Inicio | Temas Bíblicos |Leia a Biblia Leia a Bíblia | Post´s em Espanhol |Doações |Contato pt Portuguese
Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Elohim verdadeiro, e a Yeshua o Messias, a quem enviaste. JOÃO 17:3
faceicon
O Servo Sofredor de Isaías 53

O Servo Sofredor de Isaías 53

 

Já sabemos há muito que o “Jesus” Romano do Cristianismo, é bem diferente, senão mesmo antagónico do Yeshua hebreu de Israel, todavia, a vida de ambas as personagens vieram ao conhecimento geral da humanidade através da mesma fonte, os Escritos Apostólicos, vulgarmente conhecidos como Novo Testamento.

Por haver uma relação directa e inquestionável entre a pessoa de Yeshua, e as profecias messiânicas do Tanach, os anti-missionários tem levado a cabo diversas tentativas para provar que tais profecias não foram cumpridas em Yeshua, e que tais associações são nada mais nada menos que a demonstração de falta de conhecimento da língua hebraica. Nada disso nos surpreende, pois há muito que está profetizado que a apostasia governaria o mundo nos últimos tempos.

Antes de iniciar, vamos ler algumas passagens para reflexão:

Romanos 10:19 “Mas digo: Porventura, Israel não o soube? Primeiramente, diz Moisés: Eu vos meterei em ciúmes com aqueles que não são povo, com gente insensata vos provocarei à ira”.

Romanos 11:25-26 Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades.

Ainda antes de prosseguirmos, é necessário fazermos aqui uma diferenciação crucial:

Yeshua não é o Jesus Romano. Ele não é parte de uma trindade e nem o deus-filho Romano herdado do paganismo.

Yeshua é o Mashiach (Messias), o Verdadeiro Messias Judeu de Israel que está sentado à direita do Pai, há 2000 anos. Com isso em mente, prosseguiremos para os seguintes esclarecimentos.

A análise que se segue, vem em resposta a certos argumentos utilizados por anti-missionários, anteriormente seguidores de Yeshua mas que deixaram de crer que Yeshua é o Messias de Israel, e consideram que afinal o Messias ainda não veio.

O nosso propósito não é criticar ou atacar tais indivíduos, pois é necessários que eles também se manifestem para que tudo seja cumprido, provavelmente muitos deles até são sinceros, e são apenas canais de difusão de confusão talvez mesmo sem se aperceberem, pois segundo eles, a intenção não é destabilizar ou afastar as pessoas da fé, mas sim unicamente harmonizar o texto sagrado, e procurar uma prática mais de acordo com as Escrituras sagradas. Por outro lado, o nosso propósito é únicamente demonstrar que Yeshua é realmente o Messias.

Isaías 53, sempre foi um texto considerado por unanimidade, como concernente ao Messias. Hoje em dia, como o conhecimento se multiplicou, e por cada vez mais pessoas acreditarem que Yeshua é o Messias, tem-se notado um certo desconforto entre alguns meios judaicos, e principalmente entre os grupos anti-missionários, por constatarem que o Messias do Cristianismo tem inúmeras características do Messias que é esperado pelo Judaísmo.

Segundo os anti-missionários, o servo sofredor de Isaías 53, refere-se a Israel, pois o mesmo Isaías identifica o servo de Elohim, como sendo Israel, e outros textos das Sagradas Escrituras demonstram que o servo é de facto Israel. Vejamos:

Isaías 41:8 Mas tu, ó Israel, servo meu, tu Jacó, a quem elegi, semente de Abraão, meu amigo.

Isaías 44:1 Agora, pois, ouve, ó Jacó, servo meu, e tu, ó Israel, a quem escolhi.

Isaías 44:21 Lembra-te dessas coisas, ó Jacó, e, tu, Israel, porquanto és meu servo; eu te formei, meu servo és, ó Israel; não me esquecerei de ti.

Isaías_45:4 Por amor de meu servo Jacó e de Israel, meu eleito, eu a ti te chamarei pelo teu nome; pus-te o teu sobrenome, ainda que não me conhecesses.

Jeremias_30:10 Não temas, pois, tu, meu servo Jacó, diz YHWH, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei das terras de longe, e a tua descendência, da terra do seu cativeiro; e Jacó tornará, e descansará, e ficará em sossego, e não haverá quem o atemorize.

Jeremias_46:27 Não temas, pois, tu, servo meu, Jacó, nem te espantes, ó Israel; porque eis que te livrarei mesmo de longe e a tua semente da terra do seu cativeiro; e Jacó voltará, e descansará, e sossegará, e não haverá quem o atemorize.

Ezequiel_28:25  Assim diz YHWH Elohim: Quando eu congregar a casa de Israel dentre os povos entre os quais estão espalhados e eu me santificar entre eles, perante os olhos das nações, então, habitarão na sua terra que dei a meu servo, a Jacó.

Os Anti-missionários chegam mesmo a ser ousados, ao considerarem que os crentes em Yeshua dão um tiro no próprio pé ao recusarem-se a aceitar que o servo não seja Israel, quando os próprios Escritos Apostólicos, frisam que Israel é chamado de servo por Miryam, mãe de Yeshua, em Lucas 1:54:

Lucas 1:54 e auxiliou a Israel, seu servo, recordando-se da sua misericórdia

É por demais evidente, que todas as referências citadas, demonstram que o termo servo neste contexto se aplica a Israel. Todavia, existem outras figuras que são identificadas como servo no Tanach, como foi o caso de Moisés ou David. Mesmo Isaías, alude a uma figura que não poderá ser Israel, conforme o texto de Isaías 49:5:

Isaías 49:5 E, agora, diz YHWH, que me formou desde o ventre para seu servo, que eu lhe torne a trazer Jacó; mas Israel não se deixou ajuntar; contudo, aos olhos de YHWH, serei glorificado, e o meu Elohim será a minha força.

Neste último vs. vemos que a figura do servo não é Israel, pois este servo é criado com o propósito de fazer retornar Jacob (Israel). Os anti-missionários poderão alegar que a referência do servo é a Isaías, mas o vs. 6, que se segue, demonstra que Isaías não poderá ser tal personagem, mas que essa figura é sim uma referência ao Messias:

Isaías 49:6 Pouco é o seres meu servo, para restaurares as tribos de Jacó e tornares a trazer os remanescentes de Israel; também te dei como luz para os gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra.

Israel é na verdade diversas vezes identificado como servo, mas não sempre. E Isaías 53 é um dos exemplos em que o servo referenciado aponta, como veremos, para outra figura que não o povo de Israel.

Quem é o servo sofredor de Isaías 53?

“Da opressão e do juízo foi tirado; e quem contará o tempo da sua vida? Porquanto foi cortado da terra dos viventes; pela transgressão do meu povo ele foi atingido.”

Tendo em conta o que foi avançado no ponto anterior, de que o servo sofredor é o povo de Israel, analisando este versículo de Isaías 53, esse argumento depara-se com o primeiro problema:

O povo de Israel morreu pela transgressão do “meu povo”??  Seguindo esse raciocínio então morre por si mesmo?

Não faz qualquer tipo de sentido. Ele, o servo, foi atingido por causa da transgressão de Israel. Mesmo Rambam e muitos outros rabinos como Abarvanel concordam que está é uma passagem explicitamente messiânica!

53:9 “E puseram a sua sepultura com os ímpios, e com o rico na sua morte; ainda que nunca cometeu injustiça, nem houve engano na sua boca.”

Aqui deparamo-nos com outro problema: Porventura todo o povo de Israel foi sepultado com os ímpios? Porventura o povo de Israel nunca cometeu injustiça? Porventura nunca se achou engano na boca do povo de Israel?

O povo de Israel, tanto a casa de Judá como a casa de Israel, têm a sua história manchada com episódios de rebeldia e de iniquidade. Como é que o texto pode ser uma referência a Israel, se o texto diz-nos que este servo nunca cometeu injustiça nem houve engano na sua boca?

53:10 “Todavia, a YHWH agradou moê-lo, fazendo-o enfermar; quando a sua alma se puser por expiação do pecado, verá a sua posteridade, prolongará os seus dias; e o bom prazer do Senhor prosperará na sua mão.”

Porventura o Eterno colocará a alma do povo de Israel como expiação do pecado? Como é fácil perceber esta passagem fala explicitamente de uma pessoa física.

53:11 “Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; com o seu conhecimento o meu servo, o justo, justificará a muitos; porque as iniquidades deles levará sobre si.”

De modo algum todo o povo de Israel é justo. O Eterno chama o seu servo de Justo! E ainda diz que Ele justificará a muitos! Numa clara referência a um sacrifício expiatório, pois ele (o Messias) levaria as iniquidades do povo sobre si.

Posto isto, fica claro aquilo que os principais rabinos de Israel já viram. Esta passagem de Isaías 53 fala explicitamente do Mashiach Ben Yossef (Messias filho de José) O servo sofredor que, segundo Ramban viria se o povo de Israel não fosse justo!

O servo sofredor de Isaías 53 é inocente e sem pecado e “não tinha cometido iniquidade, nem houve engano na sua boca”. Em contraste, Isaías descreve Israel como uma “nação pecadora, povo carregado de iniquidade(Isaías 1:4)

O servo sofredor de Isaías 53:3 mostra que o servo não foi estimado por Israel (“não havia nada nele que nos agradasse”). Já Israel diz de si mesmo como povo diariamente nas suas orações:

“Louváveis são aqueles que habitam em tua casa! Que eles possam sempre te louvar, Selah Louvável é o povo, para quem isto é assim, louvável é o povo cujo Deus é o Senhor!” [O Sidur Artscroll]

O servo sofredor de Isaías 53:8 sofre a pena da transgressão, no lugar do “meu povo” [Israel] “a quem a maldição era devida”. Este não pode ser Israel.

O servo sofredor morre, é sepultado, e é chamado de rico na sua morte (vers. 9) E a nação de Israel nunca morreu ou foi enterrada.

O servo sofredor de Isaías 53 serve como uma “oferta pela culpa” (em hebraico: asham). Pode o sofrimento de uma nação pecadora servir para expiar os seus próprios pecados e muito menos os pecados de outras nações? Não.

O servo sofredor de Isaías 53 não é o povo de Israel, o servo sofredor de Isaías 53 é Yeshua, o filho unigénito de YHWH, o filho do Único Elohim verdadeiro que habita na luz inacessível.

Em Deuteronómio 18, começamos a desenvolver os identificadores do Messias nas profecias.

Deuteronómio 18:15-19 YHWH, teu Elohim, te despertará um profeta do meio de ti, de teus irmãos, como eu; a ele ouvireis; conforme tudo o que pediste a YHWH, teu Elohim, em Horebe, no dia da congregação, dizendo: Não ouvirei mais a voz de YHWH, meu Elohim, nem mais verei este grande fogo, para que não morra. Então, YHWH me disse: Bem falaram naquilo que disseram. Eis que lhes suscitarei um profeta do meio de seus irmãos, como tu, e porei as minhas palavras na sua boca, e ele lhes falará tudo o que eu lhe ordenar. E será que qualquer que não ouvir as minhas palavras, que ele falar em meu nome, eu o requererei dele.

Vemos que que logo após o estabelecimento do pacto entre YHWH e Israel, foi profetizado que um profeta viria e que seria como Moisés. Nós também percebemos através de Êxodo 19:24 e Jeremias 31:31, sobre o que Moisés se referia, ao dizer que o Profeta seria “como ele.”

Este profeta deveria:

1. Ser um israelita.

2. Renovar a aliança entre Elohim e Seu povo.

3. Revelar o real sentido da Torá de Elohim, Seus estatutos que seriam escritos em seus corações ao invés de tábuas de pedra, e servir como uma aliança pelo povo. 

4. Interceder entre Elohim e o Seu povo.

5. Receber directamente a Palavra de Elohim, do próprio Elohim, e a ensinaria ao povo.

6. Libertar o povo de Elohim da escravidão.

Além disso, vimos que o estabelecimento de uma aliança com Elohim envolvia:

7. Um sacrifício.

8. Uma refeição sacrificial.

9. Os líderes do povo de Elohim seriam levados a uma montanha e veriam a glória de Elohim.

Assim, desde o início da nação de Israel no Sinai, que há uma expectativa inerente de alguém que viria ser o sucessor de Moisés. Ao compreender a importância de Moisés para o povo de Israel e o seu papel na sua história, nós sabemos que esse Profeta não seria uma pessoa insignificante.

Os anti-missionários acreditam que esta profecia, dada por Moisés, foi cumprida por Josué e pelos outros profetas de Israel, mas, embora esses indivíduos realmente tenham recebido a palavra de Elohim e a tenham proclamado ao povo de Israel, é bem difícil concordar que fosse a esses que Moisés se referia quando fez essa profecia.

Vemos que as palavras de Moisés exigem um cumprimento mais específico num único indivíduo, sendo que todos os profetas, seriam uma sombra desse indivíduo, que desempenharia um papel muito semelhante ao de Moisés. E isto levou alguns estudiosos eruditos judeus a verem claramente que esta passagem se refere especificamente ao Messias.

As referências a este servo estão também em Isaías 52:

Isaías 52:13-15 Vê! O Meu servo procederá com prudência, ele deverá ser exaltado e enaltecido, e ser muito elevado. Como muitos ficaram espantados contigo; seu parecer estava tão desfigurado, mais do que qualquer homem, e seu aspecto mais do que os filhos dos homens: Por isso ele aspergirá muitas nações, os reis fecharão a boca diante dele, pois o que não tinha foi dito a eles, eles verão, e o que eles não tinham ouvido, eles vão acreditar.

Os textos de Isaías 52-53 estão repletos de profecias messiânicas. Este significado messiânico é reconhecido por estudiosos judeus no Talmud. Abaixo estão alguns de seus comentários.

Devemos também notar que, enquanto Isaías 53 mostra claramente o Messias como humilde, aflito, rejeitado pelos homens, e sendo cortado da terra dos viventes, Isaías 52:13 mostra claramente o Messias como sendo exaltado.

Podemos ver a partir dessas descrições opostas do Messias, na mesma passagem das Escrituras o motivo pelo qual os rabinos desenvolveram a noção de dois Messias. Isaías 53 é usado para descrever o Messias sofredor que tem sido chamado de Mashiach ben Yosef (Messias filho de José). Isaías 52 é interpretado como uma referência ao Messias vitorioso, que é chamado o Mashiach ben David (Messias filho de David). 

O importante, porém, é notar que se trata exactamente do mesmo contexto, pois Isaías 53 é a continuação de Isaías 52, e portanto refere-se ao mesmo Messias, e não a dois.

Um Messias que, embora tenha inicialmente se manifestado humilde e tenha vindo montado num jumentinho, como um servo sofredor que foi morto, no final dos dias…

“Ele verá o fruto do trabalho da sua alma, e ficará satisfeito; por seu conhecimento meu servo justo justificará a muitos, pois ele carrega as suas iniquidades. Portanto, eu vou separar para ele uma porção com os grandes, e ele dividirá os despojos com os fortes, porque ele derramou a sua alma na morte e foi contado com os transgressores, e ele levou o pecado de muitos e fez intercessão pelos transgressores.” (como nos diz Isaías 53).

O importante a notar é que todo este louvor e exaltação que o Eterno o coroa acontece depois de sua morte física, o que explica perfeitamente a citação de Isaías 52 exaltando o Mashiach.

O que os Rabinos antigos diziam a respeito do Servo Sofredor de Isaías 53?

A interpretação rabínica moderna, e também a antimissionária dos dias de hoje defende, como já vimos, que Isaías 53 se refere a Israel, mas isto não é o que os Rabinos antigos pensavam, pois os mesmos interpretavam Isaias 53 como sendo concernente ao Messias. Vejamos alguns depoimentos:

Rabino Moshe Alschech (1508-1600):

“Nossos sábios Rabinos com uma só voz aceitam e afirmam em comum opinião que o profeta discursa sobre o Messias (em Isaias 53), e nós devemos aderir ao mesmo ponto de vista.”

Rabino Yafet Ben Ali (segunda metade do Século X): (Sobre Isaias 53) “Quanto a mim, eu vou considerá-lo como aludindo ao Messias.”

Abraham Farissol (1451 – 1526) diz: “Neste capítulo (Sobre Isaias 53) parece haver umas semelhanças e umas alusões consideráveis ao ministério do Messias e aos eventos que são aplicados para ter acontecido com ele, de modo que nenhuma outra profecia se encontra, que se lhe aplique tão bem, como tal, esse capítulo deve ser-lhe encarado como respeitante a ele.”

Targum Yonathan (Século IV) dá a introdução em Isaías 52:13: “Eis, meu servo o Messias…”

Gersonides (1288-1344) em Deuteronómio 18:18: “De facto o Messias é tal profeta, pois se indica no Midrash no verso, “Eis, meu Servo…(Isa. 52:13).”

Midrash Tanchuma: “Foi exaltado acima de Abraham [Abraão], exaltado acima de Moshé [Moisés], e ainda mais exaltado do que os Arcanjos (Isaías 52: 13)”.

Yalkut Shimoni (atribuído ao Rabbi Simeon Kara, do século XII): “Em Zacarias 4:7: (O rei Messias) é maior que os patriarcas, porque é dito, “Eis que o meu servo procederá com prudência; será exaltado, e elevado, e mui sublime. (Isaías 52:13).”

Maimónides (1135-1204) escreveu ao Rabbi Jacob Alfajumi: “Do mesmo modo está em Isaías que (Messias) apareceria sem reconhecer um pai ou uma mãe”: Pois foi crescendo como renovo perante ele, e como raiz que sai duma terra seca; (Isaías 53: 2).”

Tanchuma: O Rabino Nachman diz: A Palavra HOMEM na passagem, um homem que seja cabeça da casa de seu pai. (Números 1:4), alude ao Messias, o filho de David, porque está escrito, “Eis o homem cujo nome é Tzemach (renovo)”. Onde no Targun Yonathan interpreta, “Eis o homem, o Messias” (Zacarias. 6:12); e assim é dito: homem de dores, e experimentado nos sofrimentos; e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum (Isa.53:3).”

Talmud Sanhedrin (98b): “Messias… qual é seu nome? Os Rabinos dizem, “leproso”; aquele da casa de estudo. (Rabino Yehuda Hanassi, o autor do Mishná, 135-200): seus alunos disseram o nome do Messias é “Cholaja” (o enfermo), porque diz; “certamente carregou nossas enfermidades…” (Isaías 53:4). “

Pesiqta Rabbati (ca.845) sobre Isaías 61:10: Os “mundo dos Patriarcas”, um dia no mês de Nisan, levantarar-se-ão e dirão (ao Messias): ‘Efraim, nosso Justo Ungido, embora nós sejamos seus avós, contudo você é maior do que nós, porque você carregou os pecados de nossos filhos, porque diz: ‘Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de D’us, e oprimido’ ‘Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados’ (Isaías 53:4-5).

Rabino Shmeon Ben Yochai (2° Século), Zohar. parte II página 212a e III página 218a, Amsterdã Ed.): “Há no jardim de Éden um palácio chamado: ‘O palácio dos filhos da enfermidade, este é palácio que o Messias entra, e chama sobre si cada doença, cada dor, e cada castigo de Israel: então todos vêm e caem sobre Ele.

E assim tirou o peso de Israel, e os levou sobre si mesmo. Não havia nenhum homem capaz de carregar a punição de Israel por causa da transgressão da lei; este é aquele do que é escrito, Verdadeiramente ele tomou sobre si (Isaías 53:4). – Enquanto lhe dizem (o Messias) da miséria de Israel em seu cativeiro, e daqueles infiéis entre eles que não atenderam em conhecer seu Senhor, Ele (o Senhor deles o Messias) levanta sua voz e chora para pelas iniquidades e infidelidades deles; e assim escreve-se, “ele foi ferido por causa de nossas transgressões” (Isaías 53:5).

Midrash (em Ruth 2.14): É discurso do rei Messias – ‘venha em direção’, isto é próximo ao trono; “coma do pão”, isto é o pão do Reino. ‘Isto alude a (pão da) aflição, enquanto é dito, “mas foi ferido por causa de nossas transgressões, afligido por causa nossos iniquidades” (Isaías 53:5).

Disse o Rabino Elias de Vidas (Século XVI): “O significado de ‘foi ferido por causa de nossas transgressões, afligido por causa de nossas iniquidades’ é, desde que o Messias carrega nossas iniquidades que produzem suas aflições, consequentemente aqueles que não admitem que o Messias sofra por nossas iniquidades, então devem eles mesmos sofrer pelas deles.”

Siphre: Rabino Yosef Galileu: vem aprender os méritos do Rei Messias e a recompensa do justo – Considere quantas mortes levou sobre si, de sua própria geração, e sobre daquelas que os seguiram, até o fim de todas as gerações. Qual atributo é maior, o atributo da bondade, ou o atributo da vingança? ‘- Respondeu, ‘o atributo da bondade é maior, e o atributo da vingança é menor. Quanto mais então, o Rei Messias, que resiste as aflições e as dores por causa de nossas transgressões (pois se escreve, ‘foi ferido…), justificam todas as gerações. Este é o significado da palavra, mas Adonai fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós. (Isaías 53:6).”

O Rabino Eleazer Kalir (Século IX) escreveu a seguinte oração de Musaf* (do sidur): “Nosso Messias o justo partiu de nós. O Horror apreendeu-nos e nós não temos ninguém para justificar-nos. Carregou nossas transgressões e culpa de nossas iniquidades, e foi ferido por causa de nossas transgressões. Suportou nossos pecados em cima de seus ombros para que nós possamos encontrar o perdão para nossas iniquidades. Nós seremos curados por suas feridas, quando o ETERNO o recriar em uma nova criatura. E trazê-lo ao círculo da terra, levantá-lo de Seir, para que nós possamos o ouvir pela segunda vez.”

* Musaf: são as orações de acréscimos no sidur, o livro de orações e louvores judaicos usados nas sinagogas. . Seir – refere-se ao lugar onde Esaú foi. Esaú (que é chamado também de Edom) na literatura Talmúdica alude ao cristianismo.)

Rabino Moshé, “o Pregador” (século XI) escreveu NO seu comentário sobre Génesis (página 660): No princípio D-us fez uma aliança com o Messias e disse ao Messias: ‘meu Messias o Justo, aqueles que confiarem em você seus pecados, trarão sobre você um fardo muito pesado pra você suportar, e Ele (o Messias) respondeu: ‘eu aceito contente todas estas agonias de modo que nenhum só de Israel seja perdido. ‘Imediatamente, o Messias aceitou todas as agonias com amor, como se escreve: ‘foi oprimido e aflito’.

Pesiqta (sobre Isaías 61:10): “Grandes opressões foram colocadas em cima de ti, como diz: Pela opressão e pelo juízo foi levado e quem dentre os da sua geração considerou que ele fora cortado da terra dos viventes, ferido por causa da transgressão do meu povo? (Isaías 53 como ele dizem: mas Adonai fez cair sobre ele a iniquidade de todos nós.'(Isaías 53: 6). “

Hinei Tzemach Shmô:  “Eis que se chamará Renovo”

Talmud Brachot Cap. 2 Halachá 4 No Midrash Mishlei, o Rabino Huna fala dos “sete”  nomes do Messias, tirado também de Isaias 9:5

Rebbe Rabi Menachem Mendel Schneerson “É preciso lhes dizer que a verdadeira e perfeita Redenção depende inteiramente de nós; pois se nós, judeus, voltarmos a Elohim com um sincero arrependimento, seremos imediatamente redimidos pelo nosso justo Mashiach (Messias).

Vemos assim, que Isaías 53 como sendo um texto messiânico, não é – de todo – um conceito estranho para o judaísmo Rabínico. Infelizmente, na obsessão que os actuais “rebes” têm em se diferenciar do Cristianismo, acabam por negar os seus próprios testemunhos, ou os testemunhos daqueles que são para si uma referência – os “sábios” do Talmude.

Shavua Tov, e até para a semana se o Eterno o permitir.

Shalom.

 

 

http://emunah-fe-dos-santos.weebly.com/o-servo-sofredor-de-isaiacuteas-53.html

 

Tags: