Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
O ARREBATAMENTO FALSO OU VERDADEIRO?

O ARREBATAMENTO FALSO OU VERDADEIRO?

O ARREBATAMENTO e a doutrina de Jesus e dos Apostolos ou a doutrina de uma seita, misturada com ocultismo, por favor leiam e tirem as suas concluzoes.
Por essa razao eu sempre vos falei acerca dos IRMAOS PLYMOUTH, e nunca ninguem deu ouvidos!

DISPENSACIONALISMO:

UM RETORNO Á TEOLOGIA BÍBLICA OU UM CULTO PSEUDO-CRISTÃO?
AS ORIGENS DO DISPENSACIONALISMO

As maiorias das pessoas aceitam que o dispensacionalismo começou com J N Darby, um dos originadores do movimento de Irmãos. Certamente Darby popularizou esta doutrina e, com a expansão da Bíblia de referência de Scofield, o ensino expandiu-se mundialmente. Porém, Darby não foi o primeiro a desenvolver estas idéias. De fato, há evidência conclusiva que havia um plano conduzido por William Kelly (outro líder chave dos Irmãos, e seguidor de Darby) para desacreditar as reais origens do movimento, por causa da sua genealogia duvidosa, e “insufla” a participação de Darby. 1
Nós deveríamos ter muito claro, que aquele Dispensacionalismo não é encontrado em nenhum lugar na história inteira da igreja antes das 1830. Ninguém achou, até agora, qualquer evidência aceitável que alguém tenha acreditado ou ensinado tal uma coisa. Somente isso, já deveria ser um sinal de alerta soando em nossos ouvidos espirituais. Quando aprendemos a verdadeira origem do erro, poderemos ver cada vez mais razões para limpar nosso caminho.
OS PONTOS-CHAVE QUE DISTINGUEM O DISPENSACIONALISMO

Antes de fazermos isso, precisamos esclarecer o que este ensino é, exatamente, com relação a outras teorias escatológicas.
O dispensacionalismo é uma variante do Pré-milenarismo histórico que é o ensino de que o Cristo voltará depois da Grande Tribulação e estabelecerá um reinado de mil anos na terra (milênio) antes da batalha final com Satanás (Armagedom) que resultará no Juízo Final e numa Nova Terra.
O Pós-milenarismo ensina que a volta de Cristo acontecerá depois de uma idade dourada de 1000 anos onde a igreja reinará sobre a terra em retidão;
O Amilenarismo acredita que não há nenhum ensino bíblico que se aproxime de um milênio literal e que a única passagem que menciona isso (Apocalipse 20) está falando simbolicamente da era da graça, a qual nós estamos vivendo atualmente.
O dispensacionalismo é muito diferente e se tornou a convicção predominante na América e versões dele estão crescendo rapidamente na Inglaterra. O problema é que há muitas variações dele, assim, para simplificar nosso estudo manteremos os pontos essenciais que o distinguem. São eles:
• Duas vindas de Cristo. Um aparecendo no ar para os santos, o outro um retorno com os santos. Um período de 7 anos separa estas vindas. Neste tempo da tribulação, o Evangelho é pregado por um remanescente de judeus crentes e pelos cristãos que não foram suficientemente espirituais para serem arrebatados.
• Um arrebatamento secreto de alguns santos antes do período de tribulação quando o Anticristo surgirá. Esta é a chave para distinguir o chamado Arrebatamento Pré-tribulacionista (daqui por diante: pretribulação). Ele é iminente e poderia acontecer qualquer momento.
• Uma dicotomia entre a igreja e Israel . Os judeus são o verdadeiro povo da aliança com Deus que herdarão a aliança literal prometida, a igreja é a operação de “tapa-buraco” de Deus que beneficia as promessas judaicas. Esta distinção é vista como a doutrina dispensacionalista mais importante pelos dispensacionalistas Charles Ryrie e John Walvoord.
• Uma aproximação rigidamente literal para interpretação , especialmente dos livros proféticos. Ele divide a Bíblia entre o que se refere ao Reino (o Israel) e o que da Igreja.
• Divisão da história em dispensações que são períodos específicos de tempo onde Deus trata com os homens de um certo modo. Cada destes períodos de tempo termina em fracasso e julgamento.
Os aspectos mais importantes a serem avaliados são: o rapto de pré-tribulacionista e a dicotomia entre Israel e a Igreja.
AS ORIGENS

Durante o século dezenove

Algumas declarações superficiais e isoladas de “dispensacionalismo” têm aparecido ao longo da história. Alguns escritores do século 18 começaram a sistematizar algumas destas idéias, como por exemplo: Pierre Poiret e Isaac Watts. Porém, ninguém ensinou um arrebatamento pré-tribulacionista. O mundo todo acreditava que a igreja passaria pela Grande Tribulação . Alguns alegam que ele seria encontrado em ensinos de Pais da Igreja. Há algum pré-milenarismo neles, mas nenhum dos pontos distintivos-chave do dispensacionalismo: Não há qualquer separação entre a igreja e Israel e nenhuma idéia sobre cristãos escapando da tribulação ou do Anticristo por um arrebatamento.
A forma mais precoce de um arrebatamento secreto foi a idéia de um arrebatamento parcial que separaria alguns santos dos outros depois da tribulação. Ela estava estabelecendo uma priorização para segunda vinda para os crentes espirituais que teriam certa prioridade sobre os menos merecedores. Ninguém havia visto um lugar para judeus mesmo no fim e não havia nenhuma forma de dicotomia entre a Igreja e Israel.
Conferências proféticas do século dezenove:
Durante o século dezoito havia muito pouco ensinamento sobre o retorno do Senhor. Como resultado, uma reação começou nas décadas de 1820 e 1830. Surgiram abundantes conferências e periódicos proféticos. As mais importantes foram às conferências de Albury estabelecidas porHenry Drummond em 1826-30, mas as Conferências de Powerscourt , instituídas por Senhora Powerscourt, também foram significantes. O anglicano S.R Maitland começou a ensinar sobre um aparecimento futuro do Anticristo e três anos e meio de grande tribulação em 1826. O seguidor dele, James Todd, também escreveu extensivamente no assunto. William Burgh converteu-se a essa visão futurista do Apocalipse e a descreveu sistematicamente em 1835.
EDWARD IRVING

Antes de continuarmos, temos que explicar sobre a pessoa de Edward Irving. Originalmente um ministro (presbiteriano) da Igreja de Escócia, ele se mudou para Londres em 1822 e se tornou um pregador muito famoso. Ele era tão eloqüentemente poderoso e estimulante que atraiu grandes multidões em 1827. A grande igreja da Regent Square foi construída para ele. Esta foi a primeira adoção de práticas carismáticas modernas (inclusive línguas) seguindo a convicção de Irving, de que os dons do Espírito estavam sendo, novamente, distribuídos. As línguas apareceram primeiro no oeste da Escócia na primavera 1830 , mas logo estavam presentes na igreja de Irving. Quando foi expulso pela Igreja de Escócia em 1833, estabeleceu a Igreja Apostólica católica que era completamente carismática, havendo, inclusive, a convicção no papel vital dos profetas e apóstolos. Os eventos que se seguiram fizeram a situação se inverter negativamente, pelo uso abusivo dos dons ultrapassando o bom senso. O próprio Irving foi desalojado por homens possuidores de dons com, supostamente, maior autoridade (apostólica), resultando em muitas e sérias aberrações doutrinárias e éticas. Mesmo Irving ensinou uma falsa cristologia. Como resultado, Irving morreu um homem desmoralizado e o movimento inteiro se tornou vil.
Em 1830, porém, Irving estava na plenitude de sua fama, e falava às conferências de Albury. Seu jornal diário, “O Relógio Matutino”, que tinha um alto conteúdo de escatologia, era amplamente distribuído. Deveríamos registrar que este seu diário era suscetível a muitos ensinos misteriosos em seu perfil sintonizado à nova onda de dons espirituais. Alguns exemplos seguem.
• “Preexistência humana”, autor,: ‘WL , 1830 de março.
• “A igreja gerará novos povos no céu para habitarem outros mundos”, autor: ‘C ‘, setembro de 1830.
“A cabala oculta judaica descansou em uma fundação estável”, o autor não citado, setembro de 1830.
• “No céu Cristo multiplicará os seres humanos da igreja, não por criação, mas através de geração misteriosa da mesma forma que o Cristo foi gerado” autor: Irving, março de 1833.
• “O Zodíaco tirará de ciência secular uma demonstração conclusiva da cronologia das Escrituras”, o autor não foi citado, março de 1833.
Todas estas sortes de aberrações doutrinárias eram apresentadas como “mistérios antes desconhecidos” (“O Relógio Matutino”, de junho de 1833). Os mesmo artigos zomboram de grandes teólogos do passado, denegrindo cristãos que estudaram seus livros como idólatras ‘’e chamando o Mundo Evangélico de “modernos moabitas”.
Como em muitos outros cultos, acreditavam que era necessário estar unido a eles e ser iniciado para ser salvo. Um historiador dos irvingitas, Edward Miller explica que era necessário ser selado pelos apóstolos da Igreja Apostólica católica para escapar da iminente Grande Tribulação. 2 Cada um dos apóstolos irvingitas teria que selar 12000 pessoas antes de morrer, mas não puderam fazer isso a tempo (os voluntários eram insuficientes). Um profeta útil declarou que os que fossem selados continuariam assim no Paraíso. 3
A INFLUÊNCIA CATÓLICA ROMANA

O jornal diário da igreja irvingita (O Relógio Matutino) trouxe um artigo em setembro 1830 apresentava a vinda de Cristo em duas fases. Esta idéia crítica originou-se de um escritor espanhol jesuíta católico romano, chamado Manuel Lacunza. O livro dele, “A Vinda do
Messias em Glória e Majestade”, foi traduzido por Irving em 1827 e foi estudado na conferência de Albury , e especialmente nas mais recentes reuniões de Powerscourt.
Isto é importante – um dos pontos-chave para as bases dispensacionalistas foi o estudo das imaginações de um jesuíta romano, e também foram consideradas as idéias de outro jesuíta, Ribera.
Assim, aproximadamente em 1830 houve:

• Um alto grau de especulação escatológica em conferências, livros e diários;
• Uma visão futurista de Revelação;
• Uma aceitação crescente de idéias extremas inclusive carismania
• Uma visão jesuítica de duas segundas vindas de Cristo;
• Idéias sobre a separação da igreja e Israel;
• Um parêntese no reino judeu (veja depois); e a subida esperada do Anticristo e a Grande tribulação
Também é interessante notar que Joseph Smith publicou o Livro dos mórmons e ensinou sobre um reinado de Israel, em 1830.
Em 1831 William Miller (o fundador de adventismo ) começou a ensinar seus achados. AsTestemunhas de Jeová também começaram logo depois.
O chiliasmo (milenarismo) estava no ar, na metade do século dezenove. Porém, o ingrediente perdido era o arrebatamento secreto .
MARGARET MACDONALD

A primeira pessoa que falou sobre um arrebatamento antes da tribulação foi uma menina jovem chamada Margaret Macdonald , de Porto Glasgow (15 milhas de Glasgow) que estava familiarizada com “O Relógio Matutino” e Edward Irving.
O veículo desta idéia foi uma visão que ela escreveu e foi lida por Irving. Nos no início da década de 1800, algumas pessoas estavam começando a pensar em uma futura tribulação e no Anticristo. Antes disso, a maioria delas havia sido historicista, vendo os 1260 dias de Apocalipse como anos e a tribulação como um período no presente ou no passado e vendo o Anticristo como o Papa, ou Napoleão, e a besta como os judeus, pagãos, arianos, sarracenos etc.
Em 1829 “O Relógio Matutino” apresentou as idéias proféticas mais avançadas, incluindo:
• uma tribulação futura e um Anticristo.
• um arrebatamento literal
• um arrebatamento parcial (apenas dos que fossem cheios do Espírito)

• porém, o filho varão de Apocalipse 12 não foi visto como um símbolo da igreja.
• uma ênfase nas testemunhas de Zacarias 4 tidas como as testemunhas de Apocalipse 11. [Historicamente, estas testemunhas haviam sido vistas como o Antigo e o Novo Testamentos, ou, alternativamente, como Enoque e Elias (que haviam sido arrebatados)].
Margarete viu estas testemunhas como um símbolo da igreja, introduzindo uma idéia escatológica completamente nova. Irving (como um historicista) tinha chegado perto disto vendo as testemunhas de Apocalipse 11 como uma sucessão de homens escolhidos fieis a Deus. Isto encontrava-se na sua introdução à tradução de Lacunza: A Vinda do Messias ‘. (Embora ele, depois, no mesmo trabalho, houvesse estabelecido que eles eram um símbolo das escrituras.)
Lacunza também os viu como duas congregações de ministros fieis, mas não os viu como sendo secretamente arrebatados antes da Tribulação. Irving, como muitos outros, acreditava que já estava vivendo os 1260 anos da Tribulação. 4
Margaret Macdonald jovem que teve tal uma influência crítica na formação da prétribulação era um fundamento pobre sobre o qual descansar. Sua inspiração veio de uma longa visão seguida de uma náusea prolongada que a deixou acamada por dezoito meses. Ela foi escrita e transmitida aos ministros, inclusive Irving, no tempo em que ele era muito suscetível a tais revelações carismáticas. Além disso, Margarete só era cristã há um ano e não tinha estudo algum. Provavelmente foram estes fatos que tornaram sua origem obscurecida e deram o crédito dessa versão a homens mais educados.
Margaret era, também, particularmente aberta ao oculto . Robert Norton escreveu sobre ela e uma amiga: “Eu vi ambas, e a Senhorita Margaret Macdonald, pairando como estátuas que tocavam levemente o solo, evidentemente, de forma sobrenatural”.
Andrew Drummond contou-nos que essa amiga íntima de Margaret, Mary Campbell, praticava psicografia, tinha intenso poder psíquico e era médium . Na época em que teve sua visão da prétribulação Margaret também predisse que o socialista Robert Owen era o Anticristo. 5 Margaret começou a falar em línguas aproximadamente quatro meses depois de sua visão em agosto 1830.
O RELÓGIO MATUTINO

O Relógio Matutino não deu a Margaret Macdonald o crédito dessa teoria como uma inspiração sua, embora mencionasse que ‘várias mulheres jovens’ que haviam tido profundas revelações em algumas frases entrecortadas. Robert Baxter, um advogado que se desiludiu com os Irvingitas e deixou-os, escreveu sobre Margaret na sua “Narrativa dos Fatos”. Ele declarou isso:
“A ilusão apareceu primeiro na Escócia, mas não despertou muita atenção até ser adotada e apoiada pelo Sr. Irving”.A visão de Margaret (não creditada a ela) apareceu em 1840 nas Memórias de James & George Macdonald de Porto Glasgow escrito por Robert Norton . Em 1861 ele publicou a visão dela e a nomeou especificamente, identificando-a como a fonte da nova doutrina. A afirmação de que os Irvingitas iniciaram o ensino prétribulacionista também foi sustentada por muitos contemporâneos deles e por eminentes escritores dos Irmãos, como: S. P. Tregelles, J. P. Lange, Thomas Croskery, o Edward Miller (o historiador dos Irvingitas), William Reid, George Stokes e J. S. Teulon.
Subseqüente para receber uma cópia da visão de Margaret, “O Relógio Matutino” se estendeu explicando sua modificação da escatologia. Eles alegaram que a I Tess 4 seria, agora, separada do trecho de Mateus 24. Um artigo por ‘Fidus ‘ em junho 1830 estabeleceu claramente que
Filadélfia (os crentes espirituais) seria arrebatada e ‘Laodicéia’ (os cristãos não-espirituais, e judeus seguidores do Anticristo) permaneceria na terra para enfrentara a Grande tribulação. Margaret tinha se apoiado no símbolo das duas testemunhas ‘ e Fidus nas 7 igrejas . Depois, outros (especialmente Darby) se apoiariam no símbolo do filho varão. Os prétribulacionistas têm que se apoiar nestes símbolos de Apocalipse porque não há, absolutamente, nenhuma declaração clara, não-simbólica na Bíblia defende-lo.
O arrebatamento prétribulacionista ficou conhecido como ‘o arrebatamento secreto’. Ela cria uma tendência para o desenvolvimento de uma sociedade enigmática elitista de partidários, daqueles que são privilegiados por saber sobre este segredo ou que são especialmente espirituais para tomar parte nele. Em junho de 1832, foi estabelecido que o a vinda de Senhor seria uma alegria preparada apenas para aqueles que esperavam por ela. Somente eles veriam o Senhor e o restante da igreja veria este primeiro aparecimento apenas como um meteoro ou uma nuvem.
Outras idéias começaram a emergir. Em junho de 1832, num artigo sobre a festa dos Tabernáculos, os sete dias da festa seriam sete anos, os treze bois sacrificados indicavam uma confederação de treze poderes hostis, durante a subida de Anticristo, Gog e Magog etc. Isto parece ter sido a primeira menção do período de sete anos de tribulação. Fora de interesse, Darby estava ensinando uma tribulação de três anos e um semestre tão tarde como 1868.
Em razão dos simbolismos dos tipos poderem ser interpretados de acordo com outras influências, uma vez que ignoram a hermenêutica bíblica, a interpretação desta festa variou significativamente de ano para ano.
Os irvingitas trocaram o arrebatamento das seis festas (das sete festas de Lev. 23) para cinco festas, então, quatro festa, e até mesmo três festas, dentro dos primeiros poucos anos.
Os dispensacionalistas modernos têm os mesmos problemas. Scofield fundou seu arrebatamento prétribulacionista sobre as três festas (primícias).
Hal Lindsey tem um arrebatamento em algum lugar entre as três festas e as sete festas.
Edgar Whisenant baseou-o nas cinco festas e declarou que aconteceria em 1988. Outro autor declarou recentemente que aconteceria em maio de 1997.
As idéias sobre o filho varão de Irving começaram a emergir em junho de 1831 sendo repetidas por Darby em 1839. Ele falou do ensino de Paulo sobre a união dos crentes com Cristo e transferiu-o para a interpretação das profecias do Antigo Testamento e para os simbolismos do Apocalipse.
As referências para ‘Cristo’ ficaram incorporadas, especialmente na referência oculta do filho varão de Apocalipse 12. Com uma exegese apavorante ele vê uma primeira companhia juntada (arrebatamento do filho único) antes dos demais membros da igreja que passarão pela Grande Tribulação (um resto da semente da mulher). Entre as perguntas que esta tolice levanta se incluem:
• Parte do símbolo tomada literalmente (‘arrebatado ‘), e parte é tomada espiritualmente (um filho varão de ”)?
• Se o filho varão se referisse literalmente ao Cristo como ele reivindicou, por que os discípulos não acompanharam Cristo ao céu em sua ascensão?
• Se o filho varão simboliza um arrebatamento prétribulacionista em Apocalipse 12: 5, a cabeça precisaria estar na terra para que o corpo e os membros pudessem ser levados juntos?
• Se a igreja já é misteriosamente (espiritualmente) unida à cabeça, por que a igreja precisa estar pessoalmente com ele em Apocalipse 12:5?
Nota minha: parece que a pergunta chave é que se o filho varão é Jesus, e este foi elevado ao céu, como relata o versículo de forma específica, como poderia estar se referindo, também, a um evento que dois mil anos depois disso ainda não aconteceu?

O DESENVOLVIMENTO POR DARBY
Dave MacPherson catalogou as principais convicções escatológicas de Darby em 21 doutrinas . Ele demonstrou, então, que todas elas estão presentes e têm o mesmo teor, que o discurso preliminar de Edward Irving para o trabalho de Lacunza publicado em 1827. Em 1829, o próprio Darby estava expressando apenas 6 dos 21 artigos. Por exemplo, em 1829 Darby tinha uma perspectiva postribulacionista e só via uma distinção , não um dicotomia (separação) entre o Israel e a igreja. Darby também citou Irving, Lacunza e “O Relógio Matutino” em 1830.6.
Além disso, a idéia do parêntese de Darby (onde o reino judeu é colocado em espera enquanto a igreja Gentílica vai sendo desenvolvida) apareceu em 1830; mas o mesmo pensamento, com teor bem parecido, também surge freqüentemente no obra “O Milênio” por W C Davis, da Carolina do Sul em 1811.7 Lacunza mencionou esta palavra explicando a escritura profética.
Somente em 1870 o desenvolvimento de Darby conduziu o dispensacionalismo moderno na posição que á atualmente sustentada. Ele deixou de enfatizar o símbolo do filho varão em favor do símbolo de Filadélfia , ou até mesmo o apóstolo João que ouviu ‘Subi cá ‘ .8 Todos estes tinham sido declarados previamente pelos Irvingites e tinham sido usados como um símbolo da igreja, até mesmo João.9
As mais recentes reminiscências de Darby mostram sinais de falsificação e plágio. Por exemplo, suas observações sobre um encontro de pregadores escoceses de 1830, conduzido pelos Macdonalds, que incluía falar em línguas, 10 é quase idêntica ao relatório dado por John B. Cardale publicada no “Relógio Matutino em dezembro de 1830, com exceção de um artigo. Darby omite as expressões vocais de Margaret relativas a uma libertação prétribulacionista. Outro escritor que notou isto foi F. Roy Coad, que chamou-as de “ táticas nada ingênuas” que “caíram em descrédito” .11 Benjamim Newton escreveu que Darby era muito sutil (i.e. astuto). Darby pode ser reconhecido como aquele que popularizou os pensamentos pré-tribulacionista e dispensacionalista de outros, mas não como o originador deles – como é reivindicado em todos os lugares.
Anteriormente os historiadores e teólogos não estavam no escuro sobre isso. George Stokes escreveu: “Darby… absorveu as teorias dos irvingitas sobre profecia que coincidiam com sua forma natural de pensar”. 12 Samuel Tregelles , um dos mais capazes estudiosos do século dezenove e um líder de Irmãos, disse que a doutrina do Arrebatamento Secreto foi desenvolvida pelos irvingitas, das quais os Darbyites escreveram tratados heterodoxos, livros históricos falsificados para proteger suas idéias, e acrescentaram pensamentos insalubres às citações de escritores existentes, tudo sob a desculpa de estar sendo feito para a glória de Deus. 13
os trabalhos de Darby, William Kelly os revisou para, deliberadamente, dar a impressão que Darby originou as doutrinas chaves e usou técnicas de edição para falsificar a posição irvingita..14 Os dispensacionalistas modernos persistiram neste erro, por acidente ou de propósito. 15
Depois de serem introduzidos pelo líder dos Irmãos, John Darby, alguns dos demais líderes (como B. W. Newton, George Muller) rejeitaram este erro. S. P. Tregelles acrescentou que a
idéia veio de um espírito de engano que incitava visões na igreja de Irving . Outros líderes contemporâneos, como Spurgeon e William Booth também condenaram o ensino.
As idéias foram exportadas por meio de várias visitas de Darby aos E.U.A. (entre 1859-74) e uma série de conferências proféticas (1878-1901) que apresentaram o dispensacionalismo para os americanos. Entre os delegados estavam Hudson Tailor, A.T. Pierson. A.J. Gordon, S.H. Kellog e W.J. Erdman.
A BÍBLIA DE SCOFIELD E OUTROS LIVROS
O dispensacionalismo foi internacionalmente popularizado pela Bíblia de Referência Scofield (surgindo a partir destas conferências e sendo publicada em 1909, ela teve mais de 3 milhões de exemplares vendidos até 1960)16, pelos artigos de J.N. Darby, livros de William Kelly, A Bíblia Companheira de E.W. Bullinger, o “Jesus está voltando” de W.E. Blackstone (centenas de milhares enviados gratuitamente aos trabalhadores cristãos nos E.U.A.) e por muitos outros artigos dos Irmãos. Muitos destes trabalhos denegriram comentários existentes, até mesmo dos Pais da igreja e dos Reformadores, e ostentaram uma revelação especial, de que somente os seus trabalhos verdadeiramente compreenderiam os mistérios de Deus.
Isto conferiu a estas idéias um caráter de novidade ‘atraente e popular ‘ para o público cristão. Também deve-se notar que, neste período, havia uma corrupção difusa na igreja, associada a um nível pobre de ensino (apesar de algumas exceções notáveis). como resultado, muitos mudaram para o lado de Darby que promovia um retorno para a exegese do ensino da Bíblia. “ Ele (Darby) pôde fazer o que fez porque havia uma grande necessidade… a igreja era corrupta, o clero desaprendeu . Liberalismo fez com que todos ficassem menos compromissados. Ensinos proféticos… eram quase desconhecidos. As multidões sofriam de fome espiritual.”17
A SITUAÇÃO ATUAL

Hoje, os mais populares defensores sistemáticos são americanos (vivos ou mortos) como: Charles Ryrie, John Walvoord, Lewis Sperry Chafer, Arno Gaebelein, J. Dwight Pentecost e Ernest Pickering . A um nível popular, há numerosos livros de capa mole melodramáticos (como Hal Lindsey : “O Grande e recente planeta terra”) ou filmes.
Nós podemos identificar as seguintes variedades
• Dispensacionalismo Clássico – (Scofield, Chafer), o Israel está na terra, a igreja nunca está no céu e os dois se encontre no mundo novo. Há dois modos de salvação: As obras do Antigo Testamento e a fé do Novo Testamento. Chafer mantém a duas alianças. Esta visão dominou de 1900 até os anos 50.
• Hiperdispensacionalismo – em vez de achar a origem do dispensacionalismo habitual da igreja em Atos 2, estes vêem isto em Atos 13 (como Charles Baker, autor de “Uma teologia dispensacionalista e sua associação com as principais correntes da Faculdade Bíblica da Graça”)
• Dispensacionalismo Extremista – A igreja começa em Atos 28 (como E.W. Bullinger, consequentemente às vezes chamou Bullingerismo). Então, somente algumas das cartas de Paulo se aplicam à igreja, sendo o restante do Novo Testamento, judaico.
• Neo Dispensacionalismo – (Ryrie, Walvoord, Dwight Pentecost). Israel e a igreja buscarão juntas o milênio; há só um modo a salvação em ambos os testamentos (fé); há apenas uma Nova Aliança. O Seminário de Dallas promove esta visão.
• Dispensacionalismo Progressivo – Nos últimos anos alguns perceberam que até mesmo algumas visões do neodispensacionalismo são insustentáveis e buscaram melhorar seu ensino (por exemplo: Robert Saucy, Craig Blaising, Darrell Bock).
Eles declaram isso:
A igreja não é um parêntese, mas o primeiro passo para estabelecer o reino de Deus .
O Deus não tem dois propósitos (i.e. o Israel e a igreja), há só um propósito , mas ambos têm parte nisto.
Não haverá qualquer distinção entre Israel e a igreja no estado futuro.
A igreja reinará (com os judeus) em corpos glorificados em terra durante o milênio.
Mas eles ainda insistem que, no milênio, serão cumpridas profecias do Velho Testamento relativas a Israel por judeus étnicos . Eles não vêem a igreja como o Novo Israel nem acreditam que as profecias do Antigo Testamento serão cumpridas na igreja.
A pessoa pode começar a ver o quão complexo e variado é este esquema. Há, também, uma desesperadora discordância entre seus professores. É realmente concebível que os maiores santos na história da igreja não pudessem ter conhecido esta “verdade vital” por 1900 anos? Também é preciso considerar que as suas bases foram postas por: um Jesuíta católico Romano, um desacreditado herege carismático e uma menina jovem influenciada por alucinações e conectada à práticas ocultas.

Publicado em por Alvaro Goncalves

Tags: