lhes no lugar de YHWH porque temiam (vs. 19). E o que é que YHWH faz? Ele acede ao pedido do povo e diz a Moisés:

“Então disse YHWH a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: Vós tendes visto que, dos céus, eu falei convosco.”

Todas as outas instruções que foram dadas além dos Dez Mandamentos, foram ditadas por Moisés, mas a mando de YHWH. Moisés não deu “as suas leis”, deu as Leis que YHWH lhe ordenou que este ditasse ao povo, vejamos mais exemplos:

Êxodo 21:1 “Estes são os estatutos que lhes proporás.”

Quem iria propor ao povo? Moisés;

Quem instrui Moisés sobre o que deveria propor ao povo? YHWH, O Eterno Todo-Poderoso.

Dúvidas? Vejamos:

Êxodo 24:3-4 “Veio, pois, Moisés, e contou ao povo todas as palavras de YHWH, e todos os estatutos; então o povo respondeu a uma voz, e disse: Todas as palavras, que YHWH tem falado, faremos. Moisés escreveu todas as palavras de YHWH, e levantou-se pela manhã de madrugada, e edificou um altar ao pé do monte, e doze monumentos, segundo as doze tribos de Israel;”

Quantas às “Festas do Eterno”, que as Igrejas do Sétimo Dia chamam de “Festas dos Judeus”, ou preceitos da “lei de Moisés”, vejamos o que nos diz o texto bíblico:

Levítico 23:1-2 “Depois falou YHWH a Moisés, dizendo: Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: As solenidades de YHWH que convocareis, serão santas convocações; estas são as minhas solenidades”

4- Foi escrita por YHWH / Foi escrita por Moisés

Este ponto está relacionado com o anterior. Moisés escreveu as Leis a seu bel-prazer? Mais uma vez vamos ler o texto que citámos à pouco:

Êxodo 24:3-4 “Veio, pois, Moisés, e contou ao povo todas as palavras de YHWH, e todos os estatutos; então o povo respondeu a uma voz, e disse: Todas as palavras, que YHWH tem falado, faremos. Moisés escreveu todas as palavras de YHWH…”

Neemias 8:14 “E acharam escrito na lei que YHWH ordenara, pelo ministério de Moisés, que os filhos de Israel habitassem em cabanas, na solenidade da festa, no sétimo mês.”

Malaquias 4:4 “Lembrai-vos da lei de Moisés, meu servo, que lhe mandei em Horebe para todo o Israel, a saber, estatutos e juízos.”

Todas as passagens transcritas acima mostram que a lei dada por Moisés, veio de YHWH. A passagem de Neemias, particularmente, quando cita a Festa das Cabanas/Tabernáculos demonstra que as Festas Bíblicas não são da lei de Moisés, mas sim da Lei dada por Deus através de Moisés.

Já agora, se o que Moisés escreveu não é válido por que razão crêem em Jesus?

João 5:46 “Porque, se vós crêsseis em Moisés, creríeis em mim; porque de mim escreveu ele.”

E porquê? Porque toda a Torá aponta para Yeshua, particularmente as Festas que foram dadas a Israel, que são sombras de eventos que teriam o seu cumprimento profético no futuro, na pessoa de Yeshua.

Outro ponto importante; onde é que nos diz na palavra que só o que foi escrito pelo dedo de YHWH é válido?

Não vale a pena perderem tempo a procurar porque não existe nada que o diga ou sequer se assemelhe a algo do género. Se assim fosse, poderíamos apenas rasgar da Bíblia a página onde constam os Dez Mandamentos, e descartar todo o resto.

De facto, todos os Servos de YHWH que escreveram os livros que compõe a Bíblia não escreveram por mérito próprio, mas foram sim inspirados e instruídos pelo Espírito do Eterno.

Concluímos portanto que, usar o argumento de que não é válido porque foi escrito por Moisés e não por YHWH, é uma atitude muito pouco coerente porque descredibiliza todo o texto bíblico que existe além dos Dez Mandamentos.

Destacamos mais uma vez um versículo que lemos na carta que Paulo escreve a Timóteo?

2 Timóteo 3:16 “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça;”

5- Sobre tábuas de Pedra / Foi escrita num livro

Por este não ser um aspecto tão relevante, não nos focaremos neste ponto específico e reafirmamos apenas o que foi dito no ponto anterior, e a passagem específica que citámos de 2 Timóteo 3:16.

6- É Eterna / Devia Cessar

O Salmo 119 é um hino de Louvor que é focado na Grandeza, Perfeição e Perpetuidade da Lei. Transcrevemos um dos muitos versículos desse Salmo que provam isso mesmo:

Salmo 119:160 “A tua palavra é a verdade desde o princípio, e cada um dos teus juízos dura para sempre.”

A Instrução de YHWH (Torá) dada através de Moisés divide-se em Mandamentos, Estatutos, Juízos e Testemunhos. Não são apenas os Mandamentos escritos na pedra que vigoram, como nos demonstra o Salmo 119:1, 2, 7, 8, 13, 112, 160.

Estes são alguns entre muitos outros versículos deste mesmo Salmo, e do resto das Escrituras que mostram que a Palavra de YHWH não se resume aos Dez Mandamentos. Aconselhamos vivamente a leitura na íntegra deste Salmo 119, que não deveria ser caracterizado apenas por ser extenso, mas essencialmente pela sua maravilhosa composição.

Contudo, os grupos das Igrejas do Sétimo Dia associam a palavra “lei” apenas à Lei escrita na Pedra. De facto, é assim que as traduções que foram feitas a partir da Septuangita (versão grega das Escrituras), procedem, e mais do que nunca percebemos através deste Salmo, quão pobres são as outras línguas relativamente ao hebraico, a língua em que foram escritos todos os livros do Tanach (Antigo Testamento).

As traduções que são fiéis aos manuscritos originais não traduzem a palavra “Torá” como “lei”; mas mantém a palavra na sua forma original, e isso revela-se mais problemático, quando na verdade, a palavra Torá significa literalmente ensino/instrução, e não Lei.

Vejamos apenas dois exemplos:

1º Exemplo comparativo:

Salmo 119:1 (versão de J. F. Almeida revista e corrigida) “Bem-aventurados os rectos em seus caminhos, que andam na lei do SENHOR.”

Salmo 119:1 (versão da Bíblia hebraica) “Benditos os íntegros que caminham segundo a Torá de YHWH”

2º Exemplo comparativo:

Salmo 119:18 (versão de J. F. Almeida revista e corrigida): “Abre tu os meus olhos, para que veja as maravilhas da tua lei.”

Salmo 119:18 (versão da Bíblia hebraica): “Abre meus olhos para que eu possa observar as coisas maravilhosas da tua Torah”

Por essa e várias outras razões, percebemos que não são só os Dez Mandamentos que vigoram para sempre, mas sim a Palavra de Deus, que chegou até nós através dos homens escolhidos por Ele.

Isaías 40:8 “Seca-se a erva, e cai a flor, porém a palavra de nosso Deus subsiste eternamente.” (ver também 1 Pedro 1:24)

Entretanto, voltemos à análise do quadro comparativo.

Supostamente, os Adventistas do Sétimo Dia dizem que a “lei” que é dada além dos Dez Mandamentos deveria cessar conforme a análise que fazem de Óseias 2:11. Mas nós já vimos anteriormente que a Palavra de YHWH é perpétua, logo, a única hipótese, é que só poderá existir algum equívoco na interpretação do texto.

Óseias 2:11 vem na sequência dos versículos anteriores. De quem é que se fala no contexto deste texto? Comecemos pelo vs. 1 e seguintes desse capítulo:

“Dizei a vosso irmão: Ami; e a vossa irmã: Ruama.”

O capítulo 2 inicia de forma estranha, se não atentarmos para o que vem antes, e por essa razão, devemos começar pelo princípio. O livro de Óseias começa por falar dos desvios dos filhos de Israel, vejamos:

Óseias 1:2-9 “O princípio da palavra de YHWH por meio de Oséias. Disse, pois, YHWH a Oséias: Vai, toma uma mulher de prostituições, e filhos de prostituição; porque a terra certamente se prostitui, desviando-se de YHWH. Foi, pois, e tomou a gomer, filha de Diblaim, e ela concebeu, e lhe deu um filho. E disse-lhe YHWH: Põe-lhe o nome de Jizreel; porque daqui a pouco visitarei o sangue de Jizreel sobre a casa de Jeú, e farei cessar o reino da casa de Israel. E naquele dia quebrarei o arco de Israel no vale de Jizreel. E tornou ela a conceber, e deu à luz uma filha. E Deus disse: Põe-lhe o nome de Lo-Ruama; porque eu não tornarei mais a compadecer-me da casa de Israel, mas tudo lhe tirarei. Mas da casa de Judá me compadecerei, e os salvarei por YHWH seu Deus, pois não os salvarei pelo arco, nem pela espada, nem pela guerra, nem pelos cavalos, nem pelos cavaleiros. E, depois de haver desmamado a Lo-Ruama, concebeu e deu à luz um filho. E Deus disse: Põe-lhe o nome de Lo-Ami; porque vós não sois meu povo, nem eu serei vosso Deus.”

YHWH exemplifica o cenário através de uma prostituta que dá à luz dois filhos (um casal de irmãos), Ruama e Ami.

A prostituta representa a Casa de Israel (Reino do Norte/Efraim) que traiu o seu marido (YHWH) adulterando com outros homens (ídolos pagãos).

Podemos ir então agora para o capítulo 2 onde tudo se começa a esclarecer:

Oséias 2:1-5 “Dizei a vossos irmãos: Ami; e a vossas irmãs: Ruama. Contendei com vossa mãe, contendei, porque ela não é minha mulher, e eu não sou seu marido; e desvie ela as suas prostituições da sua vista e os seus adultérios de entre os seus seios. Para que eu não a despoje, ficando ela nua, e a ponha como no dia em que nasceu, e a faça como um deserto, e a torne como uma terra seca, e a mate à sede; E não me compadeça de seus filhos, porque são filhos de prostituições. Porque sua mãe se prostituiu”

E é na sequência disto que vem Óseias 2:11:

Óseias 2:11 “E farei cessar todo o seu gozo, as suas festas, as suas luas novas, e os seus sábados, e todas as suas festividades.”

E porque razão? Porque Israel em vez de observar as Solenidades que o Eterno instituiu, para as observarem em Sua honra, o Povo de Israel fê-las mas em adoração a deuses falsos, o vs. 13 esclarece:

“Castigá-la-ei pelos dias dos Baalins, nos quais lhes queimou incenso, e se adornou dos seus pendentes e das suas jóias, e andou atrás de seus amantes, mas de mim se esqueceu, diz YHWH.”

O que o Eterno fará cessar nunca poderiam ser as Suas Festas porque essas foram dadas por estatuto perpétuo, mas sim as festas em adoração a deuses pagãos. O capítulo 3 confirma isso mesmo:

“E YHWH me disse: Vai outra vez, ama uma mulher, amada de seu amigo, contudo adúltera, como YHWH ama os filhos de Israel, embora eles olhem para outros deuses, e amem os seus bolos de uvas.”

Mais uma prova de que o que cessaria era a adoração aos ídolos:

Óseias 4:17 “Efraim está entregue aos ídolos; deixa-o”.

Para finalizar a reflexão sobre este ponto atentemos para um detalhe relevante; Óseias 2:11 diz que YHWH faria cessar as festas deles (“suas festas”), o que é bem diferente das “minhas solenidades” referidas em Levítico 23.

Existe um outro texto semelhante ao de Óseias 2:11; que está em Isaías 1:13-14 que diz:

“Não continueis a trazer ofertas vãs; o incenso é para mim abominação, e as luas novas, e os sábados, e a convocação das assembléias; não posso suportar iniqüidade, nem mesmo a reunião solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as odeia; já me são pesadas; já estou cansado de as sofrer.”

À semelhança do texto de Óseias, e de qualquer outro texto bíblico, também este de Isaías 1:13-14 deve ser analisado como um todo, e dentro do contexto correcto. Porque razão YHWH estaria na verdade farto desses dias que Ele separou como Santos e perpétuos?

Os vs. 1-12 desse mesmo capítulo esclarecem. O povo não estava a adorar verdadeiramente o Eterno.

Por trás de toda a aparente adoração, deveria existir também um coração circuncidado, isto é, um coração pretenso a servir o Eterno com amor, um coração puro e verdadeiro.

Um servo que manifestasse não apenas no exterior a sua dedicação mas principalmente no seu interior. Tudo isto faz mais sentido quando lemos os vs. 1-12 em consonância com os seguintes textos:

Deut. 30:6 “E YHWH teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares a YHWH teu Deus com todo o coração, e com toda a tua alma, para que vivas.”

Deut. 10:6 “Circuncidai, pois, o prepúcio do vosso coração, e não mais endureçais a vossa cerviz.”

Deut. 4:29 “Então dali buscarás a YHWH teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma.”

Deut. 5:29 “Quem dera que eles tivessem tal coração que me temessem, e guardassem todos os meus mandamentos todos os dias, para que bem lhes fosse a eles e a seus filhos para sempre.”

Deut: 26:16 “Neste dia, YHWH teu Deus te manda cumprir estes estatutos e juízos; guarda-os pois, e cumpre-os com todo o teu coração e com toda a tua alma.”

Deut. 11:16 “Guardai-vos, que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos inclineis perante eles;”

Romanos 2:29 “Mas é judeu o que o é no interior, e circuncisão a que é do coração, no espírito, não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus.”

Deut. 8:5 “Sabes, pois, no teu coração que, como um homem castiga a seu filho, assim te castiga YHWH teu Deus”

O Eterno quer que o amem de verdade vivendo em obediência, não que vivam pelas aparências, ou que demonstrem algo que verdadeiramente não são;

1 Samuel 16:7 “porque YHWH não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém YHWH olha para o coração.”

1 João 3:18 “Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas nas atitudes e em verdade.”

Na verdade, mais do que sacrifícios, o Eterno deseja que o homem não peque, como lemos em:

1 Samuel 15:22 “Porém Samuel disse: Tem porventura YWHH tanto prazer em holocaustos e sacrifícios, como em que se obedeça à palavra de YHWH? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros.”

Concluímos portanto que YHWH nunca se poderia referir às Festas por Ele determinadas, pois se no caso de Óseias 2:11 YHWH se refere às festas em honra de falsos deuses; já no caso de Isaías 1:13-14 o texto aponta para a iniquidade de Israel (vs. 4).

E isso torna-se mais evidente quando lemos na bíblia o Eterno a enaltecer os dias por Ele separados em textos como os de Isaías 56:1-2; 58:13; e Ezequiel 20:12, 20.

A Palavra não tem contradições, o homem é que é de fraco entendimento (Óseias 4:6).

A partir do momento em que as Festas que são dadas pelo Eterno para que as observassem em sua honra, e o homem observa-as mas em honra de outros deuses, o Eterno nada tem a ver com elas, pois o foco de adoração foi substituído. A idolatria cessará um dia, a adoração a YHWH será para sempre (Isaias 66:20-24).

7- É Perfeita / É imperfeita

Sobre este ponto, o texto de Hebreus que é citado sem dúvida é complexo. Contudo, como nos exemplos anteriores, deve ser analisado dentro da perspectiva correcta. Vejamos o que nos diz o texto:

“Porque o precedente mandamento é ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade (Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou) e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus.”

É a lei que não é perfeita ou o homem? O que nos diz o Salmo 19:7? O homem é que é imperfeito para a cumprir, nesse sentido, ela não aperfeiçoou o homem porque ele é um pecador. Enquanto o homem é carne corruptível, nunca poderá ser perfeito diante de YHWH, e a melhor esperança que é introduzida, é o sangue derramado por Yeshua onde os salvos branqueiam as suas vestes. A lei nenhuma coisa aperfeiçoou, porque desde a queda no Éden que o homem se desligou de YHWH, e a única forma de se reconciliar com este é através de Yeshua.

Mas quer isso dizer que podemos transgredir a Torá deliberadamente? Claramente que não. O mandamento é inútil na medida em que a nossa carnalidade não nos permite cumpri-lo na perfeição. E é exactamente nessa nossa fraqueza, que o sangue de Yeshua nos torna dignos onde jamais seríamos.

Salmo 19:7 (Bíblia hebraica) “A Torá de YHWH é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho de YHWH é fiel, e dá sabedoria aos humildes.”

8- É Espiritual / É carnal

Porventura já ressuscitámos incorruptíveis? Na medida em que somos carne, precisamos de instruções para não ceder aos impulsos carnais.

É exactamente pelo facto de sermos carne, que o Eterno é compassivo para connosco, pois sabe que diariamente a serpente se tenta alimentar da nossa carnalidade (tentações). Por isso é que devemos deixar que YHWH guie o nosso espírito para que este tenha controlo total sobre a nossa carnalidade.

9- É a substância das coisas boas / É apenas uma figura

O texto usado pelos adventistas para justificar o seu ponto de vista é o de Hebreus 10:1 que diz:

“Porque tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exacta das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam.”

Os sacrifícios de animais eram uma sombra de um sacrifício perfeito. Contudo, ainda que os sacrifícios de animais sejam inúteis diante do sacrifício de Yeshua isso implica que os Dias Festivos deixem de ser observados? Claramente que não, pois foram dados como dias de Santa Convocação por estatuto perpétuo, como já vimos.

10- Cristo não a aboliu / Cristo aboliu-a

Yeshua não aboliu nada da Torá, para já porque a Palavra que Yeshua falou não era d’Ele mas sim do Pai que O enviou, e já vimos que a Palavra de YHWH não muda (Mal. 3:6; Heb. 13:8). Na verdade a palavra utilizada por Yeshua no texto é Torá, mas mais uma vez as versões gregas traduzem como “lei”:

Mateus 5:17-18 – Peshitta (Escritos apostólicos em Aramaico) “Não pensem que vim destruir a Torá ou os profetas. Não vim destrui-la mas completá-la, pois na verdade vos digo que até que os céus e a terra passem, nem um yod* ou um traço se omitirá da Torá sem que tudo seja cumprido”.

*yod é a letra mais pequena do idioma hebraico, o que mostra que nem a mínima coisa será removida.

A Torá só se tornaria plena com a vinda de Yeshua, pois a Torá aponta para Ele, visto que ele é a Torá Encarnada (instrução/Palavra/Verbo/Representante de YHWH).

Quanto ao texto de Efésios 2:15 diz-nos o seguinte: “Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz,”

Na verdade a lei dos mandamentos nunca poderia ser desfeita, que como já vimos é perfeita e eterna. Vejamos o que nos diz o mesmo texto na Peshitta do Aramaico:

“Porque Ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; derrubando a parede de separação que estava no meio. Pela sua carne, cumprindo a Torá através das mitsvot contidas em ordenanças, desfez a inimizade para criar, em sua essência, dos dois um novo homem, assim fazendo a paz pelo madeiro reconciliar ambos com YHWH num só corpo, tendo por ela matado a inimizade;”

Paulo refere-se à inimizade existente entre a Casa de Judá (Reino do Sul ou Casa de Judá) e a Casa de Israel (Reino do Norte ou Efraim). Devido ao facto de Efraim se misturar entre as nações e ter adoptado os seus costumes (paganismo e desvio da Torá), Judá passou a olhá-lo como o irmão desobediente, visto que ele quebrou os mandamentos.

Mas como Yeshua veio não só para a casa de Judá mas também para a casa de Israel (que entretanto se espalhou pelas nações), e ensinou a cumprir a Torá, dessa forma Yeshua faz com que essa parede de inimizade que separava os irmãos fosse anulada, fazendo dos dois novamente um.

Vemos o cumprimento dessa profecia a cumprir-se em força nestes últimos dias, em que muitos estão a despertar para o facto de que na verdade Yeshua não veio anular a Torá, mas ensinar-nos sobre ela. Leia-se sobre as duas varas (casa de Israel e casa de Judá) que voltarão a ser unidas em Ezequiel 37:16-28.

A inimizade é desfeita em Yeshua, porque o irmão obediente voltará a abraçar o irmão desobediente porque este volta à observação da Torá.

Lembrem-se da parábola do filho pródigo. E vejam como o sentido do texto de Efésios foi deturpado. Na verdade satanás manipula tudo, mas só até um certo ponto, porque a base da fé está presente em todas as versões bíblicas. E com a ajuda do Espírito do Eterno, conseguimos discernir a verdade.

11- Deve existir até que tudo seja cumprido / Devia existir somente até à posteridade

Diz-nos o texto de Gál. 3:19: “Logo, para que é a lei? Foi ordenada por causa das transgressões, até que viesse a posteridade a quem a promessa tinha sido feita; e foi posta pelos anjos na mão de um medianeiro.”

Este texto de certa forma já foi explicado. A lei foi dada exactamente para instruir o povo sobre como se desviar do pecado. Onde não há pecado não há lei (Rom. 5:13).

Porque a Torá escrita foi dada até que viesse a Torá Viva, e estas duas complementam-se, pois é pela guarda dos mandamentos e pela fé em Yeshua que se salvarão os escolhidos (Ap. 14:12).

Os pontos 12; 13 e 14 como estão relacionados serão abordados seguidamente como um todo:

O jugo de servidão de que fala Gálatas 5:1 não se refere à Torá, pois sobre a Torá diz-nos as escrituras:

Deut. 11:16 “Porque este mandamento, que hoje te ordeno, não te é encoberto, e tampouco está longe de ti. Não está nos céus, para dizeres: Quem subirá por nós aos céus, que no-lo traga, e no-lo faça ouvir, para que o cumpramos? Nem tampouco está além do mar, para dizeres: Quem passará por nós além do mar, para que no-lo traga, e no-lo faça ouvir, para que o cumpramos? Porque esta palavra está mui perto de ti, na tua boca, e no teu coração, para a cumprires. Vês aqui, hoje te tenho proposto a vida e o bem, e a morte e o mal; Porquanto te ordeno hoje que ames a YHWH teu Elohim, que andes nos seus caminhos, e que guardes os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, para que vivas, e te multipliques, e YHWH teu Elohim te abençoe na terra a qual entras a possuir.”

Na verdade, o jugo de servidão de Gálatas 5:1; e o jugo que ninguém podia suportar de Actos 15:10 não pode ser a Torá dada por YHWH, pois o próprio Yeshua confirma que o seu fardo é leve (Mat. 11:30).

Yeshua na verdade tem a necessidade de dizer isso, porque muitos consideravam a Torá difícil de cumprir devido aos acrescentos humanos que ao longo dos séculos foram feitos pelos anciãos, mais precisamente, após o exílio da Babilónia. Poderemos entender melhor esse contexto quando lemos em Mateus 15:2-8.

Mas o simples cumprimento da Torá (sem os acrescentos das tradições humanas [Mat. 15:6]), na verdade é algo que está ao alcance de qualquer pessoa que deseja verdadeiramente no seu coração servir ao Eterno.

As cargas que ninguém podia suportar, são as tradições humanas que foram acrescentadas aos mandamentos que os antigos exigiam que fossem levadas tão a sério como o próprio mandamento. Tornando o seu cumprimento numa missão quase impossível.

Isso ainda hoje é muito comum entre o Judaísmo Ortodoxo que compilou numa obra intitulada Talmud, todas as tradições humanas que foram acrescentadas aos mandamentos com o propósito de proteger o mandamento.

Hoje em dia, acontece frequentemente no Judaísmo Ortodoxo (Os Fariseus da época de Yeshua) que as suas tradições, tenham mais importância para eles do que a própria palavra escrita ordenada por YHWH. Já no tempo de Yeshua isso acontecia, e por isso Ele diz:

Mateus 23:3-4 “Todas as coisas, pois, que vos disserem que observeis, observai-as e fazei-as; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não fazem; Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem aos ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los;”

Os anciãos e os líderes religiosos tinham grande influência sobre o povo, e é dessa influência que Yeshua os liberta, mostrando que na verdade o Seu fardo (Mandamentos) é leve.

15- É guardada juntamente com a fé em Jesus / É inútil diante da fé

Paulo não diz que a Lei era “aio” (tutor), mas que ela serviu de “aio” (Gálatas 3:24), isto é, ela conduziu as pessoas até ao Messias, e depois de estarem Nele, pela Fé, a Lei já não serve mais de “aio”, mas como indicador no Caminho, ela ensina-nos como devemos andar.

O facto de a Lei ter sido um “aio” não a anula, nem a faz deixar de vigorar, nem a desvaloriza.

A partir do Sinai, a Lei, servindo de “aio”, conduziu muitos a viverem pela Fé, em obediência a esta Lei, este sempre foi o grande objectivo dela. Fé em quem? Em YHWH, o Todo-Poderoso.

E, depois da vinda de Yeshua, ela novamente serviu de “aio”, agora para conduzir a este Yeshua, por intermédio da Fé. Como? A Torá está ligada a todo o ser humano para a obediência ou desobediência, para a fidelidade ou rebeldia. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. Tanto na obediência, quanto na desobediência, a Torá conduziu muitos ao Messias pela Fé no Seu testemunho;

1 João 2:2-7 “E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo. E nisto sabemos que o conhecemos: se guardarmos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade. Mas qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado; nisto conhecemos que estamos nele. Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. Irmãos, não vos escrevo mandamento novo, mas o mandamento antigo, que desde o princípio tivestes. Este mandamento antigo é a palavra que desde o princípio ouvistes.”

E quando Paulo diz em Gálatas 3:24: “…para que, pela fé, fôssemos justificados.”, esta justificação teria que se evidenciar pelas obras, conforme diz Tiago 2:24: “Vedes, então, que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé.” Isto implica um novo nascimento, uma nova vida.

Que obras seriam estas? As obras da Fé (fidelidade), e como podemos ser fiéis ao Eterno? Através da obediência. E como podemos obedecer ao Eterno? Pelos Mandamentos da Torá.

Primeiramente, quem eram os judaizantes? Crentes ou incrédulos? Eles eram crentes no Messias Yeshua. Qual era a atitude equivocada deles em relação aos crentes gentios?

Vamos ler em Actos 15:1; “Então, alguns que tinham descido da Judéia ensinavam assim os irmãos: se vos não circuncidardes, conforme o uso de Moisés, não podeis salvar-vos.”

Esses judeus crentes pertenciam a que grupo? À seita dos fariseus (Actos 15:5).

Qualquer teólogo sincero sabe que o motivo do Concílio em Jerusalém foi este: aceitar o argumento destes judeus crentes ou o testemunho de Paulo e Barnabé.

E o que é que foi decidido nesse concílio?

Actos 15:19-21″Pelo que julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a YHWH, mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. Porque Moisés, desde os tempos antigos, tem em cada cidade quem o pregue e, cada sábado, é lido nas sinagogas.”

Onde é que a teologia cristã lê, ou vê nesta passagem, que a Lei perde o sentido quando equiparada com o Messias?

Onde e quando é que neste Concílio foi decidido que os crentes deveriam deixar de guardar a Lei? Donde é que surge a ideia que a Lei é obsoleta? Não deste concílio, mas sim dos concílios do cristianismo romano levados a cabo séculos depois.

Quatro práticas deveriam ser deixadas de imediato (Actos 15:20) o restante aprenderiam gradualmente, ensinado nas Sinagogas, e o que é era ensinado nas sinagogas? A Torá, e esta é uma prova de que os gentios crentes frequentavam as Sinagogas juntamente com os judeus crentes no Messias Yeshua.

A análise real de Gálatas, sem os “óculos de Roma”:

Durante séculos, o grosso do “cristianismo” tem alegado que quando o Paulo se referiu às “obras da lei” se referia à Torá

Contudo, uma vez que pesquisamos o contexto israelita (que é o mais confiável possível) sobre as palavras de Paulo, aprendemos que o termo “obras da lei”, no hebraico “ma’assei hatorá” se refere a prática rabínica de transformar um costume/hábito/tradição de grandes rabinos em mandamentos.

Ou seja, “obras da lei” seria a crença de que podemos ser justificados imitando os hábitos/costumes de pessoas de referência (grandes rabinos, etc.)

Enfim, esta interpretação do cristianismo romano não é bíblica. O termo aparece frequentemente no Talmud, porém alguns cristãos alegavam que, como o Talmud é posterior, não havia comprovação de que na época de Yeshua o termo “obras da lei” já fosse um termo conhecido em Israel, e em referência a actos rabínicos para a justificação por obras.

Porém, uma descoberta arqueológica nas cavernas de Qum’ran nas imediações do Mar Morto, deitou totalmente por terra a falsa premissa do cristianismo romano. Eis um dos fragmentos do mar morto:

“Agora escrevemos para vós algumas das obras da lei, aquelas que determinamos que fossem ser benéficas a todos… E deverão ser reconhecidas por vós como justiça, em que vós têm feito o que é correcto e bom perante ele…” (4 QMMT(4q394-399) secção C linhas 26b-31).

Aqui vemos aqueles que se opunham a Paulo, citados fora do Novo Testamento e materializando-se como figuras históricas: “aqueles que acreditavam na justificação pelas mesmas obras da lei.”

O texto de Qum’ran é uma prova histórica e clara sobre o termo “obras da lei”, sendo um termo teológico conhecido e explorado muito antes da vinda do Messias.

Vemos também pelo texto uma alusão às tradições rabínicas e não aos Mandamentos de YHWH.

Grupos como estes tentavam e ensinavam o povo a justificarem-se diante do Eterno por hábitos/costumes, denominados “as obras da lei” que no fundo foram a base para os acrescentos feitos à “Torá” (que eles chamam de lei oral, que foram compilados mais tarde no Talmud) levado a cabo pelos rabinos.

Comprovamos então que, contrariamente à falsa alegação Greco-Romana Cristã, Paulo não falava da Torá, mas sim de um sistema religioso rabínico.

Existe uma profecia de Isaías sobre o que viriam a ser “as obras da lei”:

Isaías 28:13-15 “Assim, pois, a palavra de YHWH lhes será mandamento sobre mandamento, mandamento sobre mandamento, regra sobre regra, regra sobre regra, um pouco aqui, um pouco ali; para que vão, e caiam para trás, e se quebrantem e se enlacem, e sejam presos. Ouvi, pois, a palavra de YHWH, homens escarnecedores, que dominais este povo que está em Jerusalém. Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos.”

Será que Paulo anulou a lei, coisa que Yeshua não ousou fazer (Mat. 5:17) quando citou este e outros textos que à primeira vista parecem complexos?

Não é difícil perceber o contexto das palavras de Paulo, quando sabemos que ele era um crente zeloso e cumpridor da Torá (At. 25:8;28:17).

A graça de ser salvo não invalida a lei, mas sim, aquele que teve a experiência do novo nascimento no Messias, ou seja, a natureza do pecado que habitava em nós deu lugar ao Espírito de YHWH, não estando nós mais sob o jugo da lei do pecado (a natureza do pecado), que oprime, amarra e destrói o homem, desligando-o do Todo-Poderoso, e nem do legalismo farisaico que dificultava o cumprimento da Torá.

Uma coisa é entender o legalismo da Lei, a outra é viver sob os princípios da Lei.

Se quiserem fazer uma análise mais aprofundada sobre esta e outras passagens nas cartas de Paulo sobre a Lei, clique aqui.

16- É uma Lei Real / É a Lei de Moisés

Por tudo aquilo que já foi analisado neste estudo, consideramos que se torna desnecessária acrescentar mais linhas a tudo que já foi referido. Reafirmamos apenas que a chamada Lei de Moisés é a Lei de YHWH, uma vez que foi o Eterno que a deu a Moisés, conforme já demonstrado.

17- É a Lei que julgará o mundo / Ninguém será julgado por ela

É curioso as Igrejas do Sétimo Dia citarem Colossenses 2:16 como forma de justificarem que ninguém será julgado por esta lei. Ainda é mais interessante constatar isso quando nesse texto estão incluídos os Sábados que eles defendem como sendo perpétuos.

No princípio deste estudo, avançámos que esta passagem de Colossenses 2:16 tinham uma mensagem bastante relevante para os crentes, e que iríamos aprofundar o seu sentido mais à frente. Pois bem, é nela que nos iremos focar agora.

De facto, nós seremos julgados pelas nossas transgressões conforme nos revela o próprio Yeshua:

Mateus 7:21-23 (Almeida Revista e Corrigida) “Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demónios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade.”

Em algumas versões de J. F. de Almeida o versículo 23 diz: apartai-vos de mim, vós que praticais a violação da lei”.

Mas vejamos o mesmo texto na versão traduzida a partir do aramaico:

Mateus 7:23 (Peshitta Aramaico) “E então eu lhes direi: Nunca vos conheci, afastem-se de mim vocês que são violadores da Torá”.

Voltando a Colossenses 2:16, que nos diz:

“Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, ou por causa dos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados,”

Muitos crêem que este texto anula as leis alimentares, os dias Santos dados em Levítico 23; as luas novas e os Sábados. Mas vejamos, o que é que é referido aqui neste texto? De facto o texto fala de alimentação, dias festivos, luas novas e de Sábados. Mas eles são anulados nesta passagem? Pode uma simples passagem anular muito do que está escrito em todo o restante texto bíblico.

Ora, sabemos que a Palavra não tem contradições, como tal, seguindo os princípios abordados no início deste estudo, vamos analisar o cap. 2 como um todo. Como em todos os versículos bíblicos, só temos que atentar para o contexto dessa passagem, para entender o seu significado.

Os vs. 13-14 do mesmo cap. 16 de Colossenses dizem que fomos perdoados, porque “a cédula fora riscada”. Esta cédula não é a Lei de Deus. Mas sim os nossos pecados. O que foi cravado na cruz não foi a Lei de Deus, mas sim as nossas transgressões, como profetizado por Jeremias (31:34) e Isaías (43:25).

E porque é que sabemos que não foi a lei que foi riscada? Porque YHWH não muda; e porque Yeshua também confirmou que isso não aconteceria enquanto existirem céus e terra (Mat. 5:17-18)

É graças ao sacrifício de Yeshua, que triunfámos diante do nosso acusador (vs.15 de Colossenses 2), e por isso mesmo não devemos deixar que nenhum homem nos julgue. Aliás, quem tem o direito de julgar? Somente o Eterno, por isso, que “ninguém vos julgue”.

A palavra “portanto” do vs.16 vem em sequência dos vs. anteriores.

A melhor forma de resumir o vs. 16, é que as nossas transgressões nos foram perdoadas (vs.13). A lista dos nossos pecados foi removida/riscada, através do sacrifício de Yeshua (vs.14).

No entanto, o texto diz-nos muito mais do que isso. Quem conhece um pouco da história dos Colossenses, sabe que o povo de Colosso era influenciado por mestres ligados ao gnosticismo, que impunham leis humanas, para que os homens pudessem alcançar elevada espiritualidade.

E era com isso que Paulo se confrontava em Colosso. Como vemos no cap. 2 vs. 4, 8, 18, 20, 22. Paulo não se referia às leis de Deus, mas às influências humanas, aliás, permitam que se faça uma ressalva só a título de curiosidade; A palavra lei nem sequer aparece na carta aos Colossenses, mas isso são apenas detalhes.

Os mestres gnósticos de Colossos, censuravam os novos crentes em Yeshua, por estes comerem e beberem aos Sábados, nos dias de Festa de YHWH, e nos dias de Lua Nova, pois consideravam que perdiam a espiritualidade por o fazerem.

Os mestres gnósticos ignoravam na verdade o propósito das Festas de YHWH. Além de serem dias santos, eram também dias festivos. Precisamente isso, dias festivos, de regozijo em que as pessoas devem comer e beber com alegria, como vemos em Deut. 16:11, 14, 15.

Não quer isso dizer que sejam dias de glutonaria ou bebedeiras, não torçamos o sentido do texto, mas não deixam de ser dias de alegria, em que se deve festejar e adorar o Eterno Deus.

Não há nenhuma restrição relativamente ao comer e ao beber nesses dias, (exceptuando no dia de Expiação, que é um dia de Jejum obrigatório,) como os mestres de Colossos defendiam, pois o propósito das festas, além de ser o de servir o Eterno, é também festejar em honra d´Ele, comendo e bebendo alegremente.

Foi contra a influência que o gnosticismo exercia sobre Colossos, que Paulo falou. Paulo refutou essa ideia, afirmando que nada os proibia de comer e beber nesses dias.

Por isso, ao contrário da ideia geral das pessoas que falam sobre este texto específico, Paulo não aconselha a que não se observem os dias Santos de YHWH, aconselha sim a observação desses dias, em total regozijo, comendo e bebendo sem se deixarem perturbar pelas críticas dos homens heréges; pois tais restrições que lhes tinham sido imputadas, não constam na Torá, mas sim são influências humanas, neste caso dos mestres gnósticos.

Vamos então ler o texto novamente com o contexto correcto, e com uma tradução fiel aos originais, e sem tendenciosidades:

“Portanto, não deixem que vos julguem pelo comer ou pelo beber nos dias de festa (solenes), ou nos dias de lua nova, ou nos sábados, pois tais coisas são o prenúncio daqueles que preparam o próprio corpo para serem julgados no Messias” (Colossenses 2:16 Peshitta- versão em aramaico do Novo Testamento).

A passagem é muitas vezes mal interpretada. O que é que realmente quer ela dizer? Paulo combatia uma heresia local. Falsos mestres tinham introduzido a sua própria filosofia religiosa, a qual era uma mistura de conceitos Judaicos e gentios.

As suas ideias eram fundamentadas na “tradição” humana e nas “convicções do mundo” não na Palavra de Deus. Paulo avisou os Colossenses dizendo-lhes:

“Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs subtilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo” vs.8

Estes falsos mestres introduziram as suas próprias normas e regulamentos como comportamento devido (vs. 20-22). O aviso de Paulo à igreja de Colossos indica fortemente que estes hereges foram os percursores duma maior heresia que se desenvolveu no gnosticismo, o qual por si só, é uma crença que sustenta o sistema do conhecimento secreto (gnosis é o grego para “conhecimento”, daí o termo gnosticismo) para melhorar a religiosidade de uma pessoa.

Da palavra “gnosticismo” vem a palavra “agnosticismo”, e penso que isso esclarece claramente os leitores sobre a heresia que Paulo se confrontava em Colossos.

Os gnósticos declaravam-se tão espirituais que desdenhavam virtualmente qualquer coisa física, considerando-a como inferior a eles. Em Colossos, os falsos mestres rejeitavam o físico–as coisas perecíveis que podiam ser tocadas, provadas ou manuseadas (vs. 21-22)—particularmente quando isso se relacionava com a adoração.

A sua filosofia encorajava a negligenciar as necessidades físiológicas do corpo para se alcançar elevada espiritualidade. Em verdade, contudo, a sua auto-imposta religião em nada ajudou e nada alcançou em combater a natureza humana. Como Paulo escreveu, não foi “de valor algum, senão para a satisfação da carne” vs. 23.

Os Cristãos em Colossos obedeciam a Deus. Eles guardavam o Seu Sábado e Dias Santos, e regozijavam-se neles, seguindo as instruções bíblicas (Deut. 16:10-11, 13-14).

Os heréges condenavam a igreja de Colossos pela forma que os Colossenses celebravam os Dias Santos. Repare-se que eles não contestavam os dias em si mesmos, mas sim o gozo físico deles—alegrando-se e participando nas festas—que provocava a objecção desses falsos mestres. Repare-se outra vez as palavras de Paulo:

“Portanto, ninguém vos julgue pelo comer, ou pelo beber, nos dias de festa, ou da lua nova, ou dos sábados” (Col. 2:16).

Como tal. ao contrário da interpretação que a o grosso da cristandade faz desta passagem específica, Paulo, confirma que os Crentes Colossenses — que eram principalmente gentios (Colossenses 2:13)— observavam o Sábado semanal e os Dias Santos de Deus, passados mais de 30 anos depois da morte e ressurreição de Yeshua.

Se eles não estivessem a comemorar estes dias, os heréges não teriam fundamento para as suas objecções relativas ao aspecto de comer e beber nos dias de festa.

Nunca esteve em questão neste texto, o que é lícito ou não é licito comer, ou se os dias dados por YHWH como Dias Solenes deveriam ou não ser observados. Porque Paulo observava a Torá, como lemos em Actos 24:14.

Conclusão: Além de tudo o que foi dito, queríamos salientar que há duas razões fundamentais para as Festas terem sido dadas, sendo que o seu propósito não se resumia a que fossem dias de ofertas queimadas ou de sacrifícios.

A razão principal foi revelar-nos o Plano de Salvação de YHWH para a humanidade. Mas também foram dados como dias de homenagem e adoração ao Eterno. Ou seja, são “festas” caracterizadas exactamente pelo sentido literal da palavra “festa”:

Festa- Nome feminino; solenidade religiosa ou civil; comemoração ´pública periódica em honra de um acontecimento ou de uma pessoa/entidade; reunião social para convívio e diversão, geralmente com música e dança; banquete; festim; demonstração pública de alegria; Dicionário da Língua Portuguesa, Porto Editora- 2003-2013
.
Festa- Reunião em que há regozijo; Dia de comemoração; Dia santificado; função religiosa com que se celebra um dia santificado; Alegria, regozijo; Gesto ou demonstração de um sentimento de ternura ou de afecto. Dicionário Priberam

Em breve falaremos de como as festas estão relacionadas com a primeira e segunda vinda de Yeshua. Ou seja, veremos que as Festas são profecias de eventos que teriam cumprimento na pessoa do Nosso Salvador – Yeshua.

É compreensível que alguns textos possam gerar alguma confusão, e possam dificultar o entendimento do texto bíblico, é normal que assim seja, pois satanás cumpriu o seu plano de enganar as nações.

Contudo, não podemos aceitar que textos sejam tirados fora do contexto para fundamentar doutrinas, ou fazer interpretações isoladas quando essas mesmas contradizem a Torá ou os profetas.

Textos isolados não fazem doutrina, pois a Palavra é um todo, e quando entendida com discernimento e à luz da Torá e do Testemunho, veremos como tudo se harmoniza.

Isaías 8:20: “À lei e ao testemunho! Se eles não falarem segundo esta palavra, é porque não há luz neles.”

Hebreus 6:18 “Para que por duas coisas imutáveis [a Torá e o Testemunho], nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta;”

Deuteronómio 11:26-28 “Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição; A bênção, quando cumprirdes os mandamentos de YHWH vosso Deus, que hoje vos mando; Porém a maldição, se não cumprirdes os mandamentos de YHWH vosso Deus, e vos desviardes do caminho que hoje vos ordeno”

Deuteronómio 30:19 “Os céus e a terra tomo hoje por testemunhas contra vós, de que te tenho proposto a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe pois a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”

A base da fé está na Torá, pois apesar do primeiro mandamento escrito na pedra dizer que não deveremos ter outros deuses diante de YHWH, é na Torá em Deuteronómio 6:4-5 que está revelada a base da fé monoteísta, e isso é corroborado pelo próprio Yeshua:

Mateus 22:36-38 “Mestre, qual é o grande mandamento na lei? E Yeshua disse-lhe: Amarás YHWH teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Este é o primeiro e grande mandamento.”

João 17:3 “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Yeshua haMashiach, a quem enviaste.”

Rogamos-te Pai Santo e Eterno, em Nome do Teu Filho amado Yeshua, que venhas abrir o nosso entendimento e gravar a tua Torá nos nossos corações. אָמֵן (Amén).

Shalom.

http://emunah-fe-dos-santos.weebly.com/a-lei-moral-e-a-lei-cerimonial.html

Tags: