Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
O Que é o Milênio?

O Que é o Milênio?
Onde a Bíblia ensina sobre o Milênio?
Se você procurar a palavra Milênio em uma concordância bíblica, provavelmente ficará frustrado. Há várias passagens bíblicas que ensinam sobre o Milênio, apesar de a palavra em si não ser mencionada. O Milênio é uma doutrina bíblica e um conceito teológico derivado de várias passagens. Assim como muitos termos teológicos, a palavra Milênio vem do latim. Refere-se ao período de tempo em que a Bíblia diz que o Reino do Messias será estabelecido na terra antes do fim da história.
A palavra Milênio vem do latim Mille, que significa “mil”, (a palavra grega para Milênio vem de chilias, que significa “um mil”), e annus, que significa [em latim] “ano”, [etos em grego]. O termo grego é usado seis vezes no texto original do capítulo vinte de Apocalipse para definir a duração do reino de Cristo na terra antes da destruição do velho céu e da velha terra. Então, a palavra Milênio refere-se aos mil anos do futuro reinado de Cristo que precederão a eternidade. [1]
Várias passagens do Velho Testamento falam sobre um tempo futuro de verdadeira paz e prosperidade para os seguidores justos de Deus, sob o reinado benevolente e físico de Jesus Cristo na terra. Zacarias 14.9 fala sobre esse período, dizendo: “O Senhor será Rei sobre toda a terra; naquele dia, um só será o Senhor, e um só será o seu nome”. A passagem continua nos versículos 16-21, descrevendo algumas das condições reinantes no Milênio. Apesar de toda a Bíblia falar descritivamente sobre o Milênio, apenas no último livro – Apocalipse – a duração do Seu reinado foi revelada.
Isaías (700 anos a.C.) previu essa era futura: “Nos últimos dias, acontecerá que o monte da Casa do Senhor será estabelecido no cimo dos montes e se elevará sobre os outeiros, e para ele afluirão todos os povos. Irão muitas nações e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá à lei, e a palavra do Senhor, de Jerusalém. Ele julgará entre os povos e corrigirá muitas nações; estas converterão as suas espadas em relhas de arados e suas lanças, em podadeiras; uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Isaías 2.2-4).
Alguns capítulos adiante, ele escreve novamente sobre o Milênio: “O lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo se deitará junto ao cabrito; o bezerro, o leão novo e o animal cevado andarão juntos, e um pequenino os guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, e as suas crias juntas se deitarão; o leão comerá palha como o boi. A criança de peito brincará sobre a toca da áspide, e o já desmamado meterá a mão na cova do basilisco. Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do Senhor, como as águas cobrem o mar” (Isaías 11.6-9).
Outras passagens do Velho Testamento que tratam detalhadamente a respeito incluem: Salmo 2.6-9; Isaías 65.18-23; Jeremias 31.12-14; Ezequiel 34.25-29; 37.1-14; 40-48; Daniel 2.35; 7.13-14; Joel 2.21-27; Amós 9.13-15; Miquéias 4.1-7 e Sofonias 3.9-20. Esses versículos são apenas algumas das várias passagens relacionadas a esse assunto, escritas antes da primeira vinda de Cristo. O estudioso em profecias David Larsen resume esses textos dizendo sucintamente: “grande parte da profecia do Velho Testamento indica o estabelecimento de um reino de paz na terra em que a lei sairá do Monte Sião”.[2]
O Novo Testamento também dá testemunho desse reino vindouro, dando continuidade à visão do Velho Testamento de um Reino Milenar futuro. Jesus falou sobre o Reino Milenar durante a ceia de Páscoa, antes de ser traído e crucificado: “A seguir, tomou um cálice e, tendo dado graças, o deu aos discípulos, dizendo: Bebei dele todos; porque isto é o meu sangue, o sangue da nova aliança, derramado em favor de muitos, para remissão de pecados. E digo-vos que, desta hora em diante, não beberei deste fruto da videira, até aquele dia em que o hei de beber, novo, convosco no reino de meu Pai” (Mateus 26.27-29; veja também Marcos 14.25; Lucas 22.18).
A passagem mais extensa sobre o Milênio está em Apocalipse 20, em que João descreve uma seqüência cronológica – a prisão, a rebelião e o julgamento de Satanás no Milênio. Alguns teólogos também acreditam que Apocalipse 21.9-27 descreve a Nova Jerusalém durante o Milênio. Isso não é provável, porque a passagem se refere ao Estado Eterno, o que é apoiado pelo desenvolvimento seqüencial do texto desde o Milênio em Apocalipse 20 até o Estado Eterno em Apocalipse 21. Ainda outros acreditam numa posição intermediária e vêem a passagem como uma descrição da morada eterna dos santos ressurretos durante o Milênio. [3]
O reino futuro de Deus terá duas fases distintas, o Milênio e o Estado Eterno. Mas a maior ênfase da Bíblia está no reinado de mil anos de Cristo no Seu futuro reino conhecido como Milênio. O Milênio é uma realidade bíblica futura. Segundo a Bíblia, a vida na terra ficará melhor, mas não antes de piorar por um período de sete anos conhecido como a Tribulação.

Qual a relação entre Israel e o Milênio?
Israel e Jerusalém terão um papel muito importante no Milênio. O Milênio é a ocasião da restauração final física e espiritual de Israel. A restauração é descrita em Ezequiel 37 e resumida nos versículos 21-22: “Dize-lhes, pois: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel de entre as nações para onde eles foram, e os congregarei de todas as partes, e os levarei para a sua própria terra. Farei deles uma só nação na terra, nos montes de Israel, e um só rei será rei de todos eles. Nunca mais serão duas nações; nunca mais para o futuro se dividirão em dois reinos.”
Israel e Jerusalém realmente serão uma terra santa e uma cidade santa. O profeta Isaías escreve: “Mas vós folgareis e exultareis perpetuamente no que eu crio; porque eis que crio para Jerusalém alegria e para o seu povo, regozijo. E exultarei por causa de Jerusalém e me alegrarei no meu povo, e nunca mais se ouvirá nela nem voz de choro nem de clamor. Não haverá mais nela criança para viverem poucos dias, nem velho que não cumpra os seus; porque morrer aos cem anos é morrer ainda jovem, e quem pecar só aos cem anos será amaldiçoado. Eles edificarão casas e nelas habitarão; plantarão vinhas e comerão o seu fruto. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque a longevidade do meu povo será como a da árvore, e os meus eleitos desfrutarão de todo as obras das suas próprias mãos. Não trabalharão debalde, nem terão filhos para a calamidade, porque são a posteridade bendita do Senhor, e os seus filhos estarão com eles” (Isaías 65.18-23).
A restauração de Israel incluirá a regeneração, reunião e posse da Terra, e o restabelecimento do trono davídico. [4] Há várias outras características da restauração que acompanharão os eventos descritos acima. Segundo Jeremias 3.18 e Ezequiel 37.15-23, a nação será reunida de tal forma que a antiga divisão entre Israel e Judá será eliminada. Como nação, Israel se tornará o centro das atenções para os gentios (Isaías 14.1-2; 49.22-23; Sofonias 3.20; Zacarias 8.23) e desfrutará de todas as condições físicas e espirituais mencionadas anteriormente (Isaías 32.16-20; 35.5-10; 51.3; 55.12-13; 61.10-11).[5]
É difícil subestimar a importância e o papel da redenção e restauração de Israel no Milênio. David Larsen escreve: Na filosofia grega, especialmente em Platão, encontramos uma profunda antipatia pela matéria, por exemplo, quando defendem que o corpo é a prisão da alma. Os hebreus, em comparação, eram um povo terreno porque Deus declarou boa a ordem física que criou. Mas a matéria boa foi deturpada pelo pecado humano. A ordem criada precisa obter e obterá redenção (Rm 8.19-22). Cristo reinará por 1.000 anos tendo Jerusalém como Seu centro de governo aqui na terra. Essa será a era dourada que os profetas previram. Então não nos surpreendemos que o reino terreno de Cristo tenha um elenco judaico. [6]

Qual a relação entre a Igreja e o Milênio?
No Arrebatamento, a Igreja será removida da terra e estará presente com Cristo por toda a Tribulação. A Igreja será julgada por suas obras no tribunal de Cristo depois do Arrebatamento e participará das bênçãos do Reino Milenar (Rm 14.10-12; 1 Co 3.11-16; 4.1-5; 9.24-27; 2 Co 5.10-11; 2 Tm 4.8).
Em Mateus 19.28, Jesus disse aos Seus discípulos que estariam com Ele no reino e reinariam sobre as 12 tribos de Israel. Além disso, em 2 Timóteo 2.12, Paulo escreve: “se perseveramos, também com ele reinaremos”. Em Apocalipse 20.4 aprendemos que os santos martirizados na Tribulação também participarão do reinado de Cristo. Dois versículos depois, em Apocalipse 20.6, lemos que todos os que fizeram parte da primeira ressurreição reinarão com Cristo.
Já que o céu fica acima da terra, algumas pessoas sugerem que o papel celestial da Igreja como Noiva de Cristo é maior que qualquer papel terreno, inclusive superior ao lugar de Israel como líder das nações. Talvez seja melhor ver cada um na liderança das suas respectivas esferas, distintas, mas equivalentes – Israel na esfera terrena e a Igreja na celestial. De qualquer forma, o propósito principal do Milênio é a restauração de Israel e o reinado de Cristo sobre ele; a Igreja como Noiva de Cristo não estará ausente das atividades do Milênio.

Notas
1. John F. Walvoord, (Nashville: Thomas Nelson Publishers, 1993), p. 139.Prophecy: 14 Essential Keys to Understanding the Final Drama
2. David L. Larsen, Jews, Gentiles, and the Church: A New Perspective on History and Prophecy (Grand Rapids: Discovery House, 1995), pp. 310-11.
3. J. Dwight Pentecost, Manual de Escatologia (São Paulo: Editora Vida, 1998), pp. 568-86.
4. Arnold G. Fruchtenbaum, Footsteps of the Messiah: A Study of the Sequence of Prophetic Events (Tustin, CA: Ariel Ministries, 1982), pp. 287-312.
5. IBID, pp. 312-17.
6. Larsen, Jews, Gentiles, and the Church, p. 310.

Tags: