Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
Marcos 2:27. O sábado foi estabelecido por causa do homem,

Marcos 2:27. O sábado foi estabelecido por causa do homem,

“E acrescentou: O sábado foi estabelecido por causa do homem, e não o homem por causa do sábado” (Marcos 2:27).

Um verso que nos ajudará a entender esta declaração de Jesus é o seguinte:

“Porque também o homem não foi criado por causa da mulher, e sim a mulher, por causa do homem”. (1 Coríntios 11:9).

Se a afirmação de Jesus que “o sábado foi estabelecido por causa do homem e não o homem por causa do sábado” abole o mandamento, temos de supor que a afirmação de Paulo de que “o homem não foi criado por causa da mulher, e sim a mulher, por causa do homem” quer dizer que Deus “aboliu a mulher e sua importância”, o que seria absurdo.

Um dos ensinos de Paulo neste verso é que a mulher foi criada para beneficiar o homem (pois este estava só); o mesmo se dá com o sábado.

Ao dizer que “o Sábado foi estabelecido por causa do homem e não o homem por causa do Sábado”, Jesus está afirmando que o dia de guarda foi santificado para “beneficiar” o homem, e não o homem beneficiar o Sábado. O Sábado foi estabelecido para que o homem pudesse descansar de suas obras diárias e dedicar este tempo somente ao criador, para refletir em seu amor e no seu poder criativo. Os judeus achavam o contrário.

Raciocinemos: Se o sábado foi feito para o benefício do homem, quando que o ser humano se beneficiará dele? Guardando-o! Não podemos nos beneficiar com suas bênçãos sem observá-lo.

Vejamos um estudo extraído do livro “Sutilezas do Erro” acera deste assunto:

“Vejamos o que o Mestre quis dizer com estas palavras. Há aí duas proposições: uma do sábado servir ao homem; outra, do homem sujeitar-se ao sábado. Consideremos a primeira. É de clareza meridiana. O sábado foi instituído e oferecido ao homem como algo muito precioso, como um bem, um favor divino. Figueiredo traduz: “O sábado foi feito em contemplação do homem”. O sentido evidente é que o sábado foi instituído para o bem estar físico, moral e espiritual das criaturas humanas. O sábado é assim uma instituição a favor do homem, em seu benefício, uma bênção grandiosa. Só uma perversa distorção do texto poderia levar à conclusão de que o sábado deva ser considerado contrário ao homem…

“A segunda proposição contida no texto diz: ‘e não o homem por causa do sábado’. Simples demais para ser entendida. Deus não criou o homem porque Ele tivesse um sábado necessitando ser guardado por alguém. Ao contrário, criara primeiro homem , e depois o sábado para atender-lhe às necessidades de repouso e recreação espiritual. Assim o sábado lhe seria uma bênção e não uma carga. O farisaísmo dos dias de Cristo obscurecera o verdadeiro caráter do sábado. Os rabinos o acumularam de exigências esdrúxulas que o tornaram um fardo quase insuportável. A atitude de Cristo para com o sábado foi a de escoima-lo desses acréscimos, devolvendo-o à prístina pureza. A atitude de Cristo para com Seu santo dia foi de reverência e não de desprezo.

“E de passagem cabe aqui uma observação: o sábado foi feito por causa do homem, e isto não pode ser verdade em relação ao domingo, porque no primeiro dia da semana o homem ainda não fora criado!

“…sendo o sábado um mandamento da lei de Deus, se Cristo o transgredisse de qualquer maneira Se tornaria um pecador, e nessa condição não poderia ser nosso Salvador!

“…Jesus declarou-Se Senhor do sábado! Solene e importantíssima declaração! Frise-se bem que Ele é o Senhor do sábado e não do domingo, embora a cristandade… averbe este dia este dia como o “dia do Senhor”. Cristo, porém, reafirmou Sua soberania sobre o sábado. É o autor do sétimo dia, consagrado ao repouso e, nessa qualidade, sabe o que é lícito ou não fazer nele. Os fariseus que censuraram os discípulos por apanharem espigas, foram além dos reclamos divinos, “além do que está escrito”. Punham restrições descabidas à guarda do sábado. E Jesus, para mostrar-lhes Sua autoridade, apresenta-Se como Autor do sábado. Nada há de derrogatório na declaração do Mestre. Ao contrário, reafirma o valor e a vigência do sábado, escoimado, no entanto, das exigências talmúdicas

“Broadus, renomado comentarista Batista, tratando desse texto, assim conclui:

“Mas o sábado permanece ainda, pois que existia antes de Israel, e era desde a criação um dia designado por Deus para ser santificado” (Gên. 2:3)…” (John A. Broadus, Comentário de Mateus, Vol. 1, pág. 345).

“Cristo jamais combateu o sábado, mas apenas a maneira de guarda-lo, a estreiteza dos fariseus.

“Diz Strong, grande teólogo batista:

‘Nem nosso Senhor ou os apóstolos ab-rogaram o sábado do decálogo. A nova dispensação abole as prescrições mosaicas quanto à forma de guardar o sábado mas ao mesmo tempo declara sua observância de origem divina e como sendo uma necessidade da natureza humana… Cristo não cravou na cruz qualquer mandamento do decálogo…Jesus não Se defende da acusação de quebrar o sábado, declarando que este fora abolido, mas estabelece o verdadeiro caráter do sábado em atender uma necessidade humana fundamental’ (A.H. Strong, Systhematic Theology, p. 409).

“Ryle, erudito comentarista evangélico, tratando do texto diz:

‘Não devemos deixar-nos arrastar pela opinião comum de que o sábado é mera instituição judaica, que foi abolido ou anulado por Cristo. Não há uma só passagem das Escrituras que isso prove. Todos os casos em que nosso Senhor Ser refere ao sábado, fala contra as opiniões errôneas que os fariseus propagaram a respeito de sua observância. Cristo depurou do quarto mandamento da superfluidade profana dos judeus… O Salvador que despojou o sábado das tradições judaicas e que tantas vezes esclareceu o seu sentido, não pode ser inimigo do 4o mandamento. Pelo contrário, Ele o engrandeceu e o exaltou’ (J. C. Ryle, Comentário Expositivo do Evangelho Segundo Lucas, pág. 79) [8].

Tags: