Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Shalom a todos os irmãos sinceros, espalhados pelo mundo. Esta é uma verdade que poucos sabem sobre Martinho Lutero (o fundador da Igreja Luterana e um dos precursores da “Reforma Protestante”,) e  sobre todos os pais da Igreja Cristã que perseguiam os Israelitas que seguiam a Torah.

Todos os crentes evangélicos sinceros, por não conhecer toda a história destes homens, chamaram-nos de “grandes reformadores”, entre os mais famosos, Martinho Lutero! Lutero foi um sacerdote católico da Igreja Romana, e seguiu tudo o que aprendeu da Igreja Cristã Romana e do Catecismo Romano, cujas doutrinas estão relatadas nas bíblias Gregas corrompidas, que advogam a trindade, o antinomianismo, e nas quais consta que o verdadeiro nome do messias de Israel, é “Jesus Cristo” e não “Yeshua haMashiach” (Yeshua, o Messias). A grande maioria das pessoas dirá: “quem é esse? Nunca ouvi falar desse nome” .

Em Actos dos Apóstolos 26:14, nos originais em hebraico e aramaico, esta questão do nome responde definitivamente a esta questão!

“E, caindo nós todos por terra, ouvi uma voz que me falava, e em língua hebraica dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões. E disse eu: Quem és, Senhor? E ele respondeu: Eu sou Yeshua, a quem tu persegues;”

Em todas as versões gregas mal traduzidas e adulteradas, os falsos tradutores Romanos afirmam que o nome em “hebraico” no verso 15 é “JESUS!” Mas todos nós que conhecemos a Igreja Cristã, sabemos que o nome de Jesus é o nome grego-latino-aportuguesado do verdadeiro nome do Mashiach! Qualquer pessoa consciente entenderá que isso é uma fraude textual anti-semítica, já que negam a raiz hebraica da fé, e negam o verdadeiro Mashiach, o Filho de YHWH, Yeshua, o judeu, o zelador da Torá.

No mesmo livro de Actos é dito que em nenhum outro nome há salvação, mas perguntamos, em que nome? O grego ou hebraico? Talvez isso não seja o ponto fundamental, pois certamente que somos conscientes também para saber que mais importante que o nome, é a pessoa que associamos a esse nome, certamente que não é errado usarmos o nome de Jesus se associarmos esse nome ao Filho de YHWH, aquele que veio ensinar a Torá, e plenificá-la, ao invés de anulá-la. Infelizmente, essa associação não acontece, já que o grosso do cristianismo considera que Jesus é Deus na carne, e que a graça invalida a Torá, logo estamos livres da Lei. Um aparte, as leis da qual estamos livres ao aceitarmos Yeshua, é aquela que falava contra nós, a Lei do pecado, a as leis dos homens (tradições) que foram acrescentadas à lei, que a tornaram pesada. Mas continuando; nós optamos por usar o nome Yeshua, essencialmente porque sabemos que esse é o seu nome verdadeiro, e para fazer a distinção entre quem foi Yeshua e a pessoa que é associada ao Jesus Romano.

Nenhum de nós duvida que a salvação é pela graça, longe de mim querer afirmar o contrário, pois as escrituras são claras ao dizer que a Torá não aperfeiçoou coisa alguma (Heb. 7:19), no entanto, sobre este texto de Hebreus, não é porque a Torá seja imperfeita, antes pelo contrário (Sl. 19:7), mas porque devido à dureza dos nossos corações e a tendência para praticar o mal (Yetzer hara), foi necessário o sacrifício de um justo que não pecou para fazer expiação por todo aqueles que Nele crêem.

Mas crer em Yeshua, é um processo faseado, que implica reconhecer que somos pecadores, arrependermo-nos dos nossos pecados, e após o baptismo, nascermos como novas criaturas, e o ser nova criatura, implica uma vida de submissão e de amor incondicional a YHWH e uma fica voltada para Ele e focada nEle. Isto é, viver uma vida desviada do pecado, e isso implica atentar para a Sua instrução (Lei/Torah). Muitos alegam que a Graça anula a Lei, mas quem defende isso, defende também que podemos pecar deliberadamente e mesmo se o fizermos, somos salvos pela graça, já que o pecado é a transgressão da Lei, e como a Lei não interessa mais, podemos transgredi-la sem qualquer problema porque estamos salvos por Jesus…!!! Essa ideia não só é ridícula como também é satânica.

Nós somos sem dúvida salvos pela graça, mas porque Yeshua pagou um preço alto pelas nossas transgressões, atentamos para a Lei para andarmos segundo a instrução de YHWH, e fazêmo-lo não para obter a salvação, mas sim pela fé que opera por amor. Resumindo, devemos observar a Lei não para sermos salvos, mas para agradar ao Eterno, mas por amor a Ele, já que a própria Lei é uma manifestação do amor do Todo-Poderoso para com a Sua criação; daí surge a pergunta, qual é o Pai que não deseja o melhor para os seus filhos? A ciência prova a cada dia que a instrução de YHWH tem reflexos bastante positivos na vida humana, nomeadamente a nível de saúde, como é o caso das leis alimentares, e o descanso semanal.

Vemos que YHWH deu-nos mandamentos, estatutos e juízos para que saibamos como caminhar. Ele sabia que, devido à tendência do homem para praticar o mal, certamente seria difícil para ele caminhar rectamente, não porque o mandamento seja difícil, mas unicamente devido à perversidade do coração humano, como tal, é exactamente na nossa imperfeição que a graça de Yeshua nos preenche, tornando-nos dignos onde jamais seríamos, mas daí até dizer que a Lei é inútil, vai de um extremo ao outro, pois quem afirma isso, não só despreza a Lei do Eterno, como ignora o sacrifício de Yeshua. Terá derramado ele o seu sangue em vão? Ele fê-lo para que nos voltássemos para o Eterno, não para continuarmos de costas voltadas isto é, ignorando a sua Lei/Torá. Leia o estudo da Analogia da Torah e da Graça, clicando AQUI.

Para quem não é religioso e quer aprender as escrituras sem partidarismos, e sem ter vergonha de professar que a salvação veio do Yeshua Judeu, e não dos Jesus Romano, jamais terá vergonha de pronunciar o único nome verdadeiro do Messias de Israel o qual ele recebeu quando foi circuncidado no oitavo dia. Muitos sinceros de coração, sem conhecimento dessa verdade, defendiam o nome greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo, e falaram desse nome a muitas pessoas e as ensinaram a amar esse nome, porque não tinham conhecimento das raízes semíticas das escrituras, e do hebraísmo das escrituras. E nas Igrejas que passaram, foram perseguidos e difamados por observarem algumas partes da Torah, e a maioria dos críticos diziam que a Torah era maldita? Foram ensinados pelos doutores indoutos das Escolas Dominicais, que todas as escrituras da Brit Chadasha (Nova Aliança, mas conhecido como “Novo Testamento”) foram escritas no Grego e que o nome do Messias era em Grego. Esta é a grande mentira que Roma passou a todo o Cristianismo e para a humanidade, que o messias tem um nome grego, que nasceu em 25 de dezembro que na verdade representa o nascimento do deus-sol Mitra, um Jesus que faz parte de uma Trindade Cristã, a segunda pessoa dessa trindade, e que criou um nova Religião chamada Igreja, e se intitula de “ISRAEL ESPIRITUAL” no lugar do verdadeiro ISRAEL. Todas estas mentiras precisam de ser desmascaradas o mais rapidamente possível, por pessoas que meditam nas escrituras de dia e de noite.

Abaixo, veremos várias provas do anti-semitismo Romano do Cristianismo (Católico e Evangélico) em relação ao verdadeiro messias de Israel; que nasceu em Bet Lechem-Belém; frequentava as Sinagogas; escolheu doze discípulos Israelitas e não Romanos; que obedecia à Torah, e que veio resgatar as ovelhas perdidas da casa de de Israel (as doze tribos dispersas), às quais se têm vindo a ajuntar ovelhas de outro aprisco que abraçam a mesma fé de Israel (Zc. 8:23; Mat. 15:24; Jo. 10:16;). Este de quem vos falo, é Yeshua haMashiach.

POSIÇÕES E DECLARAÇÕES DOS PAIS DA IGREJA CRISTÃ CONTRA OS JUDEUS (Antes da reforma protestante)

Eusébio: Disse que os Judeus costumavam matar as crianças dos cristãos nas cerimônias anuais. “As escrituras judaicas são destinadas aos cristãos e não aos Judeus”.

Marcion: Qualquer cristão que utilizasse um símbolo judaico, “um nome judaico”, (foi aqui que o nome pagão greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo foi criado) ou realizasse qualquer celebração judaica, seria considerado cúmplice da morte de Cristo juntamente com os Judeus.

Crisóstomo (bispo de Antioquia escreveu oito sermões contra o povo judeu): “As sinagogas são zonas de meretrício e teatro, cheio de ladrões e bestas selvagens. Os Judeus são culpados da morte de Cristo”. “Não há expiação para o povo judeu.         Deus sempre os odiou. Os cristãos devem odiá-los porque eles foram assassinos de Cristo e são adoradores de satanás”.

Justino-Mártir: Acusou os Judeus de iniciarem a matança de cristãos. “Se alguém, por fraqueza de espírito, resolver observar as instituições como foram entregues a Moisés, e das quais esperam alguma virtude, mas que julgamos terem sido indicadas em razão da dureza dos corações, juntamente com sua esperança neste Cristo, e desejarem cumprir os eternos e naturais actos de justiça e piedade, mas optam por viver com os cristãos e os fiéis conforme declarei anteriormente, não os introduzindo a serem circuncidados como eles próprios, ou a observarem o Shabat, ou a observarem qualquer outra cerimónia, sou da opinião que não devemos reunir a eles e não associarmos a eles em todas as coisas, como parentes e irmãos.”

Orígenes: Acusou o povo judeu, dizendo que eles conspiravam para matar os cristãos.

Hilary-de-Potiers: Disse que os Judeus eram um povo perverso, amaldiçoado por Deus.

Ephraim: Difamava os Judeus chamando de prostíbulos as suas sinagogas.

Cyril:  Deu aos Judeus a escolha de exílio, apedrejamento ou conversão.

Jerónimo (Tradutor-da-Vulgata): Disse que os Judeus não são capazes de compreender as escrituras e devem ser perseguidos severamente até serem forçados a confessar a verdadeira fé. Foi ele que pela 1ª vez inventou o nome Jesus.

Agostinho: “Os Judeus e a nação de Israel são apenas testemunhas da verdade do cristianismo, serviram apenas para deixar o legado da fé e da verdade cristã. Agora deveriam estar em constante humilhação quanto ao triunfo da igreja sobre a sinagoga. Não há salvação para os Judeus. Eles já estão perdidos de qualquer forma.” “O judaísmo é uma corrupção e os Judeus devem ser escravizados”.

Tomás-de-Aquino: Perpetuou a perversa teoria de St. Agostinho.

Todas as provas acima, ensinam que o Cristianismo criado em Roma, e passado aos evangélicos, é, e sempre será o grande perseguidor do povo do messias de Israel que segue a Torah e toda as Escrituras nos originais em hebraico e não em Grego. Os apóstolos jamais aceitaram um messias romano e uma religião cristã, eles jamais aceitariam outro messias que não fosse o profetizado por todos os Israelitas em todos os livros proféticos do Tanach (Antigo Testamento), se não fosse o Messias de Israel. Pois a salvação veio dos judeus e não da Roma Papal ou das suas filhas!

Até ao concílio de Nicéia , a Páscoa cristã era celebrada ao mesmo tempo que a Pascoa judaica, dado que Yeshua tinha sido sacrificado no dia da Páscoa judaica. No entanto o ódio de Constantino aos judeus (segundo relato do seu historiador predilecto, Eusébio Livro V Cap XXIII e seg) levou-o a decretar que a Páscoa cristã passasse a ser celebrada no primeiro domingo da lua cheia  após o equinócio da Primavera, sistema que se manteve até 1582, altura esta em que os calendários oriental e ocidental divergiram. http://pt.wikipedia.org/wiki/Primeiro_Conc%C3%ADlio_de_Niceia

Na sequência do exposto, há quem diga que Eusébio também relatou que para ser diferente dos judeus, a Páscoa iria sempre calhar no domingo a seguir ao dia da Páscoa Judaica do calendário rabínico.

Na Reforma Protestante

Lutero: “Os cristãos devem queimar as sinagogas e os Judeus. Devem tirar os livros e os Talmudes deles, pois esses contém somente mentiras e blasfêmias. Devem ameaçar de morte os rabinos que ensinam isto. Devem proibir os Judeus de viajar. Devem obrigar os Judeus a trabalhar em serviço manual e não adquirirem profissão”.

“Os Judeus são arrogantes, teimosos e de coração de ferro como os demónios”.(Martinho Lutero, “On the Jews and Their Lies” (1543), Traduzido por Martin H. Bertram, editado por Franklin Sherman, vol.47, pp. 121-306, em Luther’s Works, de Jaroslav Pelikan e Hehnut T. Lehmann ( Filadelfia,.Fortress Press e St. Louis, Concórdia Publishng House, 1962-1974).) Abaixo um enxerto das pg. 268-278:

“Que faremos, nós cristãos, com este povo rejeitado e condenado, os Judeus?”. “…Vou dar-lhes o meu conselho sincero: primeiro, atear fogo às suas sinagogas, em honra ao nosso Senhor e à cristandade, de modo que Elohim veja que somos cristãos… Aconselho que as suas casas sejam arrasadas e destruídas…Aconselho que os seus livros de orações e escritos talmúdicos lhes sejam arrebatados…Aconselho que seus rabinos sejam proibidos de ensinar, sob pena de perderem a vida e serem mutilados…Acreditamos que o nosso Senhor Jesus Cristo dizia a verdade ao falar sobre os Judeus que não O aceitaram e O crucificaram: ‘Sois uma raça de víboras e filhos do demônio…’”. Li e ouvi muitas histórias relativas aos Judeus que estão de acordo com este juízo de Cristo. Isto é: que envenenaram poços, assassinaram, sequestraram crianças… Ouvi dizer que um judeu mandou a outro judeu por intermédio de um cristão, um recipiente cheio de sangue, juntamente com um barril de vinho no qual depois de bebido até o fim, encontrou-se um cadáver de um judeu.”

EXTRAÍDO DA CONFISSÃO DE CONVERSÃO DE UM JUDEU AO CRISTIANISMO

“Eu, aqui e agora, renuncio a todo rito e observância da religião judaica, detestando todas as suas mais solenes cerimônias e dogmas, os quais outrora eu guardei e mantive. No futuro, eu não praticarei nenhum rito ou celebração relacionada com essa religião, nem qualquer costume do meu erro passado, prometendo não busca-la ou cumpri-la…

[Eu] prometo nunca retornar ao vômito da superstição judaica. Nunca mais eu realizarei nenhum dos ofícios das cerimônias judaicas as quais eu fui ligado, nem nunca mais as apreciarem. [Eu] evitarei todo relacionamento com outros Judeus, e manterei meu círculo de amizades entre apenas outros cristãos. [Nós não] nos associaremos com os Judeus amaldiçoados, que se mantém sem baptismo…Nós não praticaremos a circuncisão carnal, ou celebraremos a páscoa, os shabats, ou outros dias de festas relacionadas com a religião judaica…Com relação a carne de porco, prometemos observar a seguinte regra: De que se devido a um antigo costume, não somos capazes de comê-la, não iremos por melindre ou erro, recusar as coisas que são cozidas com ela… E se em todos os pontos tratados acima fomos achados culpados de qualquer forma… [então] aqueles entre nós que forem achados culpados, ou perecerão pelas mãos de nossos companheiros, por fogueira ou apedrejamento ou, [se nossas vidas forem poupadas], perderemos imediatamente nossa liberdade, e vocês nos entregarão juntamente com toda nossa propriedade a quem lhes convier para a escravidão perpétua…

[Eu] renuncio a toda adoração dos hebreus, à circuncisão, todos os seus legalismos, pão não levedado, a páscoa, o sacrifício de cordeiros, as festas das semanas, os jubileus, as trombetas, a expiação, os tabernáculos, e todas as outras festas hebraicas, seus sacrifícios, orações, aspersões, purificações, expiações, jejuns, shabats, luas novas, comidas e bebidas. E [eu] renuncio a todo costume e instituição das leis judaicas… Numa palavra, eu renuncio a absolutamente tudo o que é judeu…Juntamente com os antigos, eu excomungo também os rabinos chefe e os novos doutores malignos dos Judeus…Se eu me desviar do caminho recto em qualquer modo e profanar a santa fé, e tentar observar a qualquer rito da seita judaica, ou se eu enganar a vocês, de qualquer forma, nos juramentos desse voto…Então que caiam todas as maldições da Lei sobre mim…Caiam sobre mim, sobre minha casa, e todos os meus filhos, todas as pragas que feriram o Egipto, e para o horror de outros, que eu sofra em acréscimo, o destino de Datã e Abirão, ou seja , que a terra me engula vivo, e depois de eu ter sido privado desta vida, serei ainda entregue ao fogo eterno, na companhia do diabo e seus anjos, compartilhando com os habitantes de Sodoma, e com Judas a punição do fogo; e quando eu chegar diante do tribunal do temível e glorioso juiz, nosso Senhor Jesus Cristo, possa eu ser contado naquela companhia a quem o glorioso e temível juiz, com semblante ameaçador dirá: Apartai vos de mim, malditos para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”

Bibliografia:Dubnow, Simon. Manual de la história Judia. Buenos Aires, Ed. S. Sigal, 4ª Ed. 1955. Guimarães, Marcelo Miranda. Trazendo a igreja de volta às suas raízes bíblicas e judaicas. BH, ministério Ensinando em Sião, 2ª Ed.2000. Stern, David H. Manifesto Judeu Messiânico. Rio de Janeiro. Comunidade Emanuel, 1989. Wallis, Jim. O Messias Judeu para os Judeus. São Paulo, Ed. Or Chadash

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Hoje com toda a sinceridade e honestidade, e com muito temor a YHWH, declaro diante de todas as pessoas as seguintes colunas e alicerces da verdadeira Congregação do Eterno iniciada em Abraão:

– Renunciamos a toda religião originária do Cristianismo Protestante Pentecostal (todo tipo de Cristianismo paganizado);

– Rejeitamos todos os dogmas, doutrinas, festas pagãs, e nomes pagãos, teologias, e principalmente o nome inventado pelos romanos na qual defendia, o nome romano de JESUS CRISTO para Yeshua e JEOVÁ para YHWH.

E todos os irmãos sinceros que cresceram no Cristianismo, eu aconselho a estudar as escrituras com traduções fiéis baseadas nos originais Hebraico, Aramaico e mesmo do Grego que não foram adulterados pelos pais da Igreja e a teologia Cristã Universal;

– Eu e a minha casa servimos ao Criador YHWH e ao messias Yeshua;

– Estudamos a TORAH, o TANACH E A BRIT HADASHÁ, isto é, toda a Bíblia, de dia e de noite, para que não sejamos enganado por ensinos de homens e demónios;

– Jamais voltaremos as costas aos irmãos que estão no Cristianismo por não conhecerem a verdade e não os julgo de forma alguma, pois da mesma forma que eu achava que estava certo, pois acreditava que os Líderes me ensinavam a verdade da palavra de YHWH e acredito que no fundo eles também pensam que estão a ensinar o correcto, não o fazendo com dolo, mas sim por terem herdado uma herdança paupérrima da fé cristã.

A minha oração a todos, em nome de Yeshua haMashiach, é para que os irmãos sinceros, sejam neutros, não religiosos, não defensores do denominacionalismo, que abram os seus olhos e deixem o Cristianismo pagão Romano e as enganadores manifestações do falso “espírito santo” e a coluna central da doutrina de Roma Papal, o falso messias Romano Jesus Cristo, e o mais depressa possível, voltem-se para YHWH, através de Yeshua haMashiach, o verdadeiro Filho do Verdadeiro e Único Deus Todo-Poderoso, YHWH.

SHALOM

http://emunah-fe-dos-santos.weebly.com/os-pais-da-igreja-contra-a-htmltorah.

Tags: Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Shalom a todos os irmãos sinceros, espalhados pelo mundo. Esta é uma verdade que poucos sabem sobre Martinho Lutero (o fundador da Igreja Luterana e um dos precursores da “Reforma Protestante”,) e sobre todos os pais da Igreja Cristã que perseguiam os Israelitas que seguiam a Torah.

Todos os crentes evangélicos sinceros, por não conhecer toda a história destes homens, chamaram-nos de “grandes reformadores”, entre os mais famosos, Martinho Lutero! Lutero foi um sacerdote católico da Igreja Romana, e seguiu tudo o que aprendeu da Igreja Cristã Romana e do Catecismo Romano, cujas doutrinas estão relatadas nas bíblias Gregas corrompidas, que advogam a trindade, o antinomianismo, e nas quais consta que o verdadeiro nome do messias de Israel, é “Jesus Cristo” e não “Yeshua haMashiach” (Yeshua, o Messias). A grande maioria das pessoas dirá: “quem é esse? Nunca ouvi falar desse nome” .

Em Actos dos Apóstolos 26:14, nos originais em hebraico e aramaico, esta questão do nome responde definitivamente a esta questão!

“E, caindo nós todos por terra, ouvi uma voz que me falava, e em língua hebraica dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões. E disse eu: Quem és, Senhor? E ele respondeu: Eu sou Yeshua, a quem tu persegues;”

Em todas as versões gregas mal traduzidas e adulteradas, os falsos tradutores Romanos afirmam que o nome em “hebraico” no verso 15 é “JESUS!” Mas todos nós que conhecemos a Igreja Cristã, sabemos que o nome de Jesus é o nome grego-latino-aportuguesado do verdadeiro nome do Mashiach! Qualquer pessoa consciente entenderá que isso é uma fraude textual anti-semítica, já que negam a raiz hebraica da fé, e negam o verdadeiro Mashiach, o Filho de YHWH, Yeshua, o judeu, o zelador da Torá.

No mesmo livro de Actos é dito que em nenhum outro nome há salvação, mas perguntamos, em que nome? O grego ou hebraico? Talvez isso não seja o ponto fundamental, pois certamente que somos conscientes também para saber que mais importante que o nome, é a pessoa que associamos a esse nome, certamente que não é errado usarmos o nome de Jesus se associarmos esse nome ao Filho de YHWH, aquele que veio ensinar a Torá, e plenificá-la, ao invés de anulá-la. Infelizmente, essa associação não acontece, já que o grosso do cristianismo considera que Jesus é Deus na carne, e que a graça invalida a Torá, logo estamos livres da Lei. Um aparte, as leis da qual estamos livres ao aceitarmos Yeshua, é aquela que falava contra nós, a Lei do pecado, a as leis dos homens (tradições) que foram acrescentadas à lei, que a tornaram pesada. Mas continuando; nós optamos por usar o nome Yeshua, essencialmente porque sabemos que esse é o seu nome verdadeiro, e para fazer a distinção entre quem foi Yeshua e a pessoa que é associada ao Jesus Romano.

Nenhum de nós duvida que a salvação é pela graça, longe de mim querer afirmar o contrário, pois as escrituras são claras ao dizer que a Torá não aperfeiçoou coisa alguma (Heb. 7:19), no entanto, sobre este texto de Hebreus, não é porque a Torá seja imperfeita, antes pelo contrário (Sl. 19:7), mas porque devido à dureza dos nossos corações e a tendência para praticar o mal (Yetzer hara), foi necessário o sacrifício de um justo que não pecou para fazer expiação por todo aqueles que Nele crêem.

Mas crer em Yeshua, é um processo faseado, que implica reconhecer que somos pecadores, arrependermo-nos dos nossos pecados, e após o baptismo, nascermos como novas criaturas, e o ser nova criatura, implica uma vida de submissão e de amor incondicional a YHWH e uma fica voltada para Ele e focada nEle. Isto é, viver uma vida desviada do pecado, e isso implica atentar para a Sua instrução (Lei/Torah). Muitos alegam que a Graça anula a Lei, mas quem defende isso, defende também que podemos pecar deliberadamente e mesmo se o fizermos, somos salvos pela graça, já que o pecado é a transgressão da Lei, e como a Lei não interessa mais, podemos transgredi-la sem qualquer problema porque estamos salvos por Jesus…!!! Essa ideia não só é ridícula como também é satânica.

Nós somos sem dúvida salvos pela graça, mas porque Yeshua pagou um preço alto pelas nossas transgressões, atentamos para a Lei para andarmos segundo a instrução de YHWH, e fazêmo-lo não para obter a salvação, mas sim pela fé que opera por amor. Resumindo, devemos observar a Lei não para sermos salvos, mas para agradar ao Eterno, mas por amor a Ele, já que a própria Lei é uma manifestação do amor do Todo-Poderoso para com a Sua criação; daí surge a pergunta, qual é o Pai que não deseja o melhor para os seus filhos? A ciência prova a cada dia que a instrução de YHWH tem reflexos bastante positivos na vida humana, nomeadamente a nível de saúde, como é o caso das leis alimentares, e o descanso semanal.

Vemos que YHWH deu-nos mandamentos, estatutos e juízos para que saibamos como caminhar. Ele sabia que, devido à tendência do homem para praticar o mal, certamente seria difícil para ele caminhar rectamente, não porque o mandamento seja difícil, mas unicamente devido à perversidade do coração humano, como tal, é exactamente na nossa imperfeição que a graça de Yeshua nos preenche, tornando-nos dignos onde jamais seríamos, mas daí até dizer que a Lei é inútil, vai de um extremo ao outro, pois quem afirma isso, não só despreza a Lei do Eterno, como ignora o sacrifício de Yeshua. Terá derramado ele o seu sangue em vão? Ele fê-lo para que nos voltássemos para o Eterno, não para continuarmos de costas voltadas isto é, ignorando a sua Lei/Torá. Leia o estudo da Analogia da Torah e da Graça, clicando AQUI.

Para quem não é religioso e quer aprender as escrituras sem partidarismos, e sem ter vergonha de professar que a salvação veio do Yeshua Judeu, e não dos Jesus Romano, jamais terá vergonha de pronunciar o único nome verdadeiro do Messias de Israel o qual ele recebeu quando foi circuncidado no oitavo dia. Muitos sinceros de coração, sem conhecimento dessa verdade, defendiam o nome greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo, e falaram desse nome a muitas pessoas e as ensinaram a amar esse nome, porque não tinham conhecimento das raízes semíticas das escrituras, e do hebraísmo das escrituras. E nas Igrejas que passaram, foram perseguidos e difamados por observarem algumas partes da Torah, e a maioria dos críticos diziam que a Torah era maldita? Foram ensinados pelos doutores indoutos das Escolas Dominicais, que todas as escrituras da Brit Chadasha (Nova Aliança, mas conhecido como “Novo Testamento”) foram escritas no Grego e que o nome do Messias era em Grego. Esta é a grande mentira que Roma passou a todo o Cristianismo e para a humanidade, que o messias tem um nome grego, que nasceu em 25 de dezembro que na verdade representa o nascimento do deus-sol Mitra, um Jesus que faz parte de uma Trindade Cristã, a segunda pessoa dessa trindade, e que criou um nova Religião chamada Igreja, e se intitula de “ISRAEL ESPIRITUAL” no lugar do verdadeiro ISRAEL. Todas estas mentiras precisam de ser desmascaradas o mais rapidamente possível, por pessoas que meditam nas escrituras de dia e de noite.

Abaixo, veremos várias provas do anti-semitismo Romano do Cristianismo (Católico e Evangélico) em relação ao verdadeiro messias de Israel; que nasceu em Bet Lechem-Belém; frequentava as Sinagogas; escolheu doze discípulos Israelitas e não Romanos; que obedecia à Torah, e que veio resgatar as ovelhas perdidas da casa de de Israel (as doze tribos dispersas), às quais se têm vindo a ajuntar ovelhas de outro aprisco que abraçam a mesma fé de Israel (Zc. 8:23; Mat. 15:24; Jo. 10:16;). Este de quem vos falo, é Yeshua haMashiach.

POSIÇÕES E DECLARAÇÕES DOS PAIS DA IGREJA CRISTÃ CONTRA OS JUDEUS (Antes da reforma protestante)

Eusébio: Disse que os Judeus costumavam matar as crianças dos cristãos nas cerimônias anuais. “As escrituras judaicas são destinadas aos cristãos e não aos Judeus”.

Marcion: Qualquer cristão que utilizasse um símbolo judaico, “um nome judaico”, (foi aqui que o nome pagão greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo foi criado) ou realizasse qualquer celebração judaica, seria considerado cúmplice da morte de Cristo juntamente com os Judeus.

Crisóstomo (bispo de Antioquia escreveu oito sermões contra o povo judeu): “As sinagogas são zonas de meretrício e teatro, cheio de ladrões e bestas selvagens. Os Judeus são culpados da morte de Cristo”. “Não há expiação para o povo judeu. Deus sempre os odiou. Os cristãos devem odiá-los porque eles foram assassinos de Cristo e são adoradores de satanás”.

Justino-Mártir: Acusou os Judeus de iniciarem a matança de cristãos. “Se alguém, por fraqueza de espírito, resolver observar as instituições como foram entregues a Moisés, e das quais esperam alguma virtude, mas que julgamos terem sido indicadas em razão da dureza dos corações, juntamente com sua esperança neste Cristo, e desejarem cumprir os eternos e naturais actos de justiça e piedade, mas optam por viver com os cristãos e os fiéis conforme declarei anteriormente, não os introduzindo a serem circuncidados como eles próprios, ou a observarem o Shabat, ou a observarem qualquer outra cerimónia, sou da opinião que não devemos reunir a eles e não associarmos a eles em todas as coisas, como parentes e irmãos.”

Orígenes: Acusou o povo judeu, dizendo que eles conspiravam para matar os cristãos.

Hilary-de-Potiers: Disse que os Judeus eram um povo perverso, amaldiçoado por Deus.

Ephraim: Difamava os Judeus chamando de prostíbulos as suas sinagogas.

Cyril: Deu aos Judeus a escolha de exílio, apedrejamento ou conversão.

Jerónimo (Tradutor-da-Vulgata): Disse que os Judeus não são capazes de compreender as escrituras e devem ser perseguidos severamente até serem forçados a confessar a verdadeira fé. Foi ele que pela 1ª vez inventou o nome Jesus.

Agostinho: “Os Judeus e a nação de Israel são apenas testemunhas da verdade do cristianismo, serviram apenas para deixar o legado da fé e da verdade cristã. Agora deveriam estar em constante humilhação quanto ao triunfo da igreja sobre a sinagoga. Não há salvação para os Judeus. Eles já estão perdidos de qualquer forma.” “O judaísmo é uma corrupção e os Judeus devem ser escravizados”.

Tomás-de-Aquino: Perpetuou a perversa teoria de St. Agostinho.

Todas as provas acima, ensinam que o Cristianismo criado em Roma, e passado aos evangélicos, é, e sempre será o grande perseguidor do povo do messias de Israel que segue a Torah e toda as Escrituras nos originais em hebraico e não em Grego. Os apóstolos jamais aceitaram um messias romano e uma religião cristã, eles jamais aceitariam outro messias que não fosse o profetizado por todos os Israelitas em todos os livros proféticos do Tanach (Antigo Testamento), se não fosse o Messias de Israel. Pois a salvação veio dos judeus e não da Roma Papal ou das suas filhas!

Até ao concílio de Nicéia , a Páscoa cristã era celebrada ao mesmo tempo que a Pascoa judaica, dado que Yeshua tinha sido sacrificado no dia da Páscoa judaica. No entanto o ódio de Constantino aos judeus (segundo relato do seu historiador predilecto, Eusébio Livro V Cap XXIII e seg) levou-o a decretar que a Páscoa cristã passasse a ser celebrada no primeiro domingo da lua cheia após o equinócio da Primavera, sistema que se manteve até 1582, altura esta em que os calendários oriental e ocidental divergiram. http://pt.wikipedia.org/wiki/Primeiro_Conc%C3%ADlio_de_Niceia

Na sequência do exposto, há quem diga que Eusébio também relatou que para ser diferente dos judeus, a Páscoa iria sempre calhar no domingo a seguir ao dia da Páscoa Judaica do calendário rabínico.

Na Reforma Protestante

Lutero: “Os cristãos devem queimar as sinagogas e os Judeus. Devem tirar os livros e os Talmudes deles, pois esses contém somente mentiras e blasfêmias. Devem ameaçar de morte os rabinos que ensinam isto. Devem proibir os Judeus de viajar. Devem obrigar os Judeus a trabalhar em serviço manual e não adquirirem profissão”.

“Os Judeus são arrogantes, teimosos e de coração de ferro como os demónios”.(Martinho Lutero, “On the Jews and Their Lies” (1543), Traduzido por Martin H. Bertram, editado por Franklin Sherman, vol.47, pp. 121-306, em Luther’s Works, de Jaroslav Pelikan e Hehnut T. Lehmann ( Filadelfia,.Fortress Press e St. Louis, Concórdia Publishng House, 1962-1974).) Abaixo um enxerto das pg. 268-278:

“Que faremos, nós cristãos, com este povo rejeitado e condenado, os Judeus?”. “…Vou dar-lhes o meu conselho sincero: primeiro, atear fogo às suas sinagogas, em honra ao nosso Senhor e à cristandade, de modo que Elohim veja que somos cristãos… Aconselho que as suas casas sejam arrasadas e destruídas…Aconselho que os seus livros de orações e escritos talmúdicos lhes sejam arrebatados…Aconselho que seus rabinos sejam proibidos de ensinar, sob pena de perderem a vida e serem mutilados…Acreditamos que o nosso Senhor Jesus Cristo dizia a verdade ao falar sobre os Judeus que não O aceitaram e O crucificaram: ‘Sois uma raça de víboras e filhos do demônio…’”. Li e ouvi muitas histórias relativas aos Judeus que estão de acordo com este juízo de Cristo. Isto é: que envenenaram poços, assassinaram, sequestraram crianças… Ouvi dizer que um judeu mandou a outro judeu por intermédio de um cristão, um recipiente cheio de sangue, juntamente com um barril de vinho no qual depois de bebido até o fim, encontrou-se um cadáver de um judeu.”

EXTRAÍDO DA CONFISSÃO DE CONVERSÃO DE UM JUDEU AO CRISTIANISMO

“Eu, aqui e agora, renuncio a todo rito e observância da religião judaica, detestando todas as suas mais solenes cerimônias e dogmas, os quais outrora eu guardei e mantive. No futuro, eu não praticarei nenhum rito ou celebração relacionada com essa religião, nem qualquer costume do meu erro passado, prometendo não busca-la ou cumpri-la…

[Eu] prometo nunca retornar ao vômito da superstição judaica. Nunca mais eu realizarei nenhum dos ofícios das cerimônias judaicas as quais eu fui ligado, nem nunca mais as apreciarem. [Eu] evitarei todo relacionamento com outros Judeus, e manterei meu círculo de amizades entre apenas outros cristãos. [Nós não] nos associaremos com os Judeus amaldiçoados, que se mantém sem baptismo…Nós não praticaremos a circuncisão carnal, ou celebraremos a páscoa, os shabats, ou outros dias de festas relacionadas com a religião judaica…Com relação a carne de porco, prometemos observar a seguinte regra: De que se devido a um antigo costume, não somos capazes de comê-la, não iremos por melindre ou erro, recusar as coisas que são cozidas com ela… E se em todos os pontos tratados acima fomos achados culpados de qualquer forma… [então] aqueles entre nós que forem achados culpados, ou perecerão pelas mãos de nossos companheiros, por fogueira ou apedrejamento ou, [se nossas vidas forem poupadas], perderemos imediatamente nossa liberdade, e vocês nos entregarão juntamente com toda nossa propriedade a quem lhes convier para a escravidão perpétua…

[Eu] renuncio a toda adoração dos hebreus, à circuncisão, todos os seus legalismos, pão não levedado, a páscoa, o sacrifício de cordeiros, as festas das semanas, os jubileus, as trombetas, a expiação, os tabernáculos, e todas as outras festas hebraicas, seus sacrifícios, orações, aspersões, purificações, expiações, jejuns, shabats, luas novas, comidas e bebidas. E [eu] renuncio a todo costume e instituição das leis judaicas… Numa palavra, eu renuncio a absolutamente tudo o que é judeu…Juntamente com os antigos, eu excomungo também os rabinos chefe e os novos doutores malignos dos Judeus…Se eu me desviar do caminho recto em qualquer modo e profanar a santa fé, e tentar observar a qualquer rito da seita judaica, ou se eu enganar a vocês, de qualquer forma, nos juramentos desse voto…Então que caiam todas as maldições da Lei sobre mim…Caiam sobre mim, sobre minha casa, e todos os meus filhos, todas as pragas que feriram o Egipto, e para o horror de outros, que eu sofra em acréscimo, o destino de Datã e Abirão, ou seja , que a terra me engula vivo, e depois de eu ter sido privado desta vida, serei ainda entregue ao fogo eterno, na companhia do diabo e seus anjos, compartilhando com os habitantes de Sodoma, e com Judas a punição do fogo; e quando eu chegar diante do tribunal do temível e glorioso juiz, nosso Senhor Jesus Cristo, possa eu ser contado naquela companhia a quem o glorioso e temível juiz, com semblante ameaçador dirá: Apartai vos de mim, malditos para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”

Bibliografia:Dubnow, Simon. Manual de la história Judia. Buenos Aires, Ed. S. Sigal, 4ª Ed. 1955. Guimarães, Marcelo Miranda. Trazendo a igreja de volta às suas raízes bíblicas e judaicas. BH, ministério Ensinando em Sião, 2ª Ed.2000. Stern, David H. Manifesto Judeu Messiânico. Rio de Janeiro. Comunidade Emanuel, 1989. Wallis, Jim. O Messias Judeu para os Judeus. São Paulo, Ed. Or Chadash

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Hoje com toda a sinceridade e honestidade, e com muito temor a YHWH, declaro diante de todas as pessoas as seguintes colunas e alicerces da verdadeira Congregação do Eterno iniciada em Abraão:

– Renunciamos a toda religião originária do Cristianismo Protestante Pentecostal (todo tipo de Cristianismo paganizado);

– Rejeitamos todos os dogmas, doutrinas, festas pagãs, e nomes pagãos, teologias, e principalmente o nome inventado pelos romanos na qual defendia, o nome romano de JESUS CRISTO para Yeshua e JEOVÁ para YHWH.

E todos os irmãos sinceros que cresceram no Cristianismo, eu aconselho a estudar as escrituras com traduções fiéis baseadas nos originais Hebraico, Aramaico e mesmo do Grego que não foram adulterados pelos pais da Igreja e a teologia Cristã Universal;

– Eu e a minha casa servimos ao Criador YHWH e ao messias Yeshua;

– Estudamos a TORAH, o TANACH E A BRIT HADASHÁ, isto é, toda a Bíblia, de dia e de noite, para que não sejamos enganado por ensinos de homens e demónios;

– Jamais voltaremos as costas aos irmãos que estão no Cristianismo por não conhecerem a verdade e não os julgo de forma alguma, pois da mesma forma que eu achava que estava certo, pois acreditava que os Líderes me ensinavam a verdade da palavra de YHWH e acredito que no fundo eles também pensam que estão a ensinar o correcto, não o fazendo com dolo, mas sim por terem herdado uma herdança paupérrima da fé cristã.

A minha oração a todos, em nome de Yeshua haMashiach, é para que os irmãos sinceros, sejam neutros, não religiosos, não defensores do denominacionalismo, que abram os seus olhos e deixem o Cristianismo pagão Romano e as enganadores manifestações do falso “espírito santo” e a coluna central da doutrina de Roma Papal, o falso messias Romano Jesus Cristo, e o mais depressa possível, voltem-se para YHWH, através de Yeshua haMashiach, o verdadeiro Filho do Verdadeiro e Único Deus Todo-Poderoso, YHWH.

SHALOM
________________________________________
http://emunah-fe-dos-santos.weebly.com/os-pais-da-igreja-contra-a-torah.html

Tags: Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Os pais da igreja contra a Torah, contra Israel, e contra o verdadeiro Messias de Israel – Yeshua.

Shalom a todos os irmãos sinceros, espalhados pelo mundo. Esta é uma verdade que poucos sabem sobre Martinho Lutero (o fundador da Igreja Luterana e um dos precursores da “Reforma Protestante”,) e sobre todos os pais da Igreja Cristã que perseguiam os Israelitas que seguiam a Torah.

Todos os crentes evangélicos sinceros, por não conhecer toda a história destes homens, chamaram-nos de “grandes reformadores”, entre os mais famosos, Martinho Lutero! Lutero foi um sacerdote católico da Igreja Romana, e seguiu tudo o que aprendeu da Igreja Cristã Romana e do Catecismo Romano, cujas doutrinas estão relatadas nas bíblias Gregas corrompidas, que advogam a trindade, o antinomianismo, e nas quais consta que o verdadeiro nome do messias de Israel, é “Jesus Cristo” e não “Yeshua haMashiach” (Yeshua, o Messias). A grande maioria das pessoas dirá: “quem é esse? Nunca ouvi falar desse nome” .

Em Actos dos Apóstolos 26:14, nos originais em hebraico e aramaico, esta questão do nome responde definitivamente a esta questão!

“E, caindo nós todos por terra, ouvi uma voz que me falava, e em língua hebraica dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? Dura coisa te é recalcitrar contra os aguilhões. E disse eu: Quem és, Senhor? E ele respondeu: Eu sou Yeshua, a quem tu persegues;”

Em todas as versões gregas mal traduzidas e adulteradas, os falsos tradutores Romanos afirmam que o nome em “hebraico” no verso 15 é “JESUS!” Mas todos nós que conhecemos a Igreja Cristã, sabemos que o nome de Jesus é o nome grego-latino-aportuguesado do verdadeiro nome do Mashiach! Qualquer pessoa consciente entenderá que isso é uma fraude textual anti-semítica, já que negam a raiz hebraica da fé, e negam o verdadeiro Mashiach, o Filho de YHWH, Yeshua, o judeu, o zelador da Torá.

No mesmo livro de Actos é dito que em nenhum outro nome há salvação, mas perguntamos, em que nome? O grego ou hebraico? Talvez isso não seja o ponto fundamental, pois certamente que somos conscientes também para saber que mais importante que o nome, é a pessoa que associamos a esse nome, certamente que não é errado usarmos o nome de Jesus se associarmos esse nome ao Filho de YHWH, aquele que veio ensinar a Torá, e plenificá-la, ao invés de anulá-la. Infelizmente, essa associação não acontece, já que o grosso do cristianismo considera que Jesus é Deus na carne, e que a graça invalida a Torá, logo estamos livres da Lei. Um aparte, as leis da qual estamos livres ao aceitarmos Yeshua, é aquela que falava contra nós, a Lei do pecado, a as leis dos homens (tradições) que foram acrescentadas à lei, que a tornaram pesada. Mas continuando; nós optamos por usar o nome Yeshua, essencialmente porque sabemos que esse é o seu nome verdadeiro, e para fazer a distinção entre quem foi Yeshua e a pessoa que é associada ao Jesus Romano.

Nenhum de nós duvida que a salvação é pela graça, longe de mim querer afirmar o contrário, pois as escrituras são claras ao dizer que a Torá não aperfeiçoou coisa alguma (Heb. 7:19), no entanto, sobre este texto de Hebreus, não é porque a Torá seja imperfeita, antes pelo contrário (Sl. 19:7), mas porque devido à dureza dos nossos corações e a tendência para praticar o mal (Yetzer hara), foi necessário o sacrifício de um justo que não pecou para fazer expiação por todo aqueles que Nele crêem.

Mas crer em Yeshua, é um processo faseado, que implica reconhecer que somos pecadores, arrependermo-nos dos nossos pecados, e após o baptismo, nascermos como novas criaturas, e o ser nova criatura, implica uma vida de submissão e de amor incondicional a YHWH e uma fica voltada para Ele e focada nEle. Isto é, viver uma vida desviada do pecado, e isso implica atentar para a Sua instrução (Lei/Torah). Muitos alegam que a Graça anula a Lei, mas quem defende isso, defende também que podemos pecar deliberadamente e mesmo se o fizermos, somos salvos pela graça, já que o pecado é a transgressão da Lei, e como a Lei não interessa mais, podemos transgredi-la sem qualquer problema porque estamos salvos por Jesus…!!! Essa ideia não só é ridícula como também é satânica.

Nós somos sem dúvida salvos pela graça, mas porque Yeshua pagou um preço alto pelas nossas transgressões, atentamos para a Lei para andarmos segundo a instrução de YHWH, e fazêmo-lo não para obter a salvação, mas sim pela fé que opera por amor. Resumindo, devemos observar a Lei não para sermos salvos, mas para agradar ao Eterno, mas por amor a Ele, já que a própria Lei é uma manifestação do amor do Todo-Poderoso para com a Sua criação; daí surge a pergunta, qual é o Pai que não deseja o melhor para os seus filhos? A ciência prova a cada dia que a instrução de YHWH tem reflexos bastante positivos na vida humana, nomeadamente a nível de saúde, como é o caso das leis alimentares, e o descanso semanal.

Vemos que YHWH deu-nos mandamentos, estatutos e juízos para que saibamos como caminhar. Ele sabia que, devido à tendência do homem para praticar o mal, certamente seria difícil para ele caminhar rectamente, não porque o mandamento seja difícil, mas unicamente devido à perversidade do coração humano, como tal, é exactamente na nossa imperfeição que a graça de Yeshua nos preenche, tornando-nos dignos onde jamais seríamos, mas daí até dizer que a Lei é inútil, vai de um extremo ao outro, pois quem afirma isso, não só despreza a Lei do Eterno, como ignora o sacrifício de Yeshua. Terá derramado ele o seu sangue em vão? Ele fê-lo para que nos voltássemos para o Eterno, não para continuarmos de costas voltadas isto é, ignorando a sua Lei/Torá. Leia o estudo da Analogia da Torah e da Graça, clicando AQUI.

Para quem não é religioso e quer aprender as escrituras sem partidarismos, e sem ter vergonha de professar que a salvação veio do Yeshua Judeu, e não dos Jesus Romano, jamais terá vergonha de pronunciar o único nome verdadeiro do Messias de Israel o qual ele recebeu quando foi circuncidado no oitavo dia. Muitos sinceros de coração, sem conhecimento dessa verdade, defendiam o nome greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo, e falaram desse nome a muitas pessoas e as ensinaram a amar esse nome, porque não tinham conhecimento das raízes semíticas das escrituras, e do hebraísmo das escrituras. E nas Igrejas que passaram, foram perseguidos e difamados por observarem algumas partes da Torah, e a maioria dos críticos diziam que a Torah era maldita? Foram ensinados pelos doutores indoutos das Escolas Dominicais, que todas as escrituras da Brit Chadasha (Nova Aliança, mas conhecido como “Novo Testamento”) foram escritas no Grego e que o nome do Messias era em Grego. Esta é a grande mentira que Roma passou a todo o Cristianismo e para a humanidade, que o messias tem um nome grego, que nasceu em 25 de dezembro que na verdade representa o nascimento do deus-sol Mitra, um Jesus que faz parte de uma Trindade Cristã, a segunda pessoa dessa trindade, e que criou um nova Religião chamada Igreja, e se intitula de “ISRAEL ESPIRITUAL” no lugar do verdadeiro ISRAEL. Todas estas mentiras precisam de ser desmascaradas o mais rapidamente possível, por pessoas que meditam nas escrituras de dia e de noite.

Abaixo, veremos várias provas do anti-semitismo Romano do Cristianismo (Católico e Evangélico) em relação ao verdadeiro messias de Israel; que nasceu em Bet Lechem-Belém; frequentava as Sinagogas; escolheu doze discípulos Israelitas e não Romanos; que obedecia à Torah, e que veio resgatar as ovelhas perdidas da casa de de Israel (as doze tribos dispersas), às quais se têm vindo a ajuntar ovelhas de outro aprisco que abraçam a mesma fé de Israel (Zc. 8:23; Mat. 15:24; Jo. 10:16;). Este de quem vos falo, é Yeshua haMashiach.

POSIÇÕES E DECLARAÇÕES DOS PAIS DA IGREJA CRISTÃ CONTRA OS JUDEUS (Antes da reforma protestante)

Eusébio: Disse que os Judeus costumavam matar as crianças dos cristãos nas cerimônias anuais. “As escrituras judaicas são destinadas aos cristãos e não aos Judeus”.

Marcion: Qualquer cristão que utilizasse um símbolo judaico, “um nome judaico”, (foi aqui que o nome pagão greco-latino-aportuguesado de Jesus Cristo foi criado) ou realizasse qualquer celebração judaica, seria considerado cúmplice da morte de Cristo juntamente com os Judeus.

Crisóstomo (bispo de Antioquia escreveu oito sermões contra o povo judeu): “As sinagogas são zonas de meretrício e teatro, cheio de ladrões e bestas selvagens. Os Judeus são culpados da morte de Cristo”. “Não há expiação para o povo judeu. Deus sempre os odiou. Os cristãos devem odiá-los porque eles foram assassinos de Cristo e são adoradores de satanás”.

Justino-Mártir: Acusou os Judeus de iniciarem a matança de cristãos. “Se alguém, por fraqueza de espírito, resolver observar as instituições como foram entregues a Moisés, e das quais esperam alguma virtude, mas que julgamos terem sido indicadas em razão da dureza dos corações, juntamente com sua esperança neste Cristo, e desejarem cumprir os eternos e naturais actos de justiça e piedade, mas optam por viver com os cristãos e os fiéis conforme declarei anteriormente, não os introduzindo a serem circuncidados como eles próprios, ou a observarem o Shabat, ou a observarem qualquer outra cerimónia, sou da opinião que não devemos reunir a eles e não associarmos a eles em todas as coisas, como parentes e irmãos.”

Orígenes: Acusou o povo judeu, dizendo que eles conspiravam para matar os cristãos.

Hilary-de-Potiers: Disse que os Judeus eram um povo perverso, amaldiçoado por Deus.

Ephraim: Difamava os Judeus chamando de prostíbulos as suas sinagogas.

Cyril: Deu aos Judeus a escolha de exílio, apedrejamento ou conversão.

Jerónimo (Tradutor-da-Vulgata): Disse que os Judeus não são capazes de compreender as escrituras e devem ser perseguidos severamente até serem forçados a confessar a verdadeira fé. Foi ele que pela 1ª vez inventou o nome Jesus.

Agostinho: “Os Judeus e a nação de Israel são apenas testemunhas da verdade do cristianismo, serviram apenas para deixar o legado da fé e da verdade cristã. Agora deveriam estar em constante humilhação quanto ao triunfo da igreja sobre a sinagoga. Não há salvação para os Judeus. Eles já estão perdidos de qualquer forma.” “O judaísmo é uma corrupção e os Judeus devem ser escravizados”.

Tomás-de-Aquino: Perpetuou a perversa teoria de St. Agostinho.

Todas as provas acima, ensinam que o Cristianismo criado em Roma, e passado aos evangélicos, é, e sempre será o grande perseguidor do povo do messias de Israel que segue a Torah e toda as Escrituras nos originais em hebraico e não em Grego. Os apóstolos jamais aceitaram um messias romano e uma religião cristã, eles jamais aceitariam outro messias que não fosse o profetizado por todos os Israelitas em todos os livros proféticos do Tanach (Antigo Testamento), se não fosse o Messias de Israel. Pois a salvação veio dos judeus e não da Roma Papal ou das suas filhas!

Até ao concílio de Nicéia , a Páscoa cristã era celebrada ao mesmo tempo que a Pascoa judaica, dado que Yeshua tinha sido sacrificado no dia da Páscoa judaica. No entanto o ódio de Constantino aos judeus (segundo relato do seu historiador predilecto, Eusébio Livro V Cap XXIII e seg) levou-o a decretar que a Páscoa cristã passasse a ser celebrada no primeiro domingo da lua cheia após o equinócio da Primavera, sistema que se manteve até 1582, altura esta em que os calendários oriental e ocidental divergiram. http://pt.wikipedia.org/wiki/Primeiro_Conc%C3%ADlio_de_Niceia

Na sequência do exposto, há quem diga que Eusébio também relatou que para ser diferente dos judeus, a Páscoa iria sempre calhar no domingo a seguir ao dia da Páscoa Judaica do calendário rabínico.

Na Reforma Protestante

Lutero: “Os cristãos devem queimar as sinagogas e os Judeus. Devem tirar os livros e os Talmudes deles, pois esses contém somente mentiras e blasfêmias. Devem ameaçar de morte os rabinos que ensinam isto. Devem proibir os Judeus de viajar. Devem obrigar os Judeus a trabalhar em serviço manual e não adquirirem profissão”.

“Os Judeus são arrogantes, teimosos e de coração de ferro como os demónios”.(Martinho Lutero, “On the Jews and Their Lies” (1543), Traduzido por Martin H. Bertram, editado por Franklin Sherman, vol.47, pp. 121-306, em Luther’s Works, de Jaroslav Pelikan e Hehnut T. Lehmann ( Filadelfia,.Fortress Press e St. Louis, Concórdia Publishng House, 1962-1974).) Abaixo um enxerto das pg. 268-278:

“Que faremos, nós cristãos, com este povo rejeitado e condenado, os Judeus?”. “…Vou dar-lhes o meu conselho sincero: primeiro, atear fogo às suas sinagogas, em honra ao nosso Senhor e à cristandade, de modo que Elohim veja que somos cristãos… Aconselho que as suas casas sejam arrasadas e destruídas…Aconselho que os seus livros de orações e escritos talmúdicos lhes sejam arrebatados…Aconselho que seus rabinos sejam proibidos de ensinar, sob pena de perderem a vida e serem mutilados…Acreditamos que o nosso Senhor Jesus Cristo dizia a verdade ao falar sobre os Judeus que não O aceitaram e O crucificaram: ‘Sois uma raça de víboras e filhos do demônio…’”. Li e ouvi muitas histórias relativas aos Judeus que estão de acordo com este juízo de Cristo. Isto é: que envenenaram poços, assassinaram, sequestraram crianças… Ouvi dizer que um judeu mandou a outro judeu por intermédio de um cristão, um recipiente cheio de sangue, juntamente com um barril de vinho no qual depois de bebido até o fim, encontrou-se um cadáver de um judeu.”

EXTRAÍDO DA CONFISSÃO DE CONVERSÃO DE UM JUDEU AO CRISTIANISMO

“Eu, aqui e agora, renuncio a todo rito e observância da religião judaica, detestando todas as suas mais solenes cerimônias e dogmas, os quais outrora eu guardei e mantive. No futuro, eu não praticarei nenhum rito ou celebração relacionada com essa religião, nem qualquer costume do meu erro passado, prometendo não busca-la ou cumpri-la…

[Eu] prometo nunca retornar ao vômito da superstição judaica. Nunca mais eu realizarei nenhum dos ofícios das cerimônias judaicas as quais eu fui ligado, nem nunca mais as apreciarem. [Eu] evitarei todo relacionamento com outros Judeus, e manterei meu círculo de amizades entre apenas outros cristãos. [Nós não] nos associaremos com os Judeus amaldiçoados, que se mantém sem baptismo…Nós não praticaremos a circuncisão carnal, ou celebraremos a páscoa, os shabats, ou outros dias de festas relacionadas com a religião judaica…Com relação a carne de porco, prometemos observar a seguinte regra: De que se devido a um antigo costume, não somos capazes de comê-la, não iremos por melindre ou erro, recusar as coisas que são cozidas com ela… E se em todos os pontos tratados acima fomos achados culpados de qualquer forma… [então] aqueles entre nós que forem achados culpados, ou perecerão pelas mãos de nossos companheiros, por fogueira ou apedrejamento ou, [se nossas vidas forem poupadas], perderemos imediatamente nossa liberdade, e vocês nos entregarão juntamente com toda nossa propriedade a quem lhes convier para a escravidão perpétua…

[Eu] renuncio a toda adoração dos hebreus, à circuncisão, todos os seus legalismos, pão não levedado, a páscoa, o sacrifício de cordeiros, as festas das semanas, os jubileus, as trombetas, a expiação, os tabernáculos, e todas as outras festas hebraicas, seus sacrifícios, orações, aspersões, purificações, expiações, jejuns, shabats, luas novas, comidas e bebidas. E [eu] renuncio a todo costume e instituição das leis judaicas… Numa palavra, eu renuncio a absolutamente tudo o que é judeu…Juntamente com os antigos, eu excomungo também os rabinos chefe e os novos doutores malignos dos Judeus…Se eu me desviar do caminho recto em qualquer modo e profanar a santa fé, e tentar observar a qualquer rito da seita judaica, ou se eu enganar a vocês, de qualquer forma, nos juramentos desse voto…Então que caiam todas as maldições da Lei sobre mim…Caiam sobre mim, sobre minha casa, e todos os meus filhos, todas as pragas que feriram o Egipto, e para o horror de outros, que eu sofra em acréscimo, o destino de Datã e Abirão, ou seja , que a terra me engula vivo, e depois de eu ter sido privado desta vida, serei ainda entregue ao fogo eterno, na companhia do diabo e seus anjos, compartilhando com os habitantes de Sodoma, e com Judas a punição do fogo; e quando eu chegar diante do tribunal do temível e glorioso juiz, nosso Senhor Jesus Cristo, possa eu ser contado naquela companhia a quem o glorioso e temível juiz, com semblante ameaçador dirá: Apartai vos de mim, malditos para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos”

Bibliografia:Dubnow, Simon. Manual de la história Judia. Buenos Aires, Ed. S. Sigal, 4ª Ed. 1955. Guimarães, Marcelo Miranda. Trazendo a igreja de volta às suas raízes bíblicas e judaicas. BH, ministério Ensinando em Sião, 2ª Ed.2000. Stern, David H. Manifesto Judeu Messiânico. Rio de Janeiro. Comunidade Emanuel, 1989. Wallis, Jim. O Messias Judeu para os Judeus. São Paulo, Ed. Or Chadash

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Hoje com toda a sinceridade e honestidade, e com muito temor a YHWH, declaro diante de todas as pessoas as seguintes colunas e alicerces da verdadeira Congregação do Eterno iniciada em Abraão:

– Renunciamos a toda religião originária do Cristianismo Protestante Pentecostal (todo tipo de Cristianismo paganizado);

– Rejeitamos todos os dogmas, doutrinas, festas pagãs, e nomes pagãos, teologias, e principalmente o nome inventado pelos romanos na qual defendia, o nome romano de JESUS CRISTO para Yeshua e JEOVÁ para YHWH.

Tags: