Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
Entendendo a Purificação do Santuário – Dn 8:13 e 14

Entendendo a Purificação do Santuário – Dn 8:13 e 14
Muitos religiosos cometem um grande erro em comparar a purificação do Santuário mencionada em Dn 8:13 e 14, com a Expiação relatada em Lv 23:26-32. Em primeiro lugar precisamos entender que o termo “purificar”, significa tão somente retirar de um determinado lugar o agente causador de uma contaminação juntamente com os seus derivados, enquanto que o termo “expiar”, significa o ato de punir o culpado pela contaminação e as conseqüências advindas da mesma.
• É importante observar que em Dn 8:13 e 14, esta profetizado apenas a purificação do Santuário, e não sua expiação. Portanto, a que se refere o profeta Daniel no cap. 8:13 e 14 de seu livro ?
Estudando as profecias bíblica sempre nos deparamos com símbolos, símbolos estes que necessitamos decifrar para então compreender o verdadeiro sentido da profecia a eles vinculadas. Assim sendo, necessitamos conhecer a que o Santuário mencionado por Daniel se refere.
No livro de Ex 25:8-9, podemos aprender que o Santuário é a habitação do Deus Eterno; em Hb 8:1-5, que o Santuário construído pelo povo de Israel no deserto, como também os seus rituais, eram cópias das realidades celestiais.
Analisando outros textos bíblicos, poderemos observar que:
• Na Nova Jerusalém não existe nenhum Santuário igual ao que Moisés construiu no deserto. Ap 21:2-3 e 22
• O Santuário feito por Moisés no deserto, era apenas uma representação do Céu dos céus, local onde se encontra o trono do Deus Eterno, lugar em que os anjos se reúnem para prestar-Lhe culto e adoração, como também contas da administração das regiões celeste a eles confiada neste vasto Universo. Jó 1:6-12; 2:1-7; I Rs 22:19-23; Dn 7:9-10 e 13-14; Ap 5:1-14.
• A queda de satanás e seus anjos se daria sem a intervenção humana, e muito tempo após Daniel ter recebido a visão. Dn 8:25-26
• A queda de satanás esta relatada em Dn 7:9,10,13 e 14, onde o juízo ali mencionado e estabelecido no Céu, o Santuário do Eterno, refere-se ao juízo do Eterno sobre os seres celestiais, juízo este apresentado em Ap 12:7-9 como sendo uma guerra no Céu entre Miguel e Seus anjos, contra o dragão e seus anjos, onde após a derrota e conseqüente expulsão do dragão e seus anjos, o Messias é investido de autoridade e poder, sendo reconhecido e aclamado por todos os seres celestiais que permaneceram leais ao Eterno, conforme é relatado em Dn 7:13 e 14; Ap 5:7-14; 12:10.
Com as considerações acima somos levados a crer que a purificação do Santuário mencionada em Dn 8:13 e 14, refere-se ao momento em que satanás e seus anjos seriam destituídos de suas atribuições nas regiões celeste “Universo”, ocasionando um grande abalo nas potestades dos Céus, e atirados para a terra, onde aguardariam a hora da execução de sua sentença, quando então o Eterno fará a Expiação dos pecados que contaminaram todo o Seu domínio.
Para algumas pessoas, este assunto mostra-se muito confuso, fazendo surgir a seguinte pergunta:
• satanás e seus anjos habitavam e exerciam atribuições nas regiões celestes no primeiro século da Era Comum ?
Realmente este estudo choca-se com todas as tradições teológicas de nossos dias; No entanto os textos bíblicos não deixam a menor sombra de dúvida quanto a este assunto. Vejamos:
• Jó 1:6-12 e 2:1-7. Nestes textos podemos ter um vislumbre de que o Universo em toda a sua vastidão, esta subdividido em diversas regiões, as quais chamaremos de regiões celeste (sistemas solares, constelações, galáxias, aglomerados de galáxias, etc…, estando os seres celestiais h(anjos), envolvidos em sua administração, e devendo em um determinado tempo estabelecido pelo Eterno, comparecer ante a Sua presença no Céu dos céus, para prestar-Lhe contas de sua administração. É interessante notar que um dos seres celestiais que compareciam ante a presença do Eterno nos dias do patriarca Jó, respondendo por uma determinada região celeste da qual a Terra fazia parte, era satanás, fato este ocorrido muitos séculos após a queda de Adão e Eva.)
• I Rs 22:7-23, (19-23). No período dos reis em Israel, podemos observar que satanás ainda comparecia ante a presença do Eterno, e exercia domínio sobre a região celeste da qual a Terra fazia parte. Na visão relatada por Micaías, temos condição de entender o porque Yeshua chamou satanás de pai da mentira, e em Apocalipse 12:9 ele ser apresentado como sendo o enganador do mundo.
• Is 14:12. Isaias deixa bem claro que satanás antes de ser expulso do Céu, já vinha exercendo influência sobre as nações, debilitando-as através de seus enganos.
• Dn 10:12-14. Que satanás exercia influência nas regiões celeste nos dias do profeta Daniel, é bem claro nesse texto, pois o mesmo sendo simbolizado pelo príncipe do reino da Pérsia, impediu temporariamente o anjo Gabriel de executar uma determinação do Altíssimo.
• Mt 24:29. O próprio Yeshua apontava para a futura expulsão de satanás e seus anjos do Céu ao mencionar esta profecia na qual as estrelas, simbolizando os anjos, que sendo responsáveis pela administração de regiões celeste, seriam destituídos dessa autoridade e poder, e atirados para a Terra, causando desta forma um grande abalo nas potestades dos Céus.
• Lc 21:26. Nesta profecia, Yeshua apontando para o futuro, nos da um vislumbre do que sucederia à Terra quando da expulsão de satanás e seus anjos, episódio este também repetido em Ap 12:12.
• At 2:32-36; Hb 1:13 e 10:12-13. Nestes textos podemos aprender que o Messias ao subir ao Céu após o Seu ministério, não assumiu o domínio a que tinha direito, porém, assentou-se à direita do Eterno, aguardando até que Seus inimigos fossem colocados por estrado de Seus pés. O que significa a expressão estrado de Seus pés no contexto profético ? Em Is 66:1, está escrito que o Céu é o trono do Eterno, enquanto que a Terra é o estrado de Seus pés. Em Mt 5:34 e 35, Yeshua adverte para que ninguém jure pelo Céu por ser o trono do Eterno, e nem pela Terra por ser o estrado de Seus pés. Considerando os textos acima mencionado, podemos concluir que o Messias não assumiria o domínio e autoridade a Ele outorgado pelo Eterno, enquanto satanás e Seus anjos não fossem expulsos do Céu, o trono do Eterno (Santuário Celestial), e lançados para a Terra, o estrado de Seus pés. Foi exatamente isto o que ocorreu em cumprimento da profecia de Dn 8:13-14, e confirmada em Dn 7:13 e 14; Ap 5:6-14; e Ap 12:7-12.
• O próprio apóstolo Paulo demonstrou ter conhecimento em seus dias, de que satanás ainda não havia sido expulso dos Céus ao declarar que a nossa luta era contra as hostes espirituais da maldade nos lugares celestiais. Ef 6:12
• Hb 2:14. O autor dessa epístola deixa bem claro que a vitória do Messias sobre satanás, foi a Sua morte na cruz do calvário, vitória esta que teve como um dos resultados a condenação e expulsão de satanás e seus anjos dos Céus.
• Ap 12:7-11. Finalizando nossas considerações sobre este assunto, cremos que através do livro de Apocalipse, podemos retirar qualquer sombra de duvida, pois nele aprendemos que a vitória do Messias e Seus anjos sobre o dragão e seus anjos, tendo como conseqüência a expulsão destes últimos das regiões celestiais foi o sangue do cordeiro, símbolo do Messias a quem toda hoste celestial deveria se prostrar, mas no entanto foi assassinado por satanás e seus anjos na cruz do Calvário. Para não ficar nenhuma dúvida, podemos observar que quando de sua expulsão, satanás foi reconhecido com as seguintes características mencionadas no vs 9:

Sugerimos uma recapitulação do estudo ” Apocalipse 12 ” para complementação desta pesquisa.
O profeta Daniel no capítulo sete de seu livro, indicou justamente a ocasião em que seria realizada a purificação do Santuário Celestial. Nos vs. 9-14 ele nos apresenta um julgamento no Céu dos céus, o Tabernáculo do Deus eterno, julgamento este que nos é apresentado em Ap 12:7-12, como sendo uma guerra no Céu entre o Messias e Seus anjos, contra o dragão e seus anjos, guerra esta que foi decidida conforme o vs. 11, pelo sangue do Cordeiro (símbolo do Messias, a quem toda hoste celestial deveria se prostrar, mas no entanto foi assassinado por satanás na cruz do Calvário), e o testemunho dos fiéis, resultando na derrota e consequente expulsão de satanás juntamente com seus anjos das regiões celeste, inclusive do Tabernáculo Celestial, lugar do trono do Deus eterno.
Como a queda (sxpulsão) de satanás e seus anjos se deu em virtude do assassinato do Messias na cruz do Calvário, não existe nenhuma base bíblica que sustente a tradição cristã de que a mesma tenha ocorrido antes da queda de Adão e Eva.
O profeta Daniel no capítulo 7:8-14 de seu livro da indicações precisas de quando o Santuário seria purificado, cumprindo-se dessa maneira a profecia das 2300 tardes e manhãs mencionada no capítulo 8.
No texto acima citado, Daniel menciona acontecimentos paralelos; um envolvendo a humanidade, e o outro envolvendo os seres celestiais.
Lendo o referido texto do capítulo sete, observamos que em um determinado período da história, quando surgisse um domínio representado por uma ponta pequena (domínio religioso exercido pela ICAR – Dn 7:8-10), se estabeleceria no Céu um tribunal para o julgamento dos seres celestiais, julgamento este que se encerraria após a queda do referido poder religioso (Dn 7:11-14), fato este ocorrido em 1798 EC, devido a prisão do Papa pelo general francês Berthier.
O livro do Apocalipse também nos apresenta alguns fatos que sucederiam ao povo judeu logo após a queda de satanás; são eles:
• Tão logo fosse expulso dos Céus, satanás perseguiria a mulher que dera à luz o Filho varão. Filho este que foi a causa de sua queda. Ap 12:13
• Conforme estudos já realizados sobre Apocalipse 12, esta mulher representa o povo de Israel, e a própria história testifica como este povo foi violentamente perseguido e assassinado, fato este humanamente inexplicável, pelo regime nazista da Alemanha, que planejava o seu extermínio em toda a Europa, e posteriormente em todo o mundo.
• Embora a história não encontre nenhuma explicação para tal fato, o texto bíblico de Ap 12:13 deixa bem claro que devido a sua queda, o dragão perseguiu o povo de Israel, tentando destruí-lo, por considerá-lo culpado por sua queda, como também o veículo de sua futura destruição.
• Devido essa perseguição, o vs. 14 desse mesmo capítulo nos ensina que o Eterno daria asas à mulher, para que ela voasse para o deserto onde era o seu lugar, lugar este em que fora sustentada por um tempo, tempos, e metade de um tempo, fora da vista da serpente.
• Confirmando o texto acima, a história registra que devido as atrocidades cometidas contra os judeus na primeira e segunda guerras mundial, se fez necessária a criação de um Estado para este povo, Estado este em que poderiam se refugiar e defender-se de seus inimigos. Em 29 de novembro de 1947, a Assembléia Geral da ONU, aprovou a criação do Estado Judeu, que veio a concretizar-se no dia 14 de Maio de 1948 com a proclamação de sua independência.
Quanto ao seu retorno voando para o deserto onde era o seu lugar, a História Geral nos relata que os judeus foram expulsos da palestina, região de desertos, pelo Império Romano em torno do ano 135 EC, e posteriormente no século XIX, quando as autoridades da Grã-Bretanha se mostraram favoráveis à criação de uma pátria judaica, surgiram algumas propostas para a instalação da mesma, tais como: Argentina, Chipre, El Arish na fronteira egípcia, e Uganda na África. Todas foram repudiadas prevalecendo apenas o desejo dos sionistas; o retorno para Sião, terra dada pelo Eterno a Abraão, Isaque e Jacó, terra de sua origem, terra de desertos.
Merece também um destaque especial, o repatriamento de judeus retidos na Arábia conforme descrito no livro ‘Israel Foco das Atenções Mundiais’, pagina 38 e 39, por se assemelhar em muito com a profecia de Ap 12:14
Ap 12:15 e 16, nos ensina que o dragão após sua expulsão, fez todo possível para destruir a mulher (povo judeu), e embora milhões tenham perecido, o Deus eterno não permitiu que ele alcançasse seu mal intento, sustentando miraculosamente este povo contra os ataques de seus inimigos, mesmo após a sua independência em 1948.
Não conseguindo destruir a mulher, o dragão ainda irado contra ela, foi atacar também o restante da sua descendência (Ap 12:17).os que guardam os mandamentos do Eterno, e tem o testemunho de Yeshua (Escrituras Sagradas).
Todos sabemos que do povo judeu nasceram as três maiores religiões monoteístas do mundo, o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Sabemos também que dentre estes três descendentes da mulher, apenas para o cristianismo encontramos aplicação para a profecia de Ap 12:17, e como podemos observar nos dias atuais, o cristianismo através das igrejas cristãs (ramo que se desprendeu do cristianismo), estão absorvendo os costumes do mundo como também doutrinas humanas, o que vem ocasionando a queda de sua espiritualidade, ao ponto do Messias declarar em Ap 3:16, que irá vomitá-la de Sua boca.
Os relatos que foram mencionados acima, progressivamente aumentaram de intensidade após o ano de 1812 EC, o que poderá ser uma indicação do período em que seria realizada a purificação do Santuário (expulsão do dragão e seus anjos), conforme mencionada em Dn 8:13 e 14.

Shalom.

Leia mais: http://www.profeciasbiblica.com/estudo/santuario-purificado/

Tags: