Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
A Negação do Eu – Parte I

A Negação do Eu – Parte I

“Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.” (Mateus 16.24)
Em que sentido um cristão não deve negar a si mesmo?
1. Ele não deve negar sua promessa. A promessa de um homem deve ser sagrada. Ele deve guardá-la, embora seja para a sua perda – Salmo 15:1,4. Aquele que não faz conta de sua promessa – Deus não faz conta de sua profissão.
2. Um cristão não deve negar sua graça. Ele não deve negar qualquer boa obra realizada por ele, mas não deveria dizer que uma árvore seca – pois tem o orvalho do céu sobre os seus ramos. Assim isto é um pecado porque um homem deve fazer-se melhor do que ele é – e isso, o torna pior. Dizer que ele tem graça quando ele não a tem, é presunção. Dizer que ele não tem a graça quando ele a possui – é ingratidão. É falso testemunho contra o Espírito de Deus.
Em que sentido deve um cristão negar a si mesmo?
Em geral, ele deve negar aquela parte carnal, que é mais achegada a ele do que a menina dos seus olhos. Mas, mais particularmente:
1. Um cristão deve negar sua razão. Não digo renunciar a ela, mas negá-la. Alguns clamam à deusa Diana da razão, tornando-a a regra e norma de fé. Na verdade, que há um Deus e que esse Deus deve ser adorado, é uma lei escrita no coração do homem e está em consonância com a razão. Mas quem Deus é, e o modo correto da adoração, é um assunto tão sublime, que a razão não poderia decifrá-lo mais do que os filisteus puderam em relação ao enigma de Sansão.
“Porventura, desvendarás os arcanos de Deus ou penetrarás até à perfeição do Todo-Poderoso?” (Jó 11.7).
A razão deve ser negada para aceitar DOUTRINAS propostas para serem cridas:
A doutrina da Trindade. O poço é fundo, e quem pode compreendê-lo com o fio de prumo da razão! As três pessoas da Trindade são distintas, mas não divididas. São três subsistências, mas uma essência. A Trindade é puramente um objeto de fé. Existem algumas verdades na religião verdadeira que são demonstradas pela razão, como a de que devemos fugir do vício e fazer aos outros o que gostaríamos que fizessem a nós. Mas a Trindade de pessoas, na unidade da essência, é da revelação divina, e deve ser consentida pela fé.
A doutrina da Encarnação. Esta doutrina ensina: que a eternidade – deveria nascer, para que Aquele que governa as estrelas – devesse sugar os seios, de uma virgem – que deveria conceber, que o ramos deveriam suportar a raiz – que em Cristo deveria haver duas naturezas, ainda que uma só pessoa, que a sua natureza divina não deveria ser transformada na natureza humana, mas a natureza humana deveria ser assumida pela pessoa do Filho de Deus – a natureza humana não é Deus, mas uma com Deus. Aqui, a frágil razão humana deve ser negada.
A doutrina da Ressurreição. Que o corpo sepultado, ou melhor, se desintegrando em mil pedaços – e as cinzas espalhadas sobre a terra – deve ressuscitar, está acima da frágil razão humana poder entendê-lo. Os epicuristas e estóicos ridicularizaram Paulo, quando lhes pregou sobre a ressurreição, Atos 17:22. Aqui a razão deve ser negada, João 5:28. “Não vos admireis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz e sairão!” – 1 Coríntios 15:42-43.
As doutrinas da fé não se opõem à razão, mas a transcendem!
A razão deve ser negada em DEVERES que devem ser praticados. Há muitos deveres na piedade, contra os quais a razão carnal luta.
Deus diz: “É a glória de um homem suportar ofensas” – Provérbios 19:11.
“Não!” diz a razão carnal”, isto é covardia!” Os pagãos pensam em bravura de espírito, para se vingarem de ofensas.
Deus diz que os caminhos da santidade são um mar de rosas. Provérbios 3:17 – “Os seus caminhos são caminhos de delícias”.
“Não!” diz razão carnal”, eles são severos e cínicos. Devo crucificar o meu prazer e minha alegria deve ser afogada em lágrimas!”
Deus diz que a piedade é recompensada. 1 Timóteo 6:8, “a piedade é grande fonte de lucro.” Ela traz contentamento em decorrência do favor de Deus. Ela traz riquezas temporais. Provérbios 03:16: “Em sua mão há riquezas e honra.” A maneira de ser próspero é ser piedoso.
“Não!” diz a razão carnal, “se eu seguir o comércio da piedade irei à falência!” Neste caso, a razão carnal deve ser negada e combatida.
2. Um cristão deve negar a sua VONTADE. Brugensis disse: “A vontade é a grande roda na alma que move todos os afetos.” A vontade, no estado de inocência era regular. Ela ecoava a vontade de Deus. Mas, desde a queda, no entanto, mantém a sua liberdade em ações morais – ainda que espiritualmente esteja corrompida. “Se a vontade pudesse deixar de pecar”, diz Bernard, “não haveria inferno.” A maior ferida repousa sobre a vontade. A bússola dos marinheiros, sendo acometida pelo trovão, faz com que a ponta da agulha aponte para a direção errada. A natureza do homem estando corrompida, faz com que a vontade aponte de modo errado; ela aponta para o mal. Há na vontade, não só a impotência, mas a obstinação. Atos 7:51: “Vocês sempre resistiram ao Espírito Santo.”
Aqui devemos negar a nossa vontade, e submetê-la à vontade de Deus. Se uma vara torta é colocada em cima de um solo nivelado, nós não tentamos amoldar o chão à vara, mas fazemos com que a vara se amolde a ele. Assim, a vontade de Deus não é para ser ajustada à nossa, mas a nossa vontade torta deve ser amoldada à vontade de Deus. Nós oramos, “Seja feita a Tua vontade”. A maneira de conduzir a nossa vontade, é negá-la.
3. Um cristão deve negar sua JUSTIÇA PRÓPRIA, suas moralidades, deveres, e boas obras. Filipenses 3:9: “Para que eu possa ser encontrado nele não tendo justiça própria.” A aranha tece uma teia de seu próprio corpo. Um hipócrita iria tecer uma teia de salvação de sua própria justiça. Mas Paulo, como a abelha, sugou a salvação a partir da flor da justiça de Cristo. Isaías 64:6: “Toda a nossa justiça é como trapo da imundícia”. Nossos melhores deveres estão cheios de pecado. Coloque o ouro no fogo e sai a escória. Nossos serviços mais dourados estão misturados com incredulidade. O anjo derramando fragrâncias doces para as orações dos santos – Apocalipse 8:03, mostra que elas são em si desagradáveis e precisam das doces fragrâncias de Cristo para perfumá-las.
Nunca devemos confiar em nosso deveres, mas apenas na justiça de Cristo para a salvação. A pomba de Noé usou suas asas para voar – mas confiou na arca para a sua segurança.
E, se devemos negar nossas coisas santas no ponto de justificação, então muito mais nossas civilidades e moralidades. Um caule pode ser finamente pintado – mas não ter raiz. Um homem pode ser pintado com a moral e ainda não ter a raiz da graça. Uma pessoa moral é apenas externamente lavada, não mudada internamente. A vida pode ser civilizada para os homens enquanto o coração é mau contra Deus; assim como o mar que pode estar calmo – mas sua água é salgada. O fariseu poderia dizer que ele não era adúltero – Lucas 18:11, mas ele não podia dizer que ele não tinha orgulho.
A pessoa moralista pode ter uma antipatia secreta contra a piedade. Ela pode odiar a graça, tanto quanto o vício. A moralidade é apenas um título rasgado para o céu. Um pedaço de latão pode brilhar, mas, sem a imagem do rei, não vai passar como moeda. Um homem pode brilhar com virtudes morais, mas sem a imagem de Deus que consiste na santidade, ele não vai passar como moeda no dia do julgamento. A moral é boa, mas Deus dirá: “ainda lhe falta uma coisa!” – Lucas 18:22. A moralidade é uma boa companhia para Jacó andar com os homens, mas é uma má escada para Jacó subir para o céu!
4. Um cristão deve negar toda AUTOCONFIANÇA. Quão confiante estava Pendleton em si mesmo: “Esta minha gordura se derreterá no fogo, para Cristo!” Mas em vez disso foi sua coragem que foi derretida.
A mesma palavra hebraica significa tanto confiança e insensatez.
A autoconfiança revela insensatez. Pedro presumiu demais de sua própria força: “Disse-lhe Pedro: Ainda que venhas a ser um tropeço para todos, nunca o serás para mim.” – Mateus 26:33. Mas quanto tempo ficou a sua confiança abalada e derrubada com uma ameaça de uma jovem! Mateus 26:71-72: “Ele negou com juramento, dizendo: Não conheço esse homem!”. Pedro negando a Cristo, foi o resultado de não negar a sua autoconfiança.
Romanos 11:20: “Não te ensoberbeças, mas teme.” A cana rachada frequentemente permanece quando o cedro confiante cai. Quem conhece a ferocidade de uma provação, ou a falsidade de seu coração – e que não temerá? Como é que alguns mestres brilharam como estrelas na igreja, e mesmo assim foram estrelas cadentes? Porfírio, Julian, Cardinal Pool, Gardener, Judas. Os apóstolos têm sido chamados por alguns dos antigos, por termos como “os olhos do mundo”, “pés de Cristo”, “seios da igreja.” Judas era um destes, mas um traidor.
Não, alguns dos santos, pela retirada das influências do Espírito de Deus, caíram por um tempo, como Cranmer e Orígenes, cujo coração desmaiou sob perseguição, e ele ofereceu incenso ao ídolo.
Negue a autoconfiança. 1 Coríntios 10:12: “Aquele que pensa estar em pé, tome cuidado para que não caia.” É justo para Deus, que aquele que confia em si mesmo, deva ser deixado a si mesmo! A videira sendo fraca, agarra-se ao carvalho para apoiá-la. Um bom cristão, estando consciente de sua própria fraqueza, agarra-se pela fé a Cristo. Filipenses 4:13, “Eu posso todas as coisas em Cristo que me fortalece.” A força de Sansão estava em seu cabelo. A nossa está na nossa cabeça, Cristo.

( 205 visitas )

Publicado em: 26/5/2014
Por: Silvio Dutra
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição – Rio de Janeiro – RJ
25dutra@gmail.com

Bíblia Virtual

Versão impressora

A Negação do Eu – Parte II
( 111 visitas )

Publicado em: 26/5/2014
Por: Silvio Dutra
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição – Rio de Janeiro – RJ
25dutra@gmail.com

Bíblia Virtual

Versão impressora

5. Um cristão deve negar o orgulho e a presunção. Jó 11:12, “o homem estúpido se tornará sábio.” No hebraico é “o homem vazio!” O homem é um pedaço orgulhoso de carne! Ele é capaz de ter uma opinião elevada de si mesmo. Atos 8:9: “Simão tinha sido um feiticeiro por muitos anos, afirmando ser alguém grande.” Sapor chamava a si mesmo “Irmão do Sol e da Lua”. Commodus o Imperador chamou a si mesmo de “O Hércules de Ouro.” Os reis persas obrigavam as pessoas a adorarem as suas imagens. Os tais se viam no espelho lisonjeiro do amor-próprio, pareciam maiores a seus próprios olhos do que de fato eram. Eles pensavam que a sua centelha era um sol! Eles pensavam que o seu filete de água era um oceano! Eles estavam altamente vaidosos da sua perspicácia, sua inteligência e habilidades, e estavam prontos para desprezar os outros.
Negue o autoconceito. Romanos 12:3, “Eu digo a todo homem que está entre vós, não pense de si mesmo além do que convém”. Provérbios 23:4 – “Deixe a sua própria sabedoria.” Ele não diz para cessar de ser sábio, mas de pensar de si mesmo como sábio, Provérbios 3:7 e Filipenses 2:3.
Para que você possa negar todos os pensamentos elevados, arrogantes de si mesmo, considere:
A presunção é um grande pecado. Crisóstomo a chama de “a mãe do inferno.” É uma espécie de idolatria, uma auto-adoração.
Por mais nobres que sejam os seus dotes, eles são emprestados. Como disse o homem do machado que caiu na água, 2 Reis 6:5: “Oh, meu mestre – era emprestado!” E o homem sábio estaria orgulhoso de uma joia que foi emprestada a ele? “O que te faz melhor do que os demais? O que você tem que Deus não lhe tenha dado? E se tudo que você tem é de Deus, por que se vangloria como se você tivesse feito alguma coisa de si mesmo?” – 1 Coríntios 4:7. A lua não tem motivos para se orgulhar de sua luz para a qual ela está em dívida com o sol.
Seja qual for a agudeza de engenho, ou sagacidade de juízo que você tenha – pense a quão pouco você chegou. Quão longe você está do conhecimento que Adão tinha na inocência? Ele era o oráculo da sabedoria. Ele poderia desbloquear o armário escuro da natureza e descobrir os segredos que nos desorientam. Adão teve uma completa compreensão sobre a causa das coisas. Ele era uma espécie de anjo terrestre.
Quão longe você está do conhecimento daqueles que estão aperfeiçoados em glória? Alguém que seja maior do que um anão pode ser menor do que um gigante. Por mais que sejam excelentes em habilidades naturais – são de uma estatura menor do que os santos glorificados. 1 Coríntios 13:12, “Nós vemos por espelho em enigma”. Mas os santos em êxtase têm uma visão completa de Deus. Sua luz que queimava aqui como um fogo sufocado – agora queima numa chama pura. Um jovem cristão glorificado, sabe mais do que os teólogos mais profundos na terra.
A graça nunca pode prosperar onde o orgulho e a presunção crescem. Como um corpo com câncer não pode prosperar, assim também a alma que está cancerosa com orgulho e presunção não prospera. A cabeça orgulhosa – torna estéril o coração!
A presunção (autoconceito) arrogante é odiosa, e muito diminui qualquer valor em uma pessoa. É como uma grande falha em um diamante. Quanto mais se valoriza a si mesmo, menos Deus e os anjos o valorizam. Deixe uma pessoa ser eminente – e ainda, se ela é autoconvencida, ela não é amada por ninguém. Ela é como um médico que tem uma praga contagiosa. Embora ele possa ser admirado por suas habilidades ninguém deseja chegar perto dele.
O Senhor frequentemente permite que pessoas vaidosas caiam, não só abominavelmente, mas finalmente. “As pombas”, diz Plínio, “se orgulham de suas penas, e ao voarem, elas sobem tão alto que por fim se tornam presas para o falcão!” Então, quando os homens voam alto no autoconceito, tornam-se presas do príncipe da potestade do ar!
Que tudo isso, nos faça negar o nosso orgulho; que mate o verme da vaidade. Se nós estamos orgulhosos do nosso conhecimento – o diabo não se importa o quanto saibamos. Que Paulo seja o nosso padrão. Embora ele fosse o principal dos apóstolos, ele diz, “Eu sou o menor de todos os santos” – Efésios 3:8. “Eu nada sou.” – 2 Coríntios 12:11. Este ilustre apóstolo, uma estrela de primeira grandeza, considerava-se como nada aos seus próprios olhos. É excelente ser como Moisés, cujo rosto tinha um brilho sobre ele, mas “ele não estava ciente de que seu rosto estava brilhando.” – Êxodo 34:29.

6. Um cristão deve negar o seu APETITE. O apetite voraz grita: “Dá, dá!” – Provérbios 30:15. Paulo esmurrava seu corpo – 1 Coríntios 9:27. Mais são os prejudicados por excesso de coisas lícitas – do que pelo envolvimentos com coisas pecaminosas. Mais são os mortos por vinho – do que por veneno. Muitos fazem do seu ventre o seu deus – Filipenses 3:19. E para esse deus, eles derramam suas libações! Clemente de Alexandria escreve de um peixe cujo coração está em sua barriga. Este é um emblema dos epicuristas, cujo coração está em seu ventre; eles são dedicados a seu apetite! Excesso de comida ou de bebidas embotam a mente, bloqueiam as santas afeições, e provocam a luxúria. As ervas daninhas mais vis crescem no solo mais fértil. A intemperança encurta a vida – assim como muito óleo apaga o pavio da lamparina. Muitos cavam seus túmulos, com seus dentes! Cristo advertiu Seus Apóstolos, Lucas 21:34: “Acautelai-vos por vós mesmos, para que nunca vos suceda que o vosso coração fique sobrecarregado com as consequências da orgia, da embriaguez e das preocupações deste mundo,”. Sêneca poderia dizer que ele nasceu para as coisas mais elevadas, do que ser um escravo de seu corpo. Que vergonha é – que a alma, que é a parte principal, que é a balança e o cetro da razão, e que é semelhante aos anjos, deva ser escravizada à parte bruta! Negue os desejos pecaminosos da carne. O que Deus tem dado para a consciência, senão que seja um freio de ouro para checar o apetite desordenado!
7. Um cristão deve negar o seu CONFORTO. Provérbios 1:32 – “aos loucos a sua impressão de bem-estar os leva à perdição.” A carne é propensa à preguiça e ao conforto. É relutante em se esforçar para o céu. Provérbios 19:24: “O preguiçoso esconde a sua mão no seu seio.” Ele é relutante em retirá-la – ainda que seja para segurar uma coroa! Ervas daninhas e vermes crescem na terra não cultivada, e todos os vícios crescem num coração ocioso. Como eles podem esperar colher uma colheita de glória se nunca semearam qualquer semente? Satanás é tão ocupado em sua diocese, 1 Pedro 5:8, e são os cristãos ociosos? Eles são como os lírios – que não tecem e nem fiam? Oh neguem suas facilidades! Sêneca dedicou-se ao trabalho e passava parte da noite em estudo. Haníbal forçou seu caminho ao longo dos Alpes e rochas escarpadas. Precisamos forçar o nosso caminho para o paraíso. Vamos sacudir a preguiça – como Paulo fez com a víbora!
Nunca pensem em ser levados ao céu como os passageiros em um navio que se dirigem a seus portos – enquanto dormem! 1 Crônicas 22:16 – “Dispõe-te, pois, e faze a obra”.
8. Um cristão deve negar a POLÍTICA carnal. Essa é a sabedoria da carne, 2 Coríntios 1:12. Política carnal é ofício. O político não consulta o que é melhor para o país, mas qual é a política mais segura para si mesmo. O político é feito de salgueiro; ele pode ficar do lado de todas as partes; sua religião é cortada de acordo com a moda da época; ele pode curvar tanto para o leste quanto para o oeste. O zelo pela verdade é apagado do credo do político. Sir Thomas More disse que ele não iria seguir a verdade muito perto do calcanhar – a menos que ela não fugisse do seu cérebro. Ele é julgado por alguns uma parte da política sábia, por não se declarar contra o erro por medo de perder uma parte.
O político é um latitudinariano. Ele pode ir para todos os sentidos. As asas da avestruz a ajudam a superar as outras criaturas. A política pecaminosa faz os homens correrem mais do que eles podem, das consciências mais puras. Em suma, o político é como um camaleão, que pode transformar-se em todas as cores – e ser da mesma mente como são seus companheiros. Ele pode ser grave ou suave.

Admito que prudência cristã é recomendável, mas a serpente (sagacidade) não deve devorar a pomba inofensiva.

Essa política é injustificável, a que ensina as pessoas a evitarem o dever. Negar a política carnal; se atrever a ser honesto. A melhor política é a de agarrar-se à honestidade e à integridade.
9. Um cristão deve negar sua ira desmedida. Tiago 1:26: “Se alguém dentre vós parece ser religioso, e não refreia a sua língua, a religião desse é vã.” Cada membro do corpo está infectado com o pecado, como todos os ramos do absinto são amargos; mas a língua é cheia de veneno mortal, Tiago 3:8. Agostinho compara a língua a uma fornalha, e muitas vezes faíscas de raiva saem dela! O Espírito Santo desceu uma vez em forma de línguas de fogo, Atos 2:3. Mas o apóstolo Tiago fala de uma língua que está no fogo do inferno, Tiago 3:6. Alguns não conseguem dominar o seu próprio espírito, mas são levados por suas paixões como uma carruagem com cavalos selvagens. “Muitos”, disse Jerônimo, “que não se embriagam com vinho, serão tragados com a erupção da raiva.” Eclesiastes 7:9 – “A ira repousa no seio dos tolos!” A raiva pode estar em um homem sábio, mas ela repousa em um tolo. Há, eu sei, uma ira santa contra o pecado, mas a fúria da raiva é a escória que ferve de um coração destemperado! A ira perturba a razão, e torna uma pessoa imprópria para os deveres sagrados.
Oh cristãos, neguem-se! Orem para que Deus estabeleça um vigia diante de seus lábios, Salmo 141:4. Trabalhem para apagar o fogo da ira, com uma enxurrada de lágrimas! Isto é recordado do Sr. John Bruen, no condado de Chester, que, sendo naturalmente de um espírito precipitado – ainda assim conseguia vencer as suas paixões, e ficava tão manso e calmo que a sua própria natureza parecia ter sido muito alterada. A graça faz às paixões o que Cristo fez ao mar quando estava tempestuoso. Ele disse: “Paz, aquieta-te.” E houve uma grande bonança. A graça transforma a ferocidade do leão na mansidão da pomba!
10. Um cristão deve negar as MODAS pecaminosas. Romanos 12:2 – “E não vos conformeis a este mundo.” Ou seja, não vos conformeis com as modas. Se os antigos cristãos saíssem das suas sepulturas – nossas novas modas poderiam assustá-los para voltarem de novo aos seus túmulos!
Oh neguem-se! 1 Timóteo 2:9: “Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso,”. Deixe o homem interior do coração, ser embelezado e adornado com graça.

A Negação do Eu – Parte III
( 71 visitas )

Publicado em: 26/5/2014
Por: Silvio Dutra
Igreja Orgânica de Jesus na Abolição – Rio de Janeiro – RJ
25dutra@gmail.com

Bíblia Virtual

Versão impressora

11. Um cristão deve negar seus próprios OBJETIVOS. Ele não deve olhar com um olho de piedade e visar a si mesmo com o outro olho. Ele não deve visar ao auto-enriquecimento e auto-aplauso.
Ele não deve visar ao auto-enriquecimento . Alguns defendem o evangelho apenas para fins de ganho próprio. Eles cortejam essa rainha, não por sua beleza, mas por suas joias! Não é o fogo do altar que eles consideram – mas o ouro do altar! 1 Timóteo 6:5: “Eles pensam que a piedade é fonte de lucro.” Camero, uma francesa de Bordeaux, relata a história de um Santangel, um advogado, que se tornou protestante apenas com interesses mundanos, para que ele pudesse ficar rico.
Judas pregava e fazia milagres, mas sua atenção estava principalmente sobre a bolsa de dinheiro. Como muitos ministros amontoam benefício sobre benefício, cuidando do velo mais do que do rebanho! Cães mudos (isto é, aqueles que têm medo de falar a verdade por medo de que eles possam ofender os ricos) são cães gulosos. “Os seus atalaias são cegos, nada sabem; todos são cães mudos, não podem ladrar; sonhadores preguiçosos, gostam de dormir. Tais cães são gulosos, nunca se fartam; são pastores que nada compreendem, e todos se tornam para o seu caminho, cada um para a sua ganância, todos sem exceção.” – Isaías 56:10-11. Estes fazem uso da função ministerial, apenas como uma rede para apanhar a torpe ganância. Isto é, para profanar as coisas sagradas. É sórdido e indigno para um cristão, fazer da piedade um alvo de interesse secular.
Um cristão não deve visar ao auto-aplauso. “Guardai-vos de exercer a vossa justiça diante dos homens, com o fim de serdes vistos por eles; doutra sorte, não tereis galardão junto de vosso Pai celeste.” – Mateus 6:1. Eles oravam e davam esmolas – para que pudessem ser vistos pelos homens. O óleo da vanglória alimentou a sua lâmpada! Versículo 5: “Em verdade eles já tiveram a sua recompensa.” Eles podem escrever: “recebido em pagamento integral.” É uma frase de Spanhemius, que há em cada homem, por natureza, uma medida de farisaísmo, uma busca da glória e aplausos do mundo. “Praticam, porém, todas as suas obras com o fim de serem vistos dos homens; pois alargam os seus filactérios e alongam as suas franjas. Amam o primeiro lugar nos banquetes e as primeiras cadeiras nas sinagogas, as saudações nas praças e o serem chamados mestres pelos homens.” – Mateus 23:5-7.
Lutero confessou que, embora ele nunca fosse tentado com a cobiça – ele era, por vezes, com vanglória!
Um bom objetivo não vai tornar uma má ação em boa, mas um objetivo ruim vai tornar uma boa ação ruim.
Alguns navios que escaparam das rochas, foram destruídos nas areias. Muitos dos que escaparam das rochas de escândalos grosseiros foram destruídos nas areias da auto-glorificação.
Ser estimado na igreja de Deus é uma bênção. Hebreus 11:2 – “Pela fé, os antigos alcançaram bom testemunho.” Grande parte da honra da piedade depende do crédito daqueles que a professam. Mas o pecado acontece quando a auto-aplauso é a única coisa buscada afinal. O aplauso popular é a flecha de ouro que reluz ao olho, mas que fere o coração. Quantos foram soprados para o inferno com o sopro do aplauso popular.
Oh neguemo-nos, sim, abominemos esse temperamento de vanglória. Temos um exemplo santo em João Batista, que procurou exaltar a Cristo e rebaixava a si mesmo. João 1:15, “Aquele que está vindo é muito maior do que eu.” É como se ele tivesse dito “eu sou, senão o arauto, a voz do que clama Cristo, que vem depois de mim, é o Príncipe. Eu sou apenas a estrela da manhã, Ele é o sol. Eu batizo apenas com água, Ele, com o Espírito Santo. Assim, ele coloca a coroa de honra sobre a cabeça de Cristo.
Que este seja o nosso principal objetivo – que possamos crescer mais no amor a Deus e nos tornarmos mais semelhantes a Ele, ter mais comunhão com Ele, e trazer mais honras renovadas para Ele. 1 Pedro 4:11 – “para que em todas as coisas, Deus seja glorificado.” Devemos fazer tudo para a exclusiva glória de Deus. Como todos os rios correm para o mar, todas as nossas ações devem correr para Deus, o Oceano infinito!
12. Um cristão deve negar toda IMPIEADE. Tito 2:11-12: “Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente,”. Os turcos dizem no seu Corão – que Deus não deu aos homens desejos lascivos para serem frustrados. A escritura não dá licença para pecar. Ela nos convida a negar as concupiscências ímpias. Um cristão deve negar sua malícia, vingança, a cobiça, a impureza, a superstição, e heterodoxia. Um homem pode muito bem ir para o inferno por uma opinião – assim como por uma vida cheia de vícios. E deixe-me especialmente citar dois pecados que o cristão deve negar:
Um cristão deve negar o pecado de censura ácida. Tiago 4:11, “Não fale mal uns contra os outros.” Alguns fazem uma parte de sua religião criticar os outros. Você vai ouvi-los dizer: “Tal pessoa é orgulhosa, facciosa, e hipócrita”. Tiago 4:12 – “Quem é você para julgar o outro?” Agostinho não podia suportar que alguém detratasse o bom nome dos outros.
A raiz da censura é o orgulho. A pessoa pensa que, ao tomar algo da reputação de outros, ele deve acrescentar algo para si mesmo. Mas deixe aquele que se eleva sobre a ruína de outros a sua fama, ser avisado. Você acha que não é pecado matar um homem em seu nome? Você que é tão crítico, é para ser temido que você espie todas as falhas, menos as suas!
Oh cristão, olhe para o seu interior. Se você visse mais seus próprios pontos no espelho da Palavra, você não estaria tão pronto para jogar a pedra da censura em outros.
Um cristão deve negar seu pecado predileto. Salmo 12:23: “Eu guardei-me da minha iniquidade.” Como há uma abelha rainha na colmeia, há naturalmente, um pecado mestre no coração. Isso deve ser negado. O diabo pode prender um homem rapidamente por um pecado. Um carcereiro pode prender rapidamente um prisioneiro por um grilhão. Um pecado é suficiente para parar a corrente de misericórdia. Um pecado pode condenar, tanto quanto uma pedra de moinho é o suficiente para afundar um homem no mar. Se houver algum desejo que não possamos negar, isto será uma raiz de amargura ou de escândalo ou apostasia.
13. Um cristão deve negar seus RELACIONAMENTOS. Lucas 14:26 – “Se alguém vem após mim e não aborrece a seu pai e mãe e esposa e filhos, ele não pode ser meu discípulo.” O significado é, quando as relações carnais estão em competição com Cristo, ou ficam em oposição a Cristo, devemos aborrecê-las. Quando os nossos amigos se tornam armadilhas, e impedimentos para o nosso dever, devemos evitá-los! Aqui está a fé em Deus. “Se a minha mulher”, disse Jerônimo, “se pendurasse sobre o meu pescoço, e me convencesse a negar a Cristo, eu deveria romper com ela e fugir para a cruz!” Quando Pedro agiu como um tentador, Cristo disse: “Para trás de mim, Satanás”.
14. Um cristão deve negar sua condição para Cristo. Um coração carnal irá elogiar e professar a Cristo, mas não terá qualquer participação nEle. O jovem rico citado no evangelho de Cristo era ouvinte , mas não Seu seguidor . Como alguém disse: “Ele tinha desejos celestiais – mas um apetite terreno”. Quando Cristo lhe disse: “Vende tudo o que tens e dá aos pobres”, retirou-se triste – Mateus 19:22. Quando as riquezas estão unidas com um coração ruim, elas fazem muito mal. O mundo estava mais perto do coração do jovem do que Cristo.
15. Um cristão deve negar a sua vida por Cristo. Isto está, no texto, “Tome a sua cruz.” Sofrer por Cristo deve ser voluntário e espontâneo. Aquele que sofre contra sua vontade – suporta a cruz; aquele que sofre voluntariamente – toma a cruz.
“Todos os que viverem uma vida piedosa em Cristo Jesus serão perseguidos.” – 2 Timóteo 3:12. O diabo não tem ficado mais gentil. “Seu inimigo, o diabo, anda em derredor, como leão que ruge, procurando alguém para devorar!” – 1 Pedro 5:8.

Alguns pensam em reinar com Cristo, mas não em sofrer com Cristo.
A carne clama: a cruz é dolorosa! Há cravos na cruz que me rasgam!
Mas a nossa própria vida deve ser negada, sim, odiada por amor a Cristo. Lucas 14:26 – “Se alguém vem a mim e não odeia pai e mãe e sua própria vida, não pode ser meu discípulo.” O amor por Cristo deve superar a vida. Apocalipse 12:11 – “Eles não amaram as suas vidas até a morte.” Paulo levou a imagem de Cristo em seu coração como um santo, e a mensagem de Cristo em seu corpo como um mártir – Gálatas 6:17. Os valorosos cristãos primitivos tiveram tantos tormentos quanto tantas coroas, e se contentavam em derramar o seu sangue por Cristo, sabendo que iriam trocar suas vestes sangrentas – por brancas. O profeta Isaías foi serrado ao meio. Jeremias foi morto por apedrejamento. Amós foi morto com uma barra de ferro. Lucas foi enforcado em uma oliveira.
Eu li que Irineu foi levado para um lugar onde a cruz foi fixada de um lado e um ídolo no outro. Foi-lhe dada uma escolha: quer se curvar ao ídolo ou sofrer na cruz. Ele escolheu a segunda opção.
Basílio fala de uma virgem rica condenada ao fogo. Foi-lhe oferecido a sua vida se ela se curvasse a uma imagem. Ela respondeu: “Deixe a vida e o dinheiro irem; escolho a Cristo!”
Apesar de tudo o cristão não é realmente um mártir – ele ainda tem uma preparação de espírito, e está pronto para sofrer, se Deus o chamar. Lutero disse que preferia ser um mártir do que um monarca. Vamos, então, tomar a cruz.
Podem homens ímpios se contentarem em sofrer por seus desejos carnais, e não devemos sofrer por Cristo? Estamos olhando para os nossos sofrimentos como um distintivo de honra. Se recebermos honra quando somos censurados por causa de Cristo, tanto mais havemos de recebê-la quando morrermos por ele. 1 Pedro 4:14: “Se, pelo nome de Cristo, sois injuriados, bem-aventurados sois, porque sobre vós repousa o Espírito da glória e de Deus.” Nossos sofrimentos por Cristo propagam piedade. Paulo ao ser preso fez o evangelho se espalhar mais – Filipenses 1:12. Justino Mártir foi convertido à fé por contemplar a paciência heróica e coragem dos cristãos em seus sofrimentos.
A cruz leva à coroa . 2 Timóteo 2:12 – “Se sofrermos com Ele, também com Ele reinaremos”. Quem não estaria disposto a se aventurar no mar, apesar de áspero e tempestuoso, se estivesse certo de ser coroado assim que desembarcasse? Perseguidores podem tirar de nós os nossos bens, mas não o nosso Deus. Eles podem tirar a nossa liberdade, mas não a nossa liberdade de consciência. Eles podem tirar a nossa cabeça, mas não a nossa coroa! Apocalipse 2:10.
Aquele que não pode negar a sua vida por Cristo, nega a Cristo. E aquele que se envergonha de Cristo, Cristo se envergonhará dele. Marcos 8:38: “Aquele que se envergonhar de mim e das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora, o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os Seus santos anjos.”

Texto de Thomas Watson, traduzido, reduzido e adaptado pelo Pr Silvio Dutra.

Tags: